Americano raptado no Chile quando era bebé reencontra a mãe aos 42 anos - TVI

Americano raptado no Chile quando era bebé reencontra a mãe aos 42 anos

  • CNN
  • Rafael Romo
  • 9 set 2023, 12:40
Bebé raptado no Chile reencontra a mãe aos 42 anos

Durante a ditadura Pinochet, muitos bebés foram canalizados para agências de adoção. Alguns provinham de famílias ricas; outros, provenientes de meios mais pobres, eram simplesmente sequestrados.

Jimmy Lippert Thyden diz que sempre soube que era adotado. Também sabia que tinha nascido no Chile, não nos Estados Unidos. Criado na Virgínia por pais adopivos muito amorosos e empenhados, ele diz que nunca lhe faltou nada. O jovem de 42 anos, que serviu nos Fuzileiros Navais dos EUA, é agora advogado, casado e tem duas filhas pequenas.

“Disseram-me que fui dado para adoção por amor”, afirmou Thyden. “Dado por uma mãe que me amava e queria o melhor para mim: uma vida cheia de oportunidades, educação e significado.”

Tudo isso começou a mudar em 2012, quando a sua mãe adotiva lhe entregou a documentação de adoção quando ele se preparava para ser destacado para o Afeganistão. Thyden diz que, quando começou a olhar atentamente para os ficheiros de adoção, descobriu que havia muitas discrepâncias e inconsistências.

“Havia três ou quatro relatos diferentes de uma história que eram tão divergentes que não podiam ser todos verdadeiros”, disse Thyden à CNN.

Havia um documento que dizia que ele não tinha pai nem mãe conhecidos. Outro fornecia o nome de uma mãe biológica e o seu endereço. Um terceiro documento especificava que o bebé não tinha familiares vivos e um quarto afirmava que ele tinha sido dado para adoção dias após o nascimento. Um outro documento dizia que tinha sido entregue para adoção quando tinha dois anos de idade.

Durante anos, Thyden interrogou-se sobre as suas origens. Queria saber mais, mas não sabia por onde começar nem a quem recorrer no Chile.

Thyden diz que foi só há alguns meses, quando a sua mulher leu sobre o caso de Scott Lieberman, que ele se empenhou ativamente em descobrir a verdade sobre a sua adoção.

Como a CNN noticiou em maio, Lieberman, o americano de 42 anos de São Francisco, também tinha sido adotado do Chile e tinha descoberto recentemente que tinha sido sequestrado quando era bebé. Foi assim que Thyden tomou conhecimento da “Nos Buscamos”, uma organização chilena sem fins lucrativos que se dedica a ajudar pessoas raptadas em bebé a encontrar os seus pais e famílias biológicas.

Durante a ditadura do General Augusto Pinochet, de 1973 a 1990, muitos bebés foram canalizados para agências de adoção. Algumas dessas crianças provinham de famílias ricas, que, em muitos casos, entregavam os bebés nascidos fora do casamento. Outros bebés, provenientes de meios mais pobres, eram simplesmente sequestrados.

Na última década, a CNN documentou vários casos de bebés chilenos que foram roubados à nascença. As autoridades do país afirmam que padres, freiras, médicos, enfermeiros e outros conspiraram para levar a cabo adoções ilegais, tendo como principal motivo o lucro.

As autoridades chilenas afirmam que o número de bebés roubados pode ascender a milhares, mas a investigação do país sobre as adoções controversas tem-se arrastado. Alguns dos que participaram nas adoções ilegais morreram. Muitas clínicas ou hospitais onde os bebés foram alegadamente roubados já não existem.

Depois de contactar a “Nos Buscamos”, Thyden diz que recebeu um e-mail no dia seguinte da diretora, Constanza del Río, que lhe disse para lhe telefonar imediatamente. Ela sugeriu um teste de DNA, que ele fez em 17 de abril. Com a ajuda da MyHeritage, uma empresa de genealogia on-line, Thyden conseguiu uma correspondência em poucas semanas. Quando a correspondência chegou, del Río diz que sabia que o próximo passo era fazer uma chamada telefónica para María Angélica González, 69 anos, uma mulher que acreditou durante décadas que o seu filho tinha morrido pouco depois de nascer.

