Navio de guerra dos Estados Unidos em operação perto de Taiwan, China denuncia "intrusão" - TVI

Navio de guerra dos Estados Unidos em operação perto de Taiwan, China denuncia "intrusão"

  • Agência Lusa
  • AG
  • 10 abr 2023, 07:23
USS Milius (AP)

Embarcação passou a menos de 22 quilómetros de território reivindicado pela China

Relacionados

A Marinha norte-americana anunciou esta segunda-feira que um dos seus navios está a realizar uma operação no mar do Sul da China, com Pequim, em manobras militares em torno de Taiwan, a denunciar "a intrusão" do contratorpedeiro.

"Esta operação de liberdade de navegação respeitou os direitos, liberdades e usos legais do mar", disse a Marinha dos Estados Unidos, numa declaração, acrescentando que o USS Milius tinha passado perto das ilhas Spratly.

O navio passou a menos de 12 milhas náuticas (22 quilómetros) do recife Mischief, reivindicado pela China e outros países da região, acrescentou a Marinha dos Estados Unidos.

"O contratorpedeiro lança-mísseis USS Milius entrou ilegalmente nas águas adjacentes ao recife Meiji [nome oficial chinês para o recife Mischief] nas ilhas Nansha [nome chinês das Spratly] da China, sem a autorização do Governo chinês", declarou o porta-voz do Comando do Teatro de Operações Sul do exército chinês Tian Junli.

A força aérea chinesa "seguiu e vigiou o navio de guerra", acrescentou em comunicado.

Tensão aumenta em Taiwan

A passagem deste navio de guerra norte-americano numa zona contestada ocorreu quando a China realiza pelo terceiro dia consecutivo exercícios militares em redor de Taiwan, em protesto contra uma visita aos Estados Unidos da líder da ilha, Tsai Ing-wen.

A China disse que mobilizou caças com “munição real” e o porta-aviões Shandong para executarem “ataques simulados” a alvos em Taiwan, após ter cercado o território com dezenas de aviões e navios de guerra.

“Vários grupos de caças H-6K com munição real realizaram vários ataques simulados em alvos importantes na ilha de Taiwan”, informou o Comando do Teatro de Operações Oriental do Exército de Libertação Popular, especificando que o Shandong também “participou nos exercícios”.

Pequim reivindica praticamente todo o mar do Sul da China, via comercial estratégica e rica em recursos energéticos e pesqueiros, mas Taiwan, Filipinas, Brunei, Malásia e Vietname também têm reivindicações.

Continue a ler esta notícia

Relacionados