Google inicia o lançamento do seu rival ao ChatGPT - TVI

Google inicia o lançamento do seu rival ao ChatGPT

  • CNN
  • Samantha Murphy Kelly
  • 21 mar 2023, 19:23
Bard, a ferramenta de inteligência artificial da Google

Inteligência artificial: utilizadores já podem inscrever-se no Bard.

A Google está a abrir o acesso ao Bard, a sua nova ferramenta chatbot de Inteligência Artificial que compete diretamente com o ChatGPT.

A partir desta terça-feira, os utilizadores podem juntar-se a uma lista de espera para ter acesso ao Bard, que promete ajudar os utilizadores a preparar e escrever rascunhos de ensaios, planear a festa de um amigo ou ter ideias para o almoço com base no que está no frigorífico.

Um representante da empresa disse à CNN que esta será uma experiência separada e complementar à pesquisa do Google, sendo que os utilizadores também podem visitar a pesquisa para verificar as respostas ou fontes usadas. A Google disse num post de blogue que planeia “ponderadamente” adicionar grandes modelos linguísticos para pesquisar “de uma forma mais profunda” numa altura posterior.

A Google disse que começará a implementar a ferramenta nos Estados Unidos e no Reino Unido, e planeia expandi-la no futuro para mais países e línguas.

A novidade chega quando a Google, a Microsoft, o Facebook e outras empresas tecnológicas estão a correr para desenvolver e implementar ferramentas alimentadas por Inteligência Artificial, na sequência do recente sucesso viral do ChatGPT. Na semana passada, a Google anunciou que está também a trazer a IA para as suas ferramentas de produtividade, incluindo o Gmail, Google Sheets e Googe Docs. Pouco tempo depois, a Microsoft anunciou uma atualização semelhante da IA para as suas ferramentas de produtividade.

A Google revelou no mês passado o Bard, numa demonstração que foi mais tarde posta em causa por causa de uma resposta imprecisa a uma pergunta sobre um telescópio. As ações da empresa-mãe da Google, a Alphabet, caíram 7,7% nesse dia, eliminando 100 mil milhões de dólares do seu valor de mercado.

Tal como o ChatGPT, que foi publicamente lançado em finais de novembro pela empresa de investigação AI OpenAI, o Bard é construído sobre um modelo de linguagem de grande dimensão. Estes modelos são treinados em vastos conjuntos de dados online, a fim de gerar respostas convincentes aos pedidos dos utilizadores. A imensa atenção no ChatGPT terá levado a gestão da Google a declarar uma situação de “código vermelho” para o seu negócio de pesquisa.

Mas o erro do Bard realçou o desafio que a Google e outras empresas enfrentam ao integrar a tecnologia nos seus produtos principais. Os grandes modelos linguísticos podem apresentar um punhado de riscos, tais como o da perpetuação de enviesamentos, o de estarem factualmente incorretos e o de responderem de uma forma agressiva.

A Google reconheceu no post do blogue de terça-feira que as ferramentas de IA “têm os seus defeitos”. A empresa disse que continua a usar o retorno humano para melhorar os seus sistemas e acrescentar novas bandas de segurança, “como limitar o número de trocas num diálogo, para tentar manter as interações úteis e focados no tema”.

Na semana passada, a OpenAI lançou o GPT-4, a versão da próxima geração da tecnologia que alimenta o ChatGPT, e o novo navegador Bing da Microsoft, com salvaguardas semelhantes. No primeiro dia após ter sido revelado, o GPT-4 deslumbrou muitos utilizadores, em testes iniciais e numa demonstração da empresa, com a sua capacidade de redigir processos judiciais, passar em exames padronizados e construir um website funcional a partir de um esboço feito à mão.

 

 

Continue a ler esta notícia