“Ela não podia acreditar. Achou que era uma piada de mau gosto porque lhe tinham dito que o seu filho prematuro tinha morrido”, disse del Río. Del Río diz que González foi informada de que o corpo do bebé tinha sido deitado no lixo. Durante a ditadura de Pinochet, quando vários milhares de pessoas foram mortas e desapareceram, fazer muitas perguntas ou protestar em voz alta poderia ser perigoso. (O Chile assinala o 50º aniversário do golpe que levou Pinochet ao poder a 11 de setembro).

Aprender a verdade tem sido agridoce para Thyden. Ele está feliz por finalmente conhecer as suas verdadeiras origens, mas está triste com o que a sua mãe biológica passou.

“Ela não sabia da minha existência porque me tinham tirado à nascença e disseram-lhe que eu estava morto e, quando pediu o meu corpo, disseram-lhe que o tinham eliminado. E assim, nunca nos abraçámos”, disse Thyden.

Depois de três meses de agonia, ele finalmente conseguiu viajar para o Chile para dar à sua mãe biológica o abraço que teve que esperar por 42 anos. Quando se encontraram na cidade de Valdivia, no sul do país, em meados de agosto, ele finalmente conseguiu pronunciar as palavras que vinha ensaiando há semanas. “Hola, mamá!”, disse ele quando finalmente se abraçaram.

“Tenho 42 anos e estou a conhecê-la, a abraçá-la e a segurá-la pela primeira vez. Isso não é nada natural!” disse Thyden mais tarde, reflectindo sobre o momento. “Isso fez-me compreender o mal que tinha sido feito. E depois, conhecê-la é amá-la. Ela é uma mulher de fé, doce, carinhosa e amorosa, e saber que alguém lhe faria mal [...] quem poderia magoar uma mulher tão pequena, doce e inocente”.

Uma vez em Valdivia, e depois de conhecer também a sua família alargada, houve uma festa de aniversário muito especial que lhe tinha sido organizada com antecedência. Havia 42 balões que simbolizavam os 42 anos em que ele não pôde celebrar uma festa de aniversário com a sua família biológica. À medida que ele ia rebentando um a um, a família que ele nunca soube que tinha, gritava o número: uno, dos, tres...

“Senti-me como uma peça de puzzle perdida, uma peça que tinha estado perdida durante 42 anos e, naquele momento, senti que estava onde devia estar, e senti-me muito normal, quase como se não tivesse passado tempo nenhum quando nos ligámos”, disse Thyden mais tarde.

Thyden diz que descobrir a verdade também tem sido doloroso porque os seus pais adotivos também foram vítimas de mentiras. Ele diz que os seus pais adotivos contactaram uma agência de adoção na Virgínia e pediram especificamente para adotar uma criança da forma correta, através de uma agência com boa reputação, algo que escreveram.

“Nunca acreditaram, nem por um segundo, que estavam a comprar uma criança. Nunca o teriam feito”, afirmou.

Questionado sobre o que poderia ter acontecido, Thyden diz que é impossível saber.

“A minha vida chegou a um cruzamento, onde eu podia ir para a esquerda ou para a direita. E em vez de ir para a direita, foi para a esquerda. Mas em vez de ser a pessoa atrás do volante, em vez de ser um passageiro naquele carro, ciente do que estava a acontecer, eu era o bebé na bagageira”, disse Thyden.

“Não me esqueço de reconhecer que sou abençoado pelo facto de ter famílias amorosas em ambos os lados do equador. Mas não sei se não teria sido advogado. Não sei se não teria servido no exército. São coisas que fiz por causa do lugar onde estava ou são coisas que fiz porque estão no centro de quem sou?”, disse Thyden, que salientou que diz “mã" ou "mãe" quando se refere à sua mãe adotiva americana e “mamá” quando se refere à sua mãe biológica chilena.

No final, diz ele, a sabedoria sobre o que lhe aconteceu veio da sua filha de cinco anos, que lhe disse que se uma coisa má não tivesse acontecido, ela não estaria aqui. E o seu pai, disse-lhe ela, não tem uma, mas duas famílias que o amam profundamente.

Continue a ler esta notícia