Economia chinesa será afetada durante anos pela crise do imobiliário - TVI

Economia chinesa será afetada durante anos pela crise do imobiliário

  • CNN
  • Laura He
  • 15 out, 22:00
Evergrande (VCG/ Getty)

ANÁLISE || "Para a China, a única forma de sair desta crise [do sector imobiliário] é um ajustamento lento mas doloroso".

Hong Kong. O forte crescimento da China, uma das mais rápidas expansões sustentadas de uma grande economia na história, foi impulsionado durante décadas por um boom imobiliário alimentado pelo aumento da população e pelo urbanismo.

Mas o importantíssimo mercado imobiliário, que chegou a representar 30% da economia, entrou em crise há mais de dois anos, depois de o Governo ter imposto restrições aos empréstimos dos promotores imobiliários.

O investimento no sector imobiliário caiu no ano passado pela primeira vez numa década e, sem qualquer ajuda de Pequim à vista, é provável que a recessão imobiliária se arraste, constituindo uma grande ameaça para as perspectivas de crescimento da China nos próximos três a cinco anos.

"Para a China, a única forma de sair desta crise [do sector imobiliário] é um ajustamento lento mas doloroso", afirma Alicia Garcia-Herrero, economista-chefe da Natixis para a Ásia-Pacífico. "O ajustamento ainda só começou e levará anos a concluir-se".

O país precisa de fazer corresponder a oferta de habitação a uma procura muito menor, que está a diminuir devido ao envelhecimento da população, acrescenta.

É uma tarefa difícil. No mês passado, um antigo diretor-adjunto do gabinete nacional de estatísticas foi citado pelos meios de comunicação social estatais como tendo dito que a população total da China, de 1,4 mil milhões de habitantes, não seria suficiente para preencher todos os apartamentos vazios espalhados pelo país.

O governo já introduziu uma política de "desarmazenamento" em todo o país para reduzir o excesso de oferta, incluindo o abrandamento do ritmo de venda de terrenos nas cidades e o incentivo aos promotores imobiliários para baixarem os preços da habitação, a fim de estimular a procura.

A absorção deste "excesso de capacidade" no sector imobiliário irá inevitavelmente prejudicar o crescimento económico da China, segundo Garcia-Herrero.

"Espera-se que a China reduza cerca de um ponto percentual e meio de crescimento todos os anos, pelo menos até 2026", acrescenta.

O Banco Mundial reduziu a previsão do produto interno bruto (PIB) da China para 2024 de 4,8% para 4,4% no domingo, citando dificuldades internas persistentes, como dívida elevada, fraqueza imobiliária e envelhecimento da população.

Dias antes, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou esperar que o crescimento da China abrande para cerca de 3,5% a médio prazo, contra cerca de 5% este ano, devido a factores demográficos e ao abrandamento do crescimento da produtividade.

A última vez que a economia chinesa registou um crescimento sustentado em torno deste nível foi em 1989 e 1990, quando a expansão caiu para 4,2% e 3,9%, respetivamente, em comparação com os 11,3% registados em 1988, devido às sanções internacionais desencadeadas pela repressão na Praça de Tiananmen.

O FMI afirmou que, no futuro, o crescimento poderá ultrapassar os 3,5%, se Pequim avançar com mais estímulos e reformas económicas.

Como chegámos até aqui?

Durante anos, muitos promotores imobiliários na China tinham um modelo de negócio simples: vender apartamentos antes de estarem concluídos. As entidades reguladoras introduziram este modelo em 1994 para satisfazer a procura crescente, uma vez que o país entrou num período rápido de urbanização após a adoção de reformas orientadas para o mercado.

O dinheiro das vendas financiou a sua expansão vertiginosa, tornando os magnatas do sector imobiliário algumas das pessoas mais ricas do país.

A estratégia funcionou em grande medida até há cerca de três anos, altura em que o governo chinês travou os empréstimos excessivos contraídos pelo sector imobiliário, preocupado com o risco de instabilidade financeira. Pretendia também controlar a subida em flecha dos preços do imobiliário e reduzir os riscos associados a uma dívida galopante.

A decisão agravou a crise de liquidez em promotores imobiliários como a Evergrande, que acabou por não cumprir as suas obrigações para com os detentores de dívidas em dezembro de 2021, desencadeando uma crise mais vasta no sector.

A Evergrande deveria ter sido reestruturada e autorizada a reerguer-se, mas os seus problemas só se agravaram. Na semana passada, a empresa informou que o seu fundador e presidente, Xu Jiayin, tinha sido detido pelas autoridades por suspeita de crimes, o que provocou um arrepio nos investidores que esperavam que a empresa fizesse as pazes com os seus credores este mês.

Os receios aumentaram quanto ao destino da Evergrande, que tem mais de 300 mil milhões de dólares em dívidas por pagar e centenas de milhares de apartamentos inacabados em todo o país.

Uma potencial liquidação da empresa poderia afetar as famílias e a confiança no mercado imobiliário, fazendo recuar os esforços de Pequim para reanimar o sector e evitar problemas económicos maiores.

Houve um vislumbre de esperança para a Sunac China, outro grande promotor, que obteve na quinta-feira a aprovação de um tribunal de Hong Kong para o seu plano de reestruturação da dívida offshore de vários milhares de milhões de dólares.

Mas, de um modo geral, o sector imobiliário sofreu uma forte contração à medida que se adapta a um colapso da procura. Em 2020, 2021 e 2022, o início de novas construções medido pela área útil caiu 2%, 11% e 39%, respetivamente, em comparação com o ano anterior, de acordo com dados oficiais.

Motores de crescimento alternativos

Com a estagnação do sector imobiliário, Pequim está a tentar encontrar motores alternativos de crescimento.

No mês passado, o Presidente Xi Jinping sublinhou a necessidade de promover "um novo tipo de industrialização", em que sectores como a tecnologia verde poderiam tomar o lugar do imobiliário.

Mas esse objetivo pode ser impossível a curto prazo, segundo os analistas da Capital Economics.

"Muitos destes sectores têm vindo a crescer rapidamente desde há anos, mas são demasiado pequenos para compensar o papel gigantesco da propriedade", escreveram Mark Williams, Sheana Yue e Zichuan Huang numa nota de análise na semana passada.

Os sectores já definidos como "indústrias emergentes estratégicas", incluindo os materiais e ferramentas avançados e os produtos de energia verde, como os veículos eléctricos, geraram um pouco mais de 13% do PIB em 2022.

"É improvável que os novos sectores emergentes da indústria transformadora, por si só, atinjam a escala ou gerem o crescimento ou os postos de trabalho que o sector imobiliário gerou", afirmam.

O sector imobiliário tem desempenhado um papel de grande relevo na economia chinesa. Os activos imobiliários representam cerca de 70%, a maior proporção, da riqueza das famílias, de acordo com os dados mais recentes do banco central em 2020.

As vendas de terrenos a promotores imobiliários representaram mais de 40% das receitas das autarquias locais nos anos anteriores a 2021. Este valor desceu para 37% em 2022.

O novo plano de industrialização de Xi parece mais uma forma de contextualizar os objetivos da política da China, que se destinam principalmente a ajudar a alcançar a autossuficiência tecnológica e competir com o Ocidente, em vez de impulsionar o crescimento do PIB, disseram analistas da Capital Economics.

"Do nosso ponto de vista, ao desviar recursos para competir na fronteira tecnológica, os resultados serão provavelmente um crescimento económico mais fraco em geral", acrescentam.

Efeito riqueza negativo

O consumo também não parece ser uma opção imediata viável para preencher o vazio deixado pelo sector imobiliário.

Durante décadas, o boom do sector imobiliário alimentou as despesas da crescente classe média chinesa, que mantinha uma grande parte da sua riqueza no sector imobiliário e se sentia confiante quando as suas casas aumentavam de valor.

Agora, o "efeito riqueza negativo" da queda dos preços das casas refreou o seu desejo de gastar e as pessoas estão a acumular dinheiro.

Em junho, os depósitos bancários das famílias totalizaram um recorde de 132 biliões de yuans (18 biliões de dólares), ultrapassando todo o PIB da China no ano passado, de acordo com dados do Banco Popular da China.

A poupança das famílias 80% em 2022 face a 2021. Isso é mais de um terço do seu rendimento. Antes da pandemia, as pessoas economizavam cerca de um quinto do seu rendimento.

A Capital Economics estima que a riqueza líquida das famílias chinesas diminuiu 4,3% em 2022, devido a quedas nos preços das casas e no mercado de ações. Foi o primeiro declínio deste tipo em mais de duas décadas.

"Tal como o Japão na década de 1990, está a surgir uma perda de confiança mais generalizada entre os consumidores e investidores chineses no modelo de crescimento pós-bolha", escreveram analistas da Oxford Economics num relatório de análise no mês passado. "O lugar óbvio para procurar o crescimento é o consumo, mas para o conseguir são necessárias grandes mudanças políticas estruturais."

Desafios para o reequilíbrio

Os responsáveis políticos chineses enfrentam vários desafios para efetuar essas mudanças.

"As famílias já estão altamente alavancadas no sector da habitação e têm pouca margem de manobra para contrair empréstimos para consumo", afirmaram analistas da Universidade de Stanford e do Asia Society Policy Institute (ASPI) num relatório recente.

"A prioridade (...) [deve ser] que o governo crie rapidamente alternativas de crescimento do rendimento, para além da habitação, que incentivem as famílias a consumir."

A demografia é outro fator determinante e ajuda a explicar o desejo de muitos chineses de pouparem muito.

"O sistema de segurança social continua a desenvolver-se lentamente, com o principal pilar das pensões chinesas a registar um défice desde 2014", afirmam os analistas da Oxford Economics.

Sem um sistema de pensões adequado, a poupança por motivos de precaução tem sido "elevada e persistente", rondando os 32% do rendimento pessoal disponível, salientaram.

Ambas as casas de análise financeira sugerem que as autoridades chinesas precisam de encontrar formas de aumentar o rendimento disponível e melhorar a produtividade.

"Uma reconfiguração fundamental da economia chinesa exigirá uma concentração no desenvolvimento de novas indústrias, na melhoria da produtividade e no reforço dos mercados de arrendamento", afirmaram os analistas da Universidade de Stanford e da ASPI.

Continue a ler esta notícia

Mais Vistos