Coreia do Norte testou aparelho submarino de ataque nuclear capaz de provocar um "tsunami radioativo em grande escala" - TVI

Coreia do Norte testou aparelho submarino de ataque nuclear capaz de provocar um "tsunami radioativo em grande escala"

  • Agência Lusa
  • BCE
  • 24 mar, 07:02
Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un  (Korean Central News Agency/Korea News Service via AP)

De acordo com a agência de notícias norte-coreana, Kim Jong-un supervisionou os testes

Relacionados

A Coreia do Norte anunciou esta sexta-feira que testou um aparelho submarino não tripulado de ataque nuclear capaz de desencadear um "tsunami radioativo" e responsabilizou os exercícios militares Estados Unidos-Coreia do Sul pela deterioração da segurança regional.

Esta semana, Pyongyang conduziu também manobras militares, incluindo o ensaio de um novo sistema de lançamento de mísseis nucleares subaquáticos, informou a agência de notícias estatal norte-coreana, a KCNA.

"Este aparelho submarino de ataