A “maldição dos 35”: na China, os millennials já são demasiado velhos para alguns patrões - TVI

A “maldição dos 35”: na China, os millennials já são demasiado velhos para alguns patrões

  • CNN
  • Berry Wang e Jessie Yeung
  • 3 set 2023, 22:00
Procura de emprego na China

Inúmeras listas de emprego online e sites de recrutamento afirmam explicitamente que os candidatos não devem ter mais do que 35 anos. Não é sequer a meia-idade.

Quando Han perdeu o emprego como designer de interfaces em Pequim, em fevereiro, pensou que os seus 10 anos de experiência não a obrigariam a procurar trabalho alternativo durante muito tempo.

Mas, com a procura de emprego a arrastar-se, começou a preocupar-se. Enviou centenas de candidaturas e só foi convidada para quatro entrevistas.

Sem opções na profissão que escolheu, recorreu a empregos em part-time para fazer face às despesas, trabalhando como motorista de entregas de comida - onde teve "a sorte de ganhar 20 yuan (2,55 euros)" por dia - e como guia de compras, emprego que abandonou depois de ter desenvolvido uma apendicite aguda, diz ela, por estar demasiado tempo de pé.

"Tentei todos os trabalhos possíveis, mas ou consumiam muita energia ou pagavam muito pouco", diz. "Parece que é difícil manter uma vida básica de todos os dias".

A raiz do problema de Han, acredita ela, é simplesmente o facto de se ter tornado velha aos olhos de muitos potenciais empregadores. Tem 34 anos.

Han, que a CNN identifica apenas pelo apelido por questões de privacidade, está entre os muitos trabalhadores na China da geração millennial que receiam ter sucumbido à "maldição dos 35".

O termo foi originalmente cunhado nas redes sociais para descrever rumores de despedimentos de trabalhadores mais velhos por parte de grandes empresas tecnológicas, mas desde então tornou-se tão difundido que é referido até por conselheiros do Partido Comunista da China.

Quem duvidar da força da maldição só precisa de olhar para as inúmeras listas de emprego online e sites de recrutamento que afirmam explicitamente que os candidatos não devem ter mais do que essa idade, que muitos especialistas nem sequer consideram meia-idade.

Em junho, a queixa de um viajante de que os albergues em Pequim recusam habitualmente clientes com mais de 35 anos provocou um debate aceso, tal como uma campanha de recrutamento de um templo taoísta, em junho, que afirmava que os novos monges deviam ter "menos de 35 anos".

Na verdade, até o governo chinês exclui candidatos com mais de 35 anos para muitos dos seus cargos de funcionários públicos - uma política contestada por um deputado na reunião anual do parlamento chinês e do principal órgão consultivo político do ano passado.

Uma feira de emprego em Congjiang, China, a 20 de agosto de 2020. Stringer/AFP/Getty Images

"A discriminação invisível em razão da idade para os trabalhadores de 35 anos sempre existiu no local de trabalho", afirmou o deputado Jiang Shengnan na reunião, segundo o jornal estatal China Youth Daily. "É um enorme desperdício de talento rejeitar candidatos pela sua idade".

Até mesmo académicos e funcionários de topo reconheceram o problema. Num relatório de 2022 publicado pelo jornal estatal People's Daily, um professor da Escola Central do Partido - que forma os quadros do Partido Comunista Chinês - referiu-se à maldição como um "fenómeno comum no mercado de trabalho de massas" e responsabilizou-a por causar uma ansiedade pública generalizada.

Este ano, a agência noticiosa estatal Xinhua propôs o que considerava ser uma solução possível - políticas especiais que favorecessem os trabalhadores com mais de 35 anos, juntamente com assistência financeira e regulamentos contra o preconceito de idade.

Para muitas das centenas de milhões de millennials da China, as soluções podem não ser suficientemente rápidas. Com a China ainda a lutar para recuperar dos danos económicos da pandemia e com sinais de abrandamento do crescimento, o desemprego tornou-se uma preocupação premente para muitos. A nível nacional, a taxa oficial de desemprego subiu para um nível quase recorde de 6,1% no ano passado e, embora o fim do confinamento tenha trazido algum alívio, continua a ser de 5,2%.

Liderar ou fracassar

A questão foi trazida para a ribalta, em parte, pela ascensão da indústria tecnológica chinesa e pela sua notória "cultura 996" - trabalhar das 9 da manhã às 9 da noite seis dias por semana.

Trata-se de um horário inflexível que é ainda mais difícil para os trabalhadores mais velhos com família, mas é uma expetativa comum no sector tecnológico altamente competitivo - e relativamente jovem - do país.

Os especialistas também sublinham que os jovens trabalhadores contratados diretamente da escola tendem a ser mais baratos, embora outros sugiram que a preferência não se limita a manter os custos baixos.

Um relatório de 2021 da Xinhua argumentava que os trabalhadores que não tivessem sido promovidos a níveis de gestão até aos 35 anos poderiam ser considerados menos bem sucedidos e, por conseguinte, mais susceptíveis a despedimentos.

O professor da Escola Central do Partido fez esta observação no seu relatório do ano passado, dizendo: "De um modo geral, a maioria dos trabalhadores com 10 anos de experiência tornar-se-á chefe ou gestor de equipa se as suas capacidades forem realmente boas. Por outras palavras, o 'limiar dos 35 anos' não tem a ver com a idade em si, mas com uma medida da capacidade de trabalho para os empregadores".

