Social-democrata Carlos Coelho substitui Álvaro Amaro no Parlamento Europeu - TVI

Social-democrata Carlos Coelho substitui Álvaro Amaro no Parlamento Europeu

  • Agência Lusa
  • PF
  • 28 abr 2023, 12:35
Bandeira do PSD

Carlos Coelho era o nome que se seguia na lista de candidatos do PSD ao Parlamento Europeu às últimas eleições europeias, em maio de 2019, e fonte do PSD confirmou à Lusa a assunção de funções pelo social-democrata

O reitor da Universidade de Verão do PSD e antigo eurodeputado Carlos Coelho vai substituir Álvaro Amaro no Parlamento Europeu após a renúncia ao cargo do social-democrata na sequência da condenação pelo crime de prevaricação.

Carlos Coelho era o nome que se seguia na lista de candidatos do PSD ao Parlamento Europeu às últimas eleições europeias, em maio de 2019, e fonte do PSD confirmou à Lusa a assunção de funções pelo social-democrata.

Foi deputado ao Parlamento Europeu pela primeira vez em 1994 e desempenhou o cargo de vice-presidente da Comissão de Política Regional, Ordenamento do Território e Relações com o Poder Local. Carlos Coelho regressou a Bruxelas em 1998, na altura em substituição de António Capucho, tendo voltado a ser eleito no ano seguinte e exercido o mandato de eurodeputado até 2019.

É o responsável máximo da Universidade de Verão do PSD desde a criação deste organismo, foi deputado eleito pelo círculo de Lisboa nas III, IV e V legislaturas, e por Santarém nas duas seguintes. Carlos Coelho também integrou o último Governo de Cavaco Silva, como subsecretário de Estado da então ministra da Educação Manuela Ferreira Leite.

O eurodeputado social-democrata Álvaro Amaro decidiu renunciar ao mandato no PE na sequência da condenação, pelo Tribunal da Guarda, por prevaricação.

“Se bem que o tribunal tenha entendido não me aplicar a sanção acessória de inibição do meu mandato como deputado do Parlamento Europeu, tomei eu próprio a decisão de renunciar a esse mandato, preservando a instituição e o partido pelo qual fui eleito, e não perturbando o normal funcionamento e o trabalho político de ambos”, referiu Amaro, numa nota de imprensa enviada à Lusa, onde afirma a sua intenção de recorrer da sentença.

Continue a ler esta notícia