Comissão Europeia investiga possível concertação de preços entre fabricantes de pneus - TVI

Comissão Europeia investiga possível concertação de preços entre fabricantes de pneus

  • Agência Lusa
  • AM
  • 31 jan, 07:19
Fábrica da Continental Mabor em Lousado, Vila Nova de Famalicão (Ricardo Castelo/ Eco)

Bruxelas diz recear "ter ocorrido uma concertação dos preços" entre várias empresas do setor

A Comissão Europeia anunciou ter realizado inspeções, sem aviso prévio, a vários fabricantes de pneus, como Michelin, Bridgestone, Continental, Nokian e Goodyear, mostrando-se preocupada com uma possível concertação dos preços.

A Comissão, responsável pelo controlo da concorrência na UE, disse recear "ter ocorrido uma concertação dos preços" entre várias empresas do setor, de acordo com um comunicado publicado na terça-feira, em Bruxelas.

Sem divulgar o nome das empresas envolvidas, a Comissão especificou que os produtos em causa eram pneus novos de substituição para automóveis de passageiros, carrinhas, camiões e autocarros vendidos na Europa.

O grupo francês Michelin, número um mundial, confirmou ser uma das empresas implicadas, mas "negou categoricamente" quaisquer "práticas anticoncorrenciais como as referidas pela Comissão Europeia" e por maioria de razão "quaisquer práticas de concertação de preços".

O fabricante japonês Bridgestone, o alemão Continental, o finlandês Nokian e o norte-americano Goodyear também confirmaram terem sido alvo de inspeções, sublinhando estarem "a cooperar plenamente" com as autoridades anticartel.

Contactadas pela agência de notícias France-Presse, as empresas Pirelli, Hankook, Yokohama e Nexen não reagiram de imediato.

"Inspeções sem aviso prévio constituem uma etapa preliminar nos inquéritos sobre possíveis práticas anticoncorrenciais. Por a Comissão ter realizado estas inspeções não significa que as empresas sejam culpadas e não prejudica o resultado da investigação em si", sublinhou o executivo europeu.

Neste tipo de infração à concorrência, uma empresa considerada culpada pode ser multada até 10% do volume de negócios anual a nível mundial.

Não existe um prazo legal para a conclusão destes inquéritos.

Continue a ler esta notícia