“Não vejo uma árvore há três anos”, revela pivot de televisão presa na China (e que esteve em Lisboa na Web Summit em 2019) - TVI

“Não vejo uma árvore há três anos”, revela pivot de televisão presa na China (e que esteve em Lisboa na Web Summit em 2019)

  • CNN
  • Alex Stambaugh e Jessie Yeung
  • 11 ago 2023, 11:00
6 novembro 2019; Cheng Lei, pivô da CGTN Europa na Web Summit 2019 no Altice Arena em Lisboa Foto Vaughn RidleySportsfile for Web Summit via Getty Images

Cheng Lei, que esteve em Lisboa em 2019 como oradora da Web Summit, está detida há três anos. Numa mensagem rara, escreveu uma “carta de amor” à Austrália.

A pivot de televisão australiana Cheng Lei, que cumprirá três anos detida na China no domingo, disse numa rara mensagem que tem saudades da sua família e da vida na Austrália.

“Tenho saudades do sol. Na minha cela, a luz do sol entra pela janela, mas só posso estar dentro dela 10 horas por ano”, disse ela numa mensagem divulgada na quinta-feira pelo seu companheiro Nick Coyle na conta X que gere, chamada FreeChengLei.

Coyle disse à CNN que a mensagem tinha sido ditada a funcionários diplomáticos e partilhada com ele.

“Não acredito que eu costumava evitar o sol quando estava a viver na Austrália”, dizia a mensagem de Cheng.

Cheng descreveu-a como uma “carta de amor” à Austrália e disse que “não via uma árvore há 3 anos”.

Cheng, uma antiga pivot de economia da emissora estatal chinesa CGTN e mãe de dois filhos, é acusada de fornecer ilegalmente segredos de Estado ao estrangeiro, uma acusação que implica uma pena de cinco anos a prisão perpétua.

Ela ia a caminho do trabalho na manhã de 13 de agosto de 2020, quando “foi levada pelo Ministério da Segurança do Estado da China”, declarou Coyle numa carta publicada no jornal The Australian em maio.

As autoridades chinesas não revelaram pormenores sobre as acusações contra Cheng.

O tribunal chinês adiou várias vezes a decisão do veredito, deixando Cheng sob custódia e os seus entes queridos sem saberem ao certo o seu destino.

Na carta divulgada na quinta-feira, Cheng falou com carinho da sua vida na Austrália, escrevendo: “Tenho saudades do povo australiano”.

“Lembro-me de acampar pela primeira vez com a minha família”, escreve. “Tenho saudades dos doces encontros com a vida selvagem na Austrália, do sal do mar a rodopiar no meu ouvido.”

“Revivo todos os passeios no mato, rios, lagos, praias com banhos e piqueniques e pores-do-sol psicadélicos, céus iluminados por estrelas e a sinfonia silenciosa e secreta do mato”, diz.

“Acima de tudo, tenho saudades dos meus filhos”, escreveu no final.

Coyle disse à CNN que só tem notícias de Cheng depois das suas visitas consulares, que acontecem uma vez por mês.

Continue a ler esta notícia