Rio de Janeiro atento a aumento de casos de dengue nos turistas internacionais no Carnaval - TVI

Rio de Janeiro atento a aumento de casos de dengue nos turistas internacionais no Carnaval

  • Agência Lusa
  • AM
  • 9 fev, 12:46
Carnaval Rio de Janeiro

São esperados mais de 61.000 turistas internacionais no Carnaval que, apesar de já ter iniciado as festas com blocos um pouco por toda a cidade

Relacionados

O Rio de Janeiro está atento ao aumento de casos de dengue com a chegada dos milhares de turistas internacionais à cidade brasileira para aproveitarem o mais famoso Carnaval do mundo, disse à Lusa um responsável de saúde.

A segunda cidade mais populosa do Brasil decretou na segunda-feira o estado de emergência em saúde pública devido ao rápido aumento de casos de dengue, que só no mês de janeiro registou 10.156 ocorrências da doença, quase metade dos 22.959 casos registados em todo o ano de 2023. 

À Lusa, o subsecretário de Vigilância e Atenção Primária à Saúde do Rio de Janeiro, Mário Sérgio Ribeiro, confirmou que tem havido uma preocupação particular com a chegada dos turistas, já que “os turistas internacionais vêm de cidades onde não é comum a dengue”.

“As pessoas muitas vezes vêm para cá suscetíveis, vêm desprotegidas”, frisou, acrescentando que neste período festivo existe “uma maior probabilidade de os casos aumentarem”.

De acordo com dados da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), são esperados mais de 61.000 turistas internacionais no Carnaval que, apesar de já ter iniciado as festas com blocos um pouco por toda a cidade, arranca oficialmente no sábado e termina na terça-feira.

Segundo Mário Sérgio Ribeiro, houve uma antecipação da curva de crescimento da doença, já que tradicionalmente o número maior de casos é registado entre março e abril, meses que conciliam fortes chuvas com períodos de muito calor.

“Desde de dezembro vem aumentado e em janeiro já estava bem acima”, disse, afirmando, contudo, que não há ainda uma noção exata de por que razão a curva foi antecipada, nem se o pico de incidência foi antecipado ou se poderá ainda estender-se para os meses que se seguem.

“No calor, o abastecimento de água pode ser interrompido e as pessoas armazenam água por conta do calor, compram recipientes para fazerem piscinas e acumulam água”, explicou.

Quanto às recomendações, o responsável apela ao uso do repelente nas partes expostas, como as pernas, os braços e a cabeça: “é importante, principalmente ao amanhecer e ao entardecer, que é o horário de maior frequência de atividade do mosquito”, nas horas de menos calor, frisou.

Além disso, Mário Sérgio Ribeiro chamou a atenção para que as pessoas não se automediquem e sim “procurarem um serviço de saúde” no início dos sintomas, como febre alta abrupta, dor retro-orbital (atrás dos olhos), dor nas articulações, mal-estar geral, náusea, vómito e diarreia.

A prefeitura do Rio de Janeiro apresentou um plano de contingência para enfrentar o surto da doença, que prevê medidas de assistência à população e combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor que transmite o vírus da dengue.

Entre as medidas anunciadas estão a abertura de dez polos de atendimento, a criação do Centro de Operações de Emergência (COE-Dengue). 

Dados do Ministério da Saúde do Brasil indicam que o país registou 345.235 casos prováveis de dengue este ano, com 36 mortes e outras 234 em investigação. O número de casos triplicou entre os dias 21 e 27 de janeiro, comparando com o mesmo período do ano passado.

Os estados do Acre, Minas Gerais e Goiás, além do Distrito Federal decretaram situação de emergência em saúde pública.

Em 2023, o país sul-americano registou mais de 1,6 milhões de casos da doença, mais de um quinto de todos os notificados no mundo, e 1.094 mortes, um recorde histórico.

O Brasil começará uma campanha de vacinação pública contra a dengue este mês. O país já divulgou a lista de cerca de 500 cidades que vão receber a vacina contra a dengue, que num primeiro momento deverá dar prioridade a crianças e adolescentes com idade de 10 anos a 14 anos por estarem entre o público com maior número de internamentos devido à doença.

O Brasil prevê receber até 6,2 milhões de doses de uma vacina japonesa contra a dengue em 2024. Porém, por se tratar de uma vacinação que requer duas doses de vacina, esse valor abrange apenas 3,1 milhões de pessoas e é insuficiente para enfrentar a atual explosão de casos.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, qualificou na quarta-feira o surto de dengue no Brasil como um "desafio significativo" e relacionou-o com o fenómeno climático El Niño.

Segundo a OMS, a dengue matou 5.000 pessoas em todo o mundo em 2023.

O El Niño é um fenómeno climático natural associado ao aumento das temperaturas da superfície no centro e leste do Oceano Pacífico tropical, mas que tem efeitos em todo o mundo.

Continue a ler esta notícia

Relacionados