Carla Alves não resistiu ao caso das contas arrestadas, no âmbito do processo em que o marido - ex-presidente da Câmara de Vinhais - está acusado, mas as polémicas em torno da ex-governante na autarquia são várias.

A TVI/CNN Portugal teve acesso a uma sentença do Tribunal Administrativo de 2009 que encontrou "fortes indícios" de que Carla Alves exerceu funções ilegais fora da Câmara de Vinhais, onde era funcionária, sem ter sido alvo de um processo disciplinar, numa altura em que a autarquia era presidida pelo marido. 

"Foi possível, é certo, alcançar fortes indícios da existência de matéria com relevância disciplinar, incluindo o exercício ilegal de funções fora da Câmara Municipal, a falta de controlo de assiduidade e de pontualidade de modo a assegurar o tempo de trabalho devido e de não permitir o exercício ilegal de outras tarefas (privadas) no tempo de serviço", pode ler-se na sentença.

Contudo, os fortes indícios não foram suficientes para perder mandato porque não se provou que o marido de Carla Alves, presidente da Câmara, pretendia ter alguma vantagem direta. 

A denúncia foi feita por um antigo vereador do PSD, Carlos Costa, que não percebe como é que ninguém no Governo conhecia os casos a envolver a Secretária de Estado da Agricultura que aguentou pouco mais de 24 horas no cargo. 

No dia da tomada de posse em Lisboa no Governo, Carlos Costa tentou falar com um deputado socialista. Contudo, contactado pela TVI, Pedro Delgado Alves explica que só se apercebeu da tentativa de contacto feita por Carlos Costa através das redes sociais depois deste ter dito publicamente que lhe ligou. Tal como o deputado nos mostrou, a chamada foi parar ao spam - e assim a tomada de posse da agora ex-secretária de Estado da Agricultura, seguiu em frente.

Sandra Felgueiras