Estes pais percorrem os trilhos mais longos da América com os seus cinco filhos - TVI

Estes pais percorrem os trilhos mais longos da América com os seus cinco filhos

  • CNN
  • Tamara Hardingham-Gill
  • 2 set 2023, 18:00

Percorrer três dos mais remotos e acidentados trilhos de longa distância da América seria um desafio para qualquer caminhante.

Mas tentar percorrê-los em conjunto com várias crianças pequenas - bem, isso é um jogo completamente diferente.

No entanto, depois de completarem o Trilho dos Apalaches, que se estende por cerca de 3.540 quilómetros entre a Geórgia e o Maine, e o Trilho Continental Divide, um trilho de 4.873 quilómetros que se estende do Novo México até à fronteira canadiana em Montana, os Netteburg estão no bom caminho para fazer isso mesmo.

Composta por Danae e Olen Netteburg (ambos de 44 anos) e os seus cinco filhos Lyol (14 anos), Zane (12 anos), Addison (10 anos), Juniper (sete anos) e Piper (dois anos), a família de caminhantes dos EUA está a caminho de completar a sagrada trindade das caminhadas na América do Norte, a Triple Crown, que abrange quase 8.000 milhas (cerca de 12.900 quilómetros).

Uma festa a sete

Olen Netteburg (à esquerda), a sua mulher Danae e seus cinco filhos Lyol, Zane, Addison, Juniper e Piper na Trilha Continental Divide. Foto Danae Netteburg

Atualmente a meio do Pacific Crest Trail, um trilho de 4 270 quilómetros que se estende desde a fronteira do México, passando pela Califórnia, Oregon e Washington, até ao Canadá, os Netteburgs sentem-se muito sortudos por poderem percorrer estes trilhos icónicos em família.

"Apercebemo-nos de que muitas pessoas não o conseguem fazer", diz Danae à CNN. "Ou não têm tempo, ou não têm dinheiro, ou não o querem fazer. Por isso, somos muito abençoados".

Danae e Olen, ambos médicos, conheceram-se na faculdade de medicina em 2003 e casaram-se cerca de três anos depois.

Em 2010, o casal mudou-se para o Chade, um país sem litoral no centro-norte de África, para gerir um consultório médico, e teve os seus filhos, que nasceram todos nos EUA.

Embora o casal tenha feito algumas viagens de mochila às costas ao longo dos anos, incluindo uma visita às Montanhas Rochosas canadianas depois de se casarem, só quando Juniper, a sua quarta filha, tinha cerca de dois anos é que decidiram tentar fazer um trilho extenso em família.

"Na altura, eles [os filhos mais velhos] tinham dois, quatro, seis e nove anos", explica Olen. "Nesse verão, fizemos quatro viagens separadas de uma semana - e os miúdos não odiaram. Pareciam gostar.

"Gostaram de acampar, apanhar salamandras, fazer fogueiras e tudo o resto."

O primeiro percurso que fizeram foi o West Rim Trail, uma caminhada de 49 quilómetros que percorre o lado ocidental do Grand Canyon da Pensilvânia.

Sentindo-se encorajados com o entusiasmo dos filhos, eles seguiram para a trilha Uintas Highline, um caminho remoto através da região alta das montanhas Uinta, no nordeste de Utah.

"Era um percurso de grande altitude e com condições climatéricas um pouco difíceis. Portanto, foi uma espécie de grande viagem", acrescenta Olen. "E os miúdos até gostaram dessa. Por isso continuámos."

Depois de mais uma caminhada familiar bem-sucedida, decidiram "arriscar e fazer o Trilho dos Apalaches" no início de 2020.

Desafio familiar

Os Netteburg no Northern Terminus da CDT: estão a poucos meses de completar a Triple Crown. Foto Danae Netteburg

"Pensámos em experimentar durante um mês para ver se conseguíamos continuar ou se alguém detestava, ou o que quer que fosse", explica Danae. "Não sabíamos como iria correr. Mas, afinal, foi um ano difícil para toda a gente."

Pouco depois de terem começado a percorrer o trilho, que se estende ao longo dos Apalaches desde Springer Mountain, na Geórgia, até ao Monte Katahdin, no Maine, o surto de Covid-19 foi declarado uma pandemia global e foram impostas restrições em muitos países do mundo.

"Vários locais na América [foram] encerrados de várias formas e em várias alturas", diz Olen. "Por isso, para onde quer que fôssemos, tínhamos de nos certificar de que era legal e seguro."

