Eutanásia: Bispos lamentam legalização e mantêm esperança na sua revogação - TVI

Eutanásia: Bispos lamentam legalização e mantêm esperança na sua revogação

  • Agência Lusa
  • FG
  • 17 mai 2023, 15:59
Abusos na Igreja: Grupo Vita é o sucessor da Comissão Independente. Vai receber denúncias e apoiar vítimas

“Comungamos da tristeza do Papa Francisco manifestada no passado dia 13 de maio, após a confirmação parlamentar do diploma sobre a morte medicamente assistida lê-se no comunicado

Relacionados
A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lamentou esta quarta-feira a legalização da eutanásia, já promulgada pelo Presidente da República, e manifestou esperança na sua revogação.

“Como reafirmámos por diversas vezes ao longo do processo legislativo que agora chegou ao seu termo, com a legalização da eutanásia quebra-se o princípio fundamental da inviolabilidade da vida humana e abrem-se portas perigosas para um alargamento das situações em que se pode pedir a morte assistida”, considera o episcopado católico português em comunicado.

Na sexta-feira, o parlamento confirmou o decreto sobre a morte medicamente assistida, que tinha sido vetado pelo Presidente da República, com um total de 129 votos a favor, obrigando à sua promulgação, o que aconteceu na terça-feira.

“Comungamos da tristeza do Papa Francisco manifestada no passado dia 13 de maio, após a confirmação parlamentar do diploma sobre a morte medicamente assistida: ‘Hoje estou muito triste, porque no país onde apareceu Nossa Senhora foi promulgada uma lei para matar. Mais um passo na grande lista de países com eutanásia’”, acrescenta a nota da CEP.

Segundo os bispos, com a legalização da eutanásia, “a vida humana está desprotegida e sofre um grave atentado ao seu valor e dignidade. A morte passa a ser apresentada como solução para a dor e sofrimento, ao invés de uma promoção dos cuidados paliativos humanizantes até ao fim natural da vida”, acrescentam.

A CEP apela “para que as famílias e profissionais de saúde, a quem deve ser sempre garantida a objeção de consciência, rejeitem liminarmente as possibilidades abertas pela legalização da eutanásia”.

“Na certeza de que a entrada em vigor desta da lei representa um claro retrocesso civilizacional, mantemos a esperança de que possa vir a ser revogada e que a vida humana, que é um dom inestimável, volte a ser valorizada e defendida em todas as suas fases”, concluem os bispos.

Continue a ler esta notícia

Relacionados