Cientistas filmam peixes à maior profundidade de sempre no mar junto ao Japão - TVI

Cientistas filmam peixes à maior profundidade de sempre no mar junto ao Japão

  • CNN
  • Chris Lau
  • 9 abr 2023, 17:00
Cientistas filmam peixes à mais baixa profundidade de sempre no mar junto ao Japão. Foto: Universidade da Austrália Ocidental

Estas imagens proporcionam uma visão rara das características únicas que permitem às espécies de águas profundas sobreviver naquele ambiente extremo

Nadando a uma profundidade de 8.336 metros mesmo junto ao fundo do mar, um jovem caracol-do-mar tornou-se no peixe filmado na maior profundidade de sempre pelos cientistas durante uma investigação nas fossas no norte do Oceano Pacífico.

Cientistas da Universidade da Austrália Ocidental e da Universidade de Ciência e Tecnologia Marinhas de Tóquio divulgaram imagens do caracol-do-mar no domingo passado, filmadas por robôs marinhos em fossas profundas ao largo do Japão.

Para além de filmarem o caracol-do-mar na maior profundidade de sempre, os cientistas capturaram fisicamente dois outros espécimes a 8.022 metros e estabeleceram outro recorde para a captura mais profunda.

Anteriormente, o caracol-do-mar mais profundo alguma vez visto tinha sido a 7.703 metros, em 2008, mas os cientistas nunca tinham sido capazes de apanhar peixe em nenhum lugar abaixo dos 8.000 metros.

"O que é relevante é que mostra o quão fundo um determinado tipo de peixe descerá no oceano", diz o biólogo marinho Alan Jamieson, fundador do Minderoo-UWA Deep Sea Research Centre, que liderou a expedição.

Estes dois peixes foram encontrados a uma profundidade de mais de 8 mil metros na fossa do Japão, no norte do Oceano Pacífico. Foto: Universidade da Austrália Ocidental

Os cientistas estão a filmar nas fossas ao largo do Japão para um estudo de 10 anos sobre as populações de peixes que vivem nas águas mais profundas do mundo. Os caracóis-do-mar são membros da família Liparidae, e enquanto a maioria vive em águas pouco profundas, outros sobrevivem em algumas das maiores profundidades alguma vez registadas, disse Jamieson.

Durante o levantamento de dois meses no ano passado, três landers – robôs marítimos automáticos equipados com câmaras de alta resolução – foram lançados em três fossas – as do Japão, Izu-Ogasawara e Ryukyu – a profundidades variáveis.

Na fossa de Izu-Ogasawara, as filmagens mostraram os caracóis-do-mar nos lugares mais profundos flutuando calmamente ao lado de outros crustáceos no fundo do mar.

Jamieson classifica o peixe como juvenil e disse que os caracóis-do-mar mais jovens ficam frequentemente o mais fundo possível para evitar serem comidos por predadores maiores que nadam a profundidades mais baixas.

Outro clipe filmado entre 7.500 e 8.200 de profundidade metros na mesma fossa mostrou uma colónia de peixes e crustáceos a morderem o isco amarrado a um robô submarino.

Imagens dos dois caracóis-do-mar captados – e identificados como Pseudoliparis belyaevi – proporcionam uma visão rara das características únicas que permitem às espécies de águas profundas sobreviver naquele ambiente extremo.

Têm olhos minúsculos, um corpo translúcido, e a sua vesícula gasosa, que ajuda outros peixes a flutuar, funciona em seu benefício, diz Jamieson. 

O professor diz que o Oceano Pacífico é particularmente propício a uma atividade intensa devido à sua corrente quente do sul, que encoraja as criaturas marinhas a ir mais fundo, enquanto a sua abundante vida marinha fornece uma boa fonte de alimentação para os comedores do fundo.

Os cientistas gostariam de saber mais sobre as criaturas que vivem em profundidades extremas, mas o custo é o maior constrangimento, disse Jamieson, acrescentando que cada robô lhes custa mais de 180.000 euros só para montar e operar.

"O maior desafio é que a tecnologia tem sido cara e os cientistas não têm muito dinheiro", diz.

Continue a ler esta notícia