Uma massagem ao patrão durante uma reunião de trabalho? Sim, aconteceu. E ele publicou a foto. Depois, foi uma tempestade nas redes sociais - TVI

Uma massagem ao patrão durante uma reunião de trabalho? Sim, aconteceu. E ele publicou a foto. Depois, foi uma tempestade nas redes sociais

  • CNN
  • Michelle Toh
  • 19 out 2023, 15:06
Tony Fernandes da Air Asia Foto retirada do Linkdin

Tony Fernandes, patrão da AirAsia, está a ser criticado depois de publicar no LinkedIn uma fotografia de uma massagem sem camisa durante uma reunião de trabalho. Foi o próprio que a publicou na rede social, a 16 de outubro.

Hong Kong (CNN) - O patrão da AirAsia, Tony Fernandes, criou uma tempestade de fogo nas redes sociais depois de ter partilhado uma fotografia sua a receber uma massagem em topless durante uma reunião da equipa de gestão.

O cofundador da companhia aérea malaia publicou a imagem esta semana no LinkedIn, onde elogiou a cultura da sua empresa, mas foi criticado por promover o que alguns consideraram ser um ambiente de trabalho inadequado.

No seu post, o magnata disse que tinha tido “uma semana stressante”, pelo que um colega lhe sugeriu que fizesse uma massagem. A fotografia mostra-o sentado numa sala de conferências do escritório, a ser massajado no ombro por um trabalhador com máscara.

“Temos de amar a Indonésia e a cultura da AirAsia para poder receber uma massagem e fazer uma reunião de direção”, escreveu Fernandes.

O post foi apagado dias depois, após uma onda de críticas, com muitos utilizadores do LinkedIn a dizerem que o seu comportamento não era profissional. Um crítico observou que poderia fazer com que outras pessoas no local de trabalho se sentissem desconfortáveis.

"Não creio que as mulheres da sua empresa se sintam confortáveis ou seguras neste contexto e, dado que é o chefe, é provável que não o desafiem nem digam nada", comentou o utilizador. "É claramente um líder inteligente que se preocupa com a cultura, mas esta não é a forma de criar uma cultura segura e de apoio."

Quando contactado pela CNN, o executivo recusou-se a comentar.

Fernandes disse anteriormente à Bloomberg que tinha acabado de suportar um voo de 18 horas e estava com dores, pelo que aceitou a sugestão da massagem.

"Nunca se pode realmente explicar o processo de pensamento por detrás de um post, por isso apaguei-o", disse. "Não queria ofender ninguém".

Fernandes é mais conhecido por ter relançado a AirAsia, a primeira companhia aérea de baixo custo da região. Atualmente, é presidente executivo da empresa-mãe da companhia aérea, a Capital A.

O empresário foi apelidado por alguns como o “Richard Branson da Ásia”, depois de ter iniciado a sua carreira com o fundador do Virgin Group no Reino Unido, onde os dois se tornaram amigos.

Fernandes passou depois a supervisionar o negócio da Warner Music Group no Sudeste Asiático, antes de em 2001 comprar a AirAsia, uma transportadora malaia falida, por apenas 26 cêntimos. A transportadora foi relançada e continua a ser um dos principais opefadores fornecedores de viagens de baixo custo da região.

O Grupo AirAsia mudou a sua marca para Capital A no ano passado, num esforço para mostrar como a AirAsia se estava a tornar "mais do que uma simples companhia aérea", de acordo com uma declaração da empresa na altura.

Além da aviação, o grupo gere o que descreve como uma "super aplicação", ou plataforma destinada a servir de balcão único para os utilizadores fazerem tudo, desde encomendar entregas de comida a reservar voos.

Há muito tempo que Fernandes tem manifestado o seu desejo de promover uma cultura aberta de trabalho, dizendo à CNN numa entrevista em 2007: "Quero que as pessoas sejam elas próprias".

"Penso que uma hierarquia pode ser muito prejudicial para uma organização", afirmou na altura.

"Quero mostrar ao mundo que a Malásia pode ter uma grande empresa e quero ser lembrado por [criar] um ótimo lugar para trabalhar."

Continue a ler esta notícia