Os Netteburg admitem que não tinham a certeza se conseguiriam terminar o exigente trilho, mas sentiram-se cada vez mais confiantes à medida que o tempo passava e os seus filhos conseguiam atingir determinados objectivos.

"Foi uma espécie de grande momento quando os miúdos fizeram um dia de 18,1 quilómetros", diz Olen.

Para manter os filhos motivados, pediram-lhes que pensasem que pose quisessem para uma fotografia que todos tirariam depois de concluírem o Trilho dos Apalaches, e disseram-lhes para continuarem a praticá-la ao longo do percurso.

"Quando se faz caminhadas com crianças, é preciso exagerar muito", explica Danae.

O casal diz que os seis demoraram cerca de sete meses a chegar ao fim do trilho e, na última semana, estavam a discutir com entusiasmo que viagem iriam fazer.

"Começámos a ler alguns artigos online para os miúdos sobre o Pacific Crest Trail e o Continental Divide Trail", diz Olen.

"E os miúdos começaram a ficar entusiasmados. Escolhemos o Continental Divide Trail para ser o próximo".

Enquanto os caminhantes que tentam a "Tripla Coroa" (Triple Crown) tendem a fazer a Trilha do Pacific Crest depois da Trilha dos Apalaches e terminam com a Trilha Continental Divide, Olen explica que seus filhos "queriam a mais difícil".

"Pensámos que se só pudéssemos fazer mais um depois do AT, queríamos desafiar-nos", acrescenta. "Além disso, a ideia de menos multidões agradava-nos."

Bebé a bordo

A família de sete pessoas no Crater Lake, o lago mais profundo da América do Norte, situado no Oregon. Foto Danae Netteburg

Embora esperassem começar o mais rapidamente possível, os Netteburg não tiveram outra alternativa senão suspender os seus planos quando descobriram que estavam à espera do seu quinto filho. A sua filha mais nova, Piper, nasceu em junho de 2021.

Assim que as coisas se acalmaram, começaram a ler "tudo sobre como ter um bebé no deserto" para poderem enfrentar o Continental Divide Trail com o seu recém-nascido.

E utilizaram a comunicação por eliminação, a prática de identificar os sinais da criança para ir à casa de banho numa fase inicial, para treinar Piper a ir à casa de banho o mais cedo possível.

"Muitas pessoas fazem-no. Eu é que não sabia", diz Danae.

A família também optou por "reduzir" o seu equipamento de campismo para ter espaço para todas as coisas extra que teriam de levar, incluindo um saco-cama extra, bem como "roupas e comida extra e tudo o resto", agora que tinham um bebé com eles.

"Isso acrescentou realmente uma grande complexidade à caminhada", diz Olen.

Em março de 2022, partiram com a sua nova aquisição, a quem apelidaram de "peso morto", e o resto das crianças.

Mas o facto de terem de levar um recém-nascido com eles não atrasou em nada esta família de caminhantes.

De facto, conseguiram completar o Continental Divide Trail em seis meses, menos um mês do que o Trilho dos Apalaches lhes tinha levado.

"E também foi mais longe", diz Olen, antes de referir que conseguiram "cobrir muito mais terreno" devido ao facto de os seus filhos serem ligeiramente mais velhos desta vez. "Por isso, fomos mais longe e mais depressa".

É claro que fazer caminhadas com cinco crianças tem os seus desafios. O casal utiliza várias tácticas diferentes para motivar os mais novos durante o percurso.

Por exemplo, Olen memorizou todas as canções da banda sonora do filme "Frozen" da Disney e diz que cantar de improviso "Let It Go" enquanto sobem uma montanha pode fazer toda a diferença quando se trata de acelerar o ritmo das crianças.

"Os miúdos querem mesmo a atenção total dos pais", observa. "E quando se está a fazer caminhadas, tem-se a oportunidade de o fazer muito melhor. Não há sinal de telemóvel, não há mais nada para nos distrair."

Depois de completarem com sucesso o Continental Divide Trail no final de 2022, a família estava determinada a alcançar a Triple Crown caminhando pelo Pacific Crest Trail.

Durante os seus primeiros trilhos gigantescos, o casal tirou licenças sabáticas do trabalho, enquanto os filhos mais velhos, que são todos educados em casa, trabalharam arduamente para "progredir" antes da viagem, a fim de poderem tirar algum tempo.

"O facto de se esforçarem muito na escola permitiu-nos fazer isto", explica Olen.

Mas depois de mais de uma década a trabalhar no Chade, Danae e Olen deixaram o seu consultório médico no início deste ano para regressarem aos EUA a tempo inteiro.

"Estávamos lá há 12 anos, exceto nos dois anos em que fizemos uma pausa para fazer as caminhadas", explica Danae. "Por isso, estava na altura de uma nova pessoa assumir o controlo."

Embora planeiem assentar e começar a fazer em breve planos para o futuro, a família está atualmente concentrada num grande objetivo - terminar o Pacific Crest Trail.

A glória da Tripla Coroa?

Os Netteburg estão atualmente a percorrer o Pacific Crest Trail, um trilho que se estende do México ao Canadá. Foto Danae Netteburg

Começaram o percurso em maio e têm feito progressos constantes nos meses seguintes.

No entanto, as coisas têm sido incrivelmente difíceis este ano devido à quantidade de neve na Califórnia, e os Netteburg tiveram de se deslocar muito para evitar as zonas de neve perigosas,

"A queda de neve foi mais de três vezes superior à média", explica Olen. "Isso foi realmente um grande golpe para toda a gente. Não só para nós, mas para toda a gente".

O casal salienta que o facto de terem os filhos com eles significa que têm de ser ainda mais cautelosos quando se trata de tomar decisões sobre as áreas a evitar potencialmente.

"Os nossos filhos são pequenos", acrescenta Danae. "Não são de todo frágeis. Mas temos de tomar conta deles".

"Por isso, dependem de nós para não os colocarmos numa situação perigosa. E a maioria das pessoas só tem de se preocupar com elas próprias."

Quando a família encontra outros caminhantes ao longo do trilho, pergunta-lhes frequentemente sobre os seus "dias zero", em que os caminhantes fazem uma pausa na caminhada para lavar a roupa ou abastecer-se de comida.

De acordo com Olen, os "dias zero" dele e de Danae podem ser mais difíceis do que os dias de caminhada, uma vez que têm "todos estes miúdos com energia acumulada".

Entretanto, alimentar sete pessoas em viagem tem-se revelado bastante dispendioso, e transportar tanta comida significa que têm uma carga mais pesada.

A família utiliza uma mini carrinha, a Dodge Grand Caravan de 2014 do pai de Olen, carregada com "mais de 90 quilos de equipamento e, muitas vezes, várias semanas de comida", para se deslocar de diferentes zonas de caminhada e pedir a familiares e/ou amigos que a transportem ao longo do trilho.

Embora tenham recebido algum equipamento gratuito ou com desconto de várias empresas, são eles próprios que estão a financiar as caminhadas.

Danae e Olen estão incrivelmente orgulhosos dos seus filhos, que têm aprendido muito com a vida selvagem.

"Estamos a ver animais como ursos e alces - eu vi um leão da montanha", diz Danae. "Muitas coisas giras.

"As crianças olham para as árvores e para as flores e estudam-nas, perguntando-se o que são."

As crianças mais velhas têm ouvido literatura clássica, como "História em Duas Cidades" de Charles Dickens e "Anne of Green Gables" de Lucy Maud Montgomery, enquanto caminham, e a família tenta encaixar regularmente testes verbais de ortografia e matemática com os mais novos em viagem.

"Esperamos que as crianças levem daqui a sensação de que a nossa família está a ficar mais unida", diz Olen.

"E também uma sensação de que, aconteça o que acontecer, eles realizaram uma coisa difícil. E quando algo parecer difícil, haverá uma das poucas crianças que caminharam 7.000 milhas".

Os Netteburg registaram as suas caminhadas anteriores nas organizações de caminhadas de longa distância Appalachian Long Distance Hikers Association (ALDHA) e Continental Divide Trail Coalition (CDTC), e planeiam registar as suas Triple Crowns na American Long Distance Hiking Association-West (ALDHA-West).

Depois de terem riscado a Tripla Coroa da sua lista de tarefas, Danae e Olen dizem que adorariam comprar um veleiro ou converter um autocarro escolar numa autocaravana e partir para outra aventura com os filhos.

Embora não tenham planos para fazer outro trilho durante algum tempo, já falaram em tentar fazer um fora dos EUA, como o Caminho de Santiago em Espanha, ou a Travessia Alpina de Tongariro na Nova Zelândia.

No entanto, o casal está ciente de que os seus filhos "provavelmente precisarão de uma escola a sério" a dada altura e, quando ambos começarem a trabalhar novamente, poderão ter de ficar num só local, seja ele qual for.

"A vida real é uma chatice", brinca Olen.

Continue a ler esta notícia