recém-empossada secretária de Estado da Agricultura, Carla Alves, tem arrestadas contas bancárias que partilha com o marido, Américo Pereira, ex-presidente da Câmara de Vinhais, que foi acusado pelo Ministério Público (MP) de crimes de corrupção, participação económica em negócio e prevaricação, num alegado esquema relacionado com a venda de terrenos do seminário. 

Esta quinta-feira, em declarações aos jornalistas, Américo Pereira garantiu que a mulher não tem nada a ver com o processo em que está envolvido e fala em "aproveitamento da situação". 

"Lamento profundamente que num caso que só a mim diz respeito, não diz respeito a absolutamente mais ninguém, que a minha mulher seja envolvida numa altura em que é chamada para o Governo para desempenhar funções de grande dignidade, com toda a competência que lhe é reconhecida", disse. 

O ex-presidente da Câmara de Vinhais disse ainda que lamenta que se esteja a fazer "um aproveitamento desta situação, para algo que não tem nada a ver com isto. A minha mulher não tem rigorosamente nada a ver com este processo". 

"Este processo é meu e eu cá estou para me defender nas instalações próprias, com toda a lealdade, com todo o saber e com toda a coragem para mostrar a minha inocência", acrescentou.

"Não houve qualquer acordo (...) não se prejudicou nem se beneficiou absolutamente ninguém"

Américo Pereira explicou que recebeu em 2022 uma acusação por parte do MP "dizendo que 16 anos antes, isto é, em 2006, eu tinha feito um acordo com o um senhor empresário para que os terrenos fossem adquiridos de uma determinada forma, para eles saírem beneficiados", referindo que em momento algum dessa acusação foi dito que ele próprio tinha sido beneficiado.

"Ora, isso é falso. É mentira. Toda a gente sabe como é que aquilo foi adquirido, porque é que foi adquirido e está à vista de toda a gente. (...) trata-se de uma grande falsidade. Não houve qualquer acordo, nada disso aconteceu, não se prejudicou nem se beneficiou absolutamente ninguém. Cumpri aquilo que eram as minhas funções de autarca."

Carla Alves, por arrasto, viu as contas de que também é titular serem arrestadas pela Justiça, confirmou a CNN Portugal em documentos a que teve acesso.  A Polícia Judiciária (PJ), na perícia financeira que realizou, terá ainda detetado, na esfera do casal, valores que são incompatíveis com os rendimentos declarados: entre 2013 e 2020 terão entrado nas contas de Carla Alves e Américo Pereira 700 mil euros que não estão justificados, o que pode indiciar eventuais práticas de fraude fiscal.

Carla Alves Pereira, natural de Bragança, tem 52 anos e é licenciada em Engenharia Zootécnica pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Antes de ser nomeada secretária de Estado da Agricultura, substituindo Rui Martinho, que deixa o cargo por motivos de saúde, era diretora regional de Agricultura e Pescas do Norte, cargo que ocupou desde dezembro de 2018. Antes, foi diretora do  Parque Biológico de Vinhais.

Segundo o Governo, é perita da Confederação dos Agricultores de Portugal e foi vice-presidente da Federação Nacional de Raças Autóctones (2005-2018). Lecionou como professora convidada no Instituto Politécnico de Bragança (1997-1999) e na Escola Secundária de Vinhais (1993-1994). 

Cláudia Évora