Empresário admite crimes, mas não encontra explicação para ter tentado matar quatro pessoas - TVI

Empresário admite crimes, mas não encontra explicação para ter tentado matar quatro pessoas

  • Agência Lusa
  • DCT
  • 16 abr, 14:11
Justiça

O arguido, que está preso preventivamente, admitiu os crimes e os factos presentes na acusação, sustentados por imagens de videovigilância

O empresário de 57 anos acusado de tentar matar quatro pessoas, entre elas a sua mulher, a 1 de maio de 2023, em Cernache, Coimbra, admitiu esta terça-feira os crimes, mas diz que não consegue encontrar uma explicação para o sucedido.

“Eu tinha um excesso de trabalho há muito tempo, não dormia bem – comecei a dormir com uma máquina [para apneia do sono], o meu sono andava descontrolado, falta de medicação, a bebida… Houve ali qualquer coisa que não consigo explicar e, quando dei por ela, já tinha feito a asneira”, afirmou o arguido, no início do julgamento, a chorar.

Segundo o empresário de 57 anos, não havia qualquer razão para ter tentado matar aquelas quatro pessoas com recurso a uma caçadeira – duas delas não conhecia, outra era um conhecido com quem se dava bem e com a mulher nunca tinha havido qualquer problema conjugal.

“Sempre me dei bem com a minha mulher. Eu não tinha nenhum problema com ela, não havia nenhuma razão para isto acontecer. Não consigo explicar”, disse, emocionado.

O arguido, que está preso preventivamente, admitiu os crimes e os factos presentes na acusação, sustentados por imagens de videovigilância, apesar de referir que não se lembra de nada, alegando que só tomou consciência da situação quando viu a sua mulher caída no chão.

Nesse momento, decidiu voltar para casa e tentar pôr termo à vida, tendo escrito um bilhete, que ainda hoje não consegue decifrar, apenas reconhecendo algumas palavras: “perdoa”, “amo-te” e “beijos”.

As poucas memórias que tem do sucedido não batem sequer certo com as gravações, confessou.

Segundo o empresário, a vida estava “organizada” e não havia quaisquer dívidas na empresa, referindo que passa noites inteiras na prisão sem dormir “para perceber o aconteceu” e encontrar “uma ideia” que explique o que fez.

“Não há nenhuma razão”, reiterou, pedindo desculpa a todos os afetados.

Ainda de acordo com o arguido, no dia dos crimes, terá dormido muito pouco e antes do sucedido esteve num convívio de caçadores onde terá ficado alcoolizado.

“Nesse dia, sentia o corpo dormente. Ainda estive para não ir [ao convívio]. Não me lembro das horas a que saí de lá”, afirmou.

No arranque da primeira sessão do julgamento, a ex-mulher do arguido (divorciaram-se pouco depois do sucedido) optou por não falar e um dos homens vítima dos disparos não conseguiu encontrar explicação para o sucedido.

Depois de ter sido ouvida essa testemunha, o arguido voltou a pedir “perdão pelo sofrimento que causou” àquele homem e à sua família.

O empresário é acusado de quatro crimes de homicídio na forma tentada.

Segundo o Ministério Público, o arguido terá disparado contra dois homens e duas mulheres junto à empresa de que era sócio-gerente, num ato para o qual a própria acusação não aponta um motivo.

A acusação a que a agência Lusa teve acesso refere que os crimes ocorreram no final da tarde de 1 de maio de 2023, depois de uma reunião que a então mulher do arguido teve nas instalações da empresa, com outros três associados (dois homens e uma mulher) de uma entidade que promovia e organizava caminhadas em Coimbra.

Quando as quatro vítimas se preparavam para sair do local, o empresário, munido de uma caçadeira semiautomática fez uma série de disparos, atingindo um dos homens no braço esquerda e a outro na zona da face.

Depois de dois disparos contra a sua mulher, o arguido acabou por lhe desferir duas fortes pancadas com a espingarda na cabeça, quando a vítima procurava fugir do local, tendo caído inanimada no chão.

Continue a ler esta notícia