Mas estes limites significam que muitas pessoas se encontram como Han, o residente de Pequim: sobrequalificado, instruído, experiente e a lutar para se manter à tona com trabalhos temporários.

Isto é especialmente verdade à medida que cada vez mais pessoas procuram obter mestrados e doutoramentos na esperança de ganhar vantagem no concorrido mercado de trabalho - atrasando assim, ironicamente, a sua entrada no antigo mercado de trabalho.

O criador de conteúdos Tao Chen num vídeo publicado nas redes sociais chinesas. Douyin

Um criador de conteúdos, Tao Chen, ganhou atenção nacional em março depois de publicar a sua experiência na Internet. Depois de se ter licenciado em filosofia na prestigiada Universidade de Sichuan, foi despedido de um emprego de jornalista e depois embarcou numa série de projectos empresariais falhados. Aos 38 anos, com poucas perspectivas, tornou-se motorista de entregas de comida - acabando por desistir também desse emprego porque o rendimento não era suficiente para pagar as contas.

"Apesar de ter uma experiência profissional muito boa e um mestrado, não sou competitivo depois dos 35 anos", diz Tao Chen no seu vídeo Douyin. Mais de 98% dos seus pedidos de emprego ficaram sem resposta, enquanto os restantes consideraram que ele era "inapto" para a função.

"Quase tive um colapso mental", disse ele.

Uma nova reviravolta numa velha história

Para muitas mulheres chinesas, a "maldição" vem reforçar e agravar ainda mais a discriminação de género enraizada há muito no local de trabalho.

As trabalhadoras desta faixa etária dizem frequentemente que se vêem pressionadas por empregadores relutantes em pagar a licença de maternidade. Dizem que perdem promoções porque a entidade patronal receia que elas tirem uma longa licença ou, pior ainda, que não sejam contratadas.

"Ao verem esta idade, muitas empresas não estão dispostas a recrutar-vos", diz Han, residente em Pequim. "Preferem os mais novos. Afinal, aos olhos deles, posso vir a casar-me e ter filhos. Mesmo que eu lhes diga que não tenciono casar, eles não acreditam."

Quando Liu, de 35 anos, residente em Shenzhen, regressou ao seu emprego numa empresa de bioengenharia, após uma licença de maternidade de seis meses, esperava participar num novo projeto. Em vez disso, disse, foi despedida abruptamente e o seu lugar foi entregue a um recém-licenciado.

Meses depois, ainda não encontrou outro emprego. Liu, que pediu um pseudónimo por razões de privacidade, acredita que foi a licença de maternidade que levou ao seu despedimento.

"Eles são muito realistas. Quando não preciso de ti, substituo-te por mão de obra mais barata", diz.

Os homens também podem ser afectados. Liu lembra-se de ter visto um colega que tinha acabado de ser pai receber o que ela chamou de tarefas inadequadas, como ser enviado numa viagem de negócios imediatamente após o parto.

E disse ter também visto empregados da geração millennial e de meia-idade a serem escolhidos para serem envergonhados, sendo-lhes pedido que levantassem a mão em reuniões se tivessem mais de 30 anos ou não sendo convidados para festas da empresa.

Liu suspeita que a maior motivação dos empregadores é simplesmente o resultado final. "Muitas empresas consideram a eficiência dos custos", diz Liu. "Acham que o meu salário é mais elevado do que o dos recém-licenciados, por isso preferem escolher os licenciados."

'Consigo ver através dos seus truques'

Os especialistas afirmam que a melhor forma de combater o preconceito de idade e a desigualdade de género é através de uma reforma legal.

Yiran Zhang, professor assistente da Cornell Law School, afirma que, embora a legislação laboral chinesa proíba a discriminação com base na etnia, no género e na crença religiosa, não o faz em relação à idade.

E mesmo nas áreas em que foi oferecida alguma proteção - como para as mães em licença de maternidade - a aplicação da lei é fraca e a discriminação com base no género continua a ser comum, afirmou.

Os trabalhadores que processam com êxito a sua entidade patronal podem receber apenas indemnizações baixas, o que desincentiva alguns a prosseguir com a ação judicial, acrescentou Zhang.

Estudantes e licenciados numa feira de emprego e estágios universitários em Suqian, na China, a 9 de agosto de 2023. Costfoto/NurPhoto/Getty Images

"Uma grande quantidade de discriminação por idade é interseccional - discriminação de idade, género, gravidez e deveres de cuidado", disse o professor assistente.

Zhang e outros especialistas referiram que, no passado, houve tentativas de legislar contra a discriminação com base na idade, tendo alguns políticos considerado esta questão prioritária para combater a queda da taxa de natalidade, mas até à data estas tentativas não foram aprovadas no parlamento.

No início deste ano, vários progressos foram registados quando várias províncias e regiões flexibilizaram as restrições de idade para os empregos de funcionários públicos, aumentando o limite de 35 para 40 anos, segundo os meios de comunicação social estatais.

Entretanto, Liu - a antiga gestora de projectos em Shenzhen - espera agora ganhar a vida como criadora de conteúdos, para não ter de regressar a um local de trabalho tradicional repleto de discriminação e discriminação em razão da idade.

"Já estive em grandes e pequenas empresas, consigo ver os seus truques", afirma. "Só quero fugir de lá".

Continue a ler esta notícia