Músicos e lojistas regressam ao Stop depois de duas semanas com espaços selados - TVI

Músicos e lojistas regressam ao Stop depois de duas semanas com espaços selados

  • Agência Lusa
  • PF
  • 4 ago 2023, 07:10
Centro Comercial Stop (Fonte: Câmara Municipal do Porto/Filipa Brito)

Para poderem frequentar o espaço em segurança, a maioria dos utilizadores receberá uma formação de quatro horas dada pelos bombeiros

Músicos e lojistas regressam esta sexta-feira pelas 10:30 ao centro comercial Stop, depois de a 18 de julho a Polícia Municipal do Porto ter selado mais de uma centena de lojas, estúdios e salas de ensaio por falta de licenças.

Depois do encerramento que deixou quase 500 artistas e lojistas sem ter “para onde ir”, o entendimento entre músicos e a Câmara do Porto consumou-se na quarta-feira, com as duas associações a aceitarem as condições da autarquia para reabrir o Stop.

O centro comercial que passa a ter em permanência um carro de bombeiros com cinco operacionais.

Para poderem frequentar o espaço em segurança, a maioria dos utilizadores receberá uma formação de quatro horas dada pelos bombeiros.

A reabertura do Stop mantém, no entanto, um caráter temporário até à autarquia perceber se o diagnóstico da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) determinar se o espaço pode funcionar como está, admitiu o presidente da câmara em declarações aos jornalistas.

As medidas propostas pelo município já tinham, entretanto, reunido a anuência da administração do condomínio, que assinou o termo de compromisso e responsabilidade a 24 de julho, dia em que músicos e lojistas reivindicaram, em frente à câmara, o regresso ao espaço.

Aos artistas juntaram-se centenas de pessoas que desfilaram pelas ruas do Porto até ao centro comercial, sob o mote “o Stop é nosso e há de ser”, reclamando a importância daquele polo cultural na cidade.

A proposta de reabertura do centro comercial foi inicialmente recebida com cautela pelas duas associações de músicos, tendo a Alma Stop, dias depois, apresentado uma contraproposta, documento que motivou a demissão do presidente da Associação Cultural de Músicos do Stop, Rui Guerra.

Como alternativa ao centro comercial, a câmara apresentou como soluções a escola Pires de Lima ou os últimos pisos do Silo Auto.

A possibilidade de os músicos se mudarem “definitiva ou temporariamente” para a escola Pires de Lima mantém-se em cima da mesa, garantiu o presidente da câmara.

Antecipando que a estrutura estará parcialmente concluída até ao final do ano, Rui Moreira, esclareceu que o projeto do ‘campus’ está a avançar e que já conta com o acordo da administração dos Amigos do Coliseu [liderada pelo músico Miguel Guedes], que irá gerir a estrutura.

Para os músicos, tanto o Silo Auto, como a Pires de Lima “carecem de condições para albergar toda a comunidade do Stop”.

Inaugurado em novembro de 1982, o centro comercial Stop funciona há mais de 20 anos como espaço cultural e diversas frações dos seus pisos são usadas como salas de ensaio ou estúdios por vários artistas.

Continue a ler esta notícia