"Depois de uma cidade virar uma prostituta, é difícil voltar a ser virgem". Diretora de museu de Florença debaixo de fogo após declarações polémicas - TVI

"Depois de uma cidade virar uma prostituta, é difícil voltar a ser virgem". Diretora de museu de Florença debaixo de fogo após declarações polémicas

  • CNN
  • Barbie Latza Nadeau
  • 4 fev, 10:00
Cecilie Hollberg, diretora da Galleria dell’Accademia (Alessandra Tarantino/AP)

Políticos italianos criticaram os comentários de Cecilie Hollberg esta semana por serem ofensivos para os florentinos

O turismo intensivo transformou a cidade italiana de Florença numa "prostituta", afirmou a diretora da Galleria dell'Accademia, provocando indignação e pedidos de que fosse demitida.

Apesar de Cecilie Hollberg ter pedido desculpa, esta semana os políticos italianos criticaram os seus comentários por os considerarem ofensivos para os florentinos.

"Depois de uma cidade se tornar uma prostituta, é difícil voltar a ser virgem", afirmou Cecilie Hollberg, historiadora de arte alemã que dirige o museu desde 2015, aos jornalistas na segunda-feira, à margem de uma conferência de imprensa em que apresentou os êxitos do museu.

"Já não encontramos uma loja, uma loja normal, mas apenas coisas exclusivamente para turistas, com bugigangas e lembranças e isso deve acabar", acrescentou.

Os comentários de Hollberg suscitaram imediatamente a reação do ministro da Cultura italiano e do presidente da Câmara de Florença, que já se manifestaram a favor de que os museus italianos fossem dirigidos apenas por italianos.

O contrato de Hollberg com o museu termina em junho e, antes deste escândalo, houve apelos para que o mesmo não fosse renovado e fosse atribuído a um italiano.

Em 2014, o ministro da Cultura italiano, Dario Franceschini, decidiu abrir todos os cargos de direção de museus a estrangeiros, algo que a atual primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, disse que iria retificar quando os contratos expirassem.

O presidente da Câmara Municipal de Florença, Dario Nardella, afirmou, na segunda-feira, que a cidade merece respeito e que o turismo emprega milhares de pessoas.

"O turismo é um recurso, deve ser gerido, mas não há uma única questão em que esta administração não tenha lutado, desde a proteção do centro histórico com os regulamentos da UNESCO até à proteção dos produtos típicos, o fim de certas atividades e, por último, com uma regra que impede os alugueres de curto prazo", disse Nardella.

Turistas inundam uma das atrações populares de Florença, a Ponte Vecchio. (Petr Svarc/UCG/Universal Images Group/Getty Images)

Matteo Renzi, antigo primeiro-ministro e antigo presidente da Câmara de Florença, disse que iria levar a questão do contrato de Hollberg ao Ministério da Cultura.

"Vou apresentar uma pergunta ao ministro da Cultura Gennaro Sangiuliano sobre as frases vergonhosas da diretora da Galeria dell'Accademia. Definir Florença como uma prostituta é inaceitável. Hollberg deve pedir desculpa ou demitir-se", afirmou numa declaração na segunda-feira.

Hollberg voltou atrás nas suas declarações, dizendo que adora Florença e que não queria ofender a cidade ou os seus habitantes, esclarecendo que apenas quis dizer que Florença, tal como Veneza e outras cidades, estavam a ser "esmagadas" pelo turismo, de acordo com um porta-voz do museu.

"Peço desculpa por ter usado as palavras erradas. O que eu queria dizer é que Florença deve ser testemunha de um turismo mais consciente, não de atropelamentos e fugas. Com a Academia, por exemplo, tentámos valorizar todas as suas partes extraordinárias", afirmou no comunicado do museu enviado à CNN na terça-feira.

'Grave e ofensivo'

Florença é uma grande atração turística. Classificada como património mundial, tem uma grande concentração de museus, igrejas, edifícios históricos e obras de arte.

O ministro da cultura italiano, Sangiuliano, disse que o ministério iria analisar o assunto, mas considerou as palavras de Hollberg "sérias e ofensivas" por natureza.

"Florença é uma cidade maravilhosa que representa uma parte importante da nossa identidade nacional e da nossa história. Ofendê-la significa atingir toda a Itália e os nossos sentimentos. Avaliarei todas as iniciativas apropriadas", afirmou o presidente da Câmara num comunicado fornecido pelo Ministério da Cultura.

A vice-presidente da Câmara de Florença, Alessia Bettini, classificou os comentários de "delirantes" numa declaração enviada pelo seu gabinete à CNN.

"Chamar prostituta a Florença é a ofensa mais grave alguma vez ouvida de uma pessoa que também desempenha um papel institucional tão importante", afirmou Bettini no comunicado.

"Segundo a diretora do museu, portanto, os florentinos são os filhos de uma prostituta e os turistas são os clientes de uma prostituta? Hollberg ofende a história de Florença, onde trabalhou, ofende o trabalho de milhares de pessoas e, acima de tudo, ofende os florentinos, ela própria, que, como não florentina, deve muito a Florença".

Continue a ler esta notícia