China quer limitar crianças a um máximo de duas horas por dia nos telemóveis - TVI

China quer limitar crianças a um máximo de duas horas por dia nos telemóveis

  • CNN
  • Simone McCarthy
  • 3 ago 2023, 18:00
Banir o uso de telemóvel nas escolas? Unesco diz que sim e já há duas escolas a fazê-lo em Portugal

Limites propostos incluem proibição de acesso durante grande parte da noite.

A China está a propor novas medidas para limitar o tempo que as crianças e os adolescentes podem passar ao telemóvel, numa altura em que o país diz estar a tentar combater a dependência da Internet e a cultivar a “boa moral” e os “valores socialistas” entre os menores de idade.

Uma proposta divulgada pela Administração do Ciberespaço da China, a principal entidade reguladora da Internet no país, na quarta-feira, exigiria que todos os dispositivos móveis, aplicações e lojas de aplicações tivessem um “modo menor” incorporado, que restringisse o tempo diário de ecrã a um máximo de duas horas por dia, dependendo do grupo etário.

As restrições, se forem aprovadas, constituirão uma expansão das medidas já introduzidas ao longo dos últimos anos, uma vez que Pequim pretende limitar o tempo de ecrã das crianças e reduzir a sua exposição a “informações indesejáveis”.

De acordo com o projeto, que está aberto à discussão pública até 2 de setembro, as crianças e os adolescentes que utilizem dispositivos em modo menor verão as aplicações online serem automaticamente encerradas quando os limites de tempo terminarem. Ser-lhes-ão igualmente oferecidos “conteúdos baseados na idade”.

Na utilização deste modo, os menores de 18 anos não poderão aceder aos ecrãs entre as 22h00 e as 06h00.

As crianças com menos de oito anos só poderão utilizar os seus telemóveis durante 40 minutos por dia, enquanto as que têm entre oito e 16 anos terão direito a uma hora de tempo de ecrã. Os adolescentes com mais de 16 anos e menos de 18 teriam direito a duas horas.

Todos os grupos etários receberiam um lembrete para descansar depois de utilizarem o seu dispositivo durante mais de 30 minutos.

Os fornecedores de serviços de Internet móvel devem também criar ativamente conteúdos que “divulguem os valores socialistas fundamentais” e “forjem um sentido de comunidade da nação chinesa”, diz o projeto.

Os pais poderão ignorar as restrições de tempo, além de que certos serviços educativos e de emergência não estarão sujeitos a esses limites.

A “adição à Internet” emergiu como uma preocupação social importante nos últimos anos, dando origem a uma indústria de “centros de tratamento” de estilo “acampamento” que são muitas vezes cientificamente duvidosos e por vezes perigosos.

Proteger os olhos

Os pais entrevistados pela CNN manifestaram um apoio tímido à proposta.

“Acho que é bom. Por um lado, pode proteger a visão, uma vez que muitas crianças não conseguem parar de ver algo de que gostam”, disse uma mãe de dois filhos da província de Zhejiang, no leste da China, que não quis dar o seu nome.

“Por outro lado, é mais fácil para nós, pais, controlar o tempo de ecrã dos nossos filhos”, disse ela. “O mais importante é que o conteúdo do modo menor seja mais positivo e saudável”.

A miopia tornou-se uma preocupação nacional de saúde na China, com alguns especialistas a associarem a prevalência da miopia entre os jovens à falta de exposição à luz solar ou ao excesso de tempo de ecrã.

A China tem uma das maiores bases de utilizadores de Internet do mundo, com cerca de 1,07 mil milhões de pessoas no país de 1,4 mil milhões de habitantes a terem acesso à Web, de acordo com o China Internet Network Information Center. Em dezembro, cerca de um em cada cinco utilizadores tinha 19 anos ou menos.

A eficácia das novas medidas propostas pode depender da adesão dos pais, de acordo com um pai de dois filhos da cidade de Zhuhai, no sudeste da China, que afirmou que as crianças utilizam por vezes as contas dos pais para jogar online.

O regulamento poderá ser útil para “ajudar os pais a supervisionar as crianças” e a limitar o tempo de ecrã.

“Até nós, adultos, precisamos disso!”, brincou.

Impacto nas empresas de tecnologia

As novas medidas poderão colocar desafios às empresas de tecnologia, que são normalmente responsáveis pela aplicação dos regulamentos.

A proposta surge num momento em que parece estar a chegar ao fim uma severa repressão de anos sobre os gigantes tecnológicos chineses.

As ações cotadas em Hong Kong de algumas das principais empresas de Internet do país fecharam em forte queda na quarta-feira, após a divulgação das novas regras.

A Tencent, que gere a popular plataforma de mensagens Wechat, fechou em baixa de cerca de 3%. A aplicação de vídeo streaming Bilibili perdeu 7%, enquanto a rival Kuaishou fechou em queda de 3,5%. A Weibo, uma plataforma semelhante ao Twitter, terminou 4,8% mais baixa.

Na quinta-feira, as empresas estavam a negociar de forma estável a superior, com exceção da Weibo, que estava a negociar cerca de 1% em baixa.

A CNN contactou os fabricantes de telemóveis Xiaomi, Apple e Huawei para comentários.

Há dois anos, os reguladores chineses proibiram os jogadores online com menos de 18 anos de jogar durante a semana e limitaram o seu jogo a apenas três horas nos fins-de-semana, reforçando os limites anteriores.

Por volta dessa altura, várias empresas de tecnologia introduziram medidas que permitem mais controlos parentais, em sintonia com o impulso de Pequim para uma maior supervisão.

Douyin, a versão chinesa do TikTok, introduziu um “modo adolescente” em 2021 que limitava o tempo que as crianças com menos de 14 anos podiam passar na aplicação de vídeo de curta duração a 40 minutos por dia.

O Kuaishou, outra aplicação de vídeo popular, tem uma opção semelhante.

Os esforços anteriores basearam-se no registo dos utilizadores da Internet com os seus nomes verdadeiros. No ano passado, os reguladores obrigaram todos os sites online a verificar a identidade real dos utilizadores antes de lhes permitir enviar comentários ou gostar de publicações.

 

Wayne Chang, Xiaofei Xu, Berry Wang e Mengchen Zhang da CNN contribuíram para este artigo.

Continue a ler esta notícia