PSP vai condecorar os dois primeiros polícias que responderam ao ataque no Centro Ismaili - TVI

PSP vai condecorar os dois primeiros polícias que responderam ao ataque no Centro Ismaili

  • Agência Lusa
  • CF
  • 4 abr 2023, 18:53
Ataque em centro ismaili em Lisboa. 28 março 2023. Foto: António Cotrim/Lusa

Agentes vão ser agraciados com o Prémio de Segurança Pública, uma honra concedida a polícias que praticam atos nos quais há risco de vida e que salvam vidas em serviço

Relacionados

O diretor nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) disse esta terça-feira que os dois primeiros polícias que responderam ao alerta para o ataque no Centro Ismaili, em Lisboa, vão ser condecorados, classificando-os como heróis.

“Dois polícias chegaram-se à frente e serão devidamente condecorados, não pode ser de outra forma, logo que a poeira assente. Há um inquérito em curso. Tudo aponta para que sejam devidamente reconhecidos”, adiantou a jornalistas Manuel Magina da Silva em declarações à margem da celebração dos 16 anos da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide, Oeiras (Lisboa).

“Efetivamente, o pior aconteceu e foi implementado por dois polícias, dois heróis polícias, o protocolo do atacante ativo, ou seja, quem estiver mais próximo, mais rapidamente intervém e tenta anular a ameaça em curso”, disse.

Os dois polícias vão ser agraciados com o Prémio de Segurança Pública, uma honra concedida a polícias que praticam atos nos quais há risco de vida e que salvam vidas em serviço.

Magina da Silva recordou que a rápida intervenção da polícia evitou mais mortes.

“Estavam cerca de 40 pessoas no interior e claramente a rápida intervenção evitou que mais pessoas sofressem ataques graves à sua integridade física ou à vida”, observou.

O MP abriu um inquérito ao ataque ocorrido na terça-feira no Centro Ismaili, em Lisboa, do qual resultaram dois mortos, segundo uma nota publicada no site da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A investigação está a cargo da Polícia Judiciária, sob a orientação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) do MP, encontrando-se sujeita a segredo de justiça.

Duas mulheres foram mortas no Centro Ismaili, em Lisboa, na terça-feira, num ataque com uma arma branca por um refugiado afegão que foi detido e que está hospitalizado após ter sido baleado pela polícia.

O ataque – cuja motivação é ainda desconhecida – fez mais um ferido e foi condenado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo primeiro-ministro, António Costa.

O homicida agora detido é beneficiário, como refugiado, do estatuto de proteção internacional e não era alvo de “qualquer sinalização” pelas autoridades.

Continue a ler esta notícia

Relacionados