Nova pista pode ser a explicação para o desaparecimento abrupto dos Vikings da Gronelândia no século XV - TVI

Nova pista pode ser a explicação para o desaparecimento abrupto dos Vikings da Gronelândia no século XV

  • CNN
  • Katie Hunt
  • 29 abr 2023, 09:00
Restos da civilização viking na Gronelândia. Foto: Cindy Hopkins/Alamy Stock Photo

Nesta investigação, foi utilizado um modelo informático baseado em registos geológicos e climáticos. Na imagem de capa, vemos os restos da civilização viking na Gronelândia.

Os vikings desapareceram abruptamente da Gronelândia em meados do século XV, cerca de 400 anos depois de lá terem chegado. A razão pela qual abandonaram uma comunidade bem-sucedida é um mistério que os historiadores nunca conseguiram explicar completamente.

As teorias incluem a seca, a alteração das temperaturas, a agitação social e a caça excessiva de presas de morsa (um bem de luxo apreciado na Europa medieval) – condições que teriam tornado as colónias nórdicas na Gronelândia economicamente inviáveis.

Agora, uma equipa de investigadores da Universidade de Harvard e da Universidade do Estado da Pensilvânia afirma ter descoberto outro fator-chave que pode explicar a fuga dos vikings: a subida do nível do mar.

Utilizando um modelo informático baseado em registos geológicos e climáticos, a equipa descobriu que o nível do mar teria subido até 3 metros durante os quatro séculos de ocupação nórdica da colónia oriental que os vikings estabeleceram na Gronelândia em 985 d.C.

Os investigadores calcularam que 204 quilómetros quadrados (79 milhas quadradas) de terra teriam sido inundados durante o período de ocupação da colónia, tornando as comunidades nórdicas mais vulneráveis às tempestades e à erosão costeira ao mesmo tempo que que também perdiam terras férteis. 

A perda de terras habitáveis teria sido agravada por um movimento de temperaturas mais quentes para temperaturas mais frias e secas na Europa, que acabaram por conduzir ao que é conhecido como a Pequena Idade do Gelo, que começou por volta de 1250 d.C. Um estudo que pormenoriza as descobertas foi publicado na segunda-feira na revista científica PNAS

"A alteração do nível do mar é um elemento integrante e em falta na história dos vikings", afirma o coautor do estudo, Richard Alley, professor universitário de Geociências da Universidade Evan Pugh, no estado do Pensilvânia. 

A análise dos restos mortais humanos nos pátios das igrejas e dos restos de animais nos montes de lixo mostrou também que, ao longo daquele período, a dieta dos colonos vikings passou de alimentos da terra, como a pecuária, para recursos marinhos, como o peixe e as focas, notaram os investigadores. Esta mudança pode ter sido devida à perda de terras adequadas para o cultivo. 

A ideia de que o nível do mar estaria a subir à medida que as temperaturas baixavam é um pouco contraintuitiva, dizem os investigadores. Temperaturas globais mais baixas estão normalmente associadas à descida do nível do mar. 

No entanto, os oceanos da Terra não funcionam como uma banheira e o estudo refere que as alterações do nível do mar não afetam todas as áreas da mesma forma. 

A colónia nórdica teria sido sujeita a duas componentes da alteração do nível do mar, porque se situava na periferia da camada de gelo Laurentide - que cobre o Canadá, o nordeste dos Estados Unidos e o Ártico - e a camada de gelo da Gronelândia. 

O manto de gelo da Gronelândia avançou durante a ocupação viking da colónia oriental e atingiu o seu pico na Pequena Idade do Gelo. Este avanço provocou a subida do nível do mar perto das margens do gelo devido ao afundamento da crosta terrestre, de acordo com o estudo. 

"O avanço empurrou para baixo a terra à sua volta, algo como a mossa que se forma à nossa volta se nos sentarmos num colchão de água; menos intuitivamente, a massa de gelo é tão grande que atrai de forma significativa o oceano para ela", explica Alley num comunicado de imprensa. 

"A maior massa de gelo perto da costa fez subir o oceano", acrescenta. 

Num estudo separado, também publicado na segunda-feira, os investigadores descobriram que os viajantes vikings transportavam madeira ao longo de enormes distâncias na América do Norte e no Norte da Europa, porque as árvores nativas da Gronelândia eram inadequadas para a construção naval e para a construção de grandes projetos em terra. 

A análise microscópica de restos de madeira, publicada na revista Antiquity, mostrou que os nórdicos da Gronelândia tinham os meios, os conhecimentos e as embarcações adequadas para atravessar o Atlântico Norte até à costa leste da América do Norte, pelo menos até ao século XIV.

Continue a ler esta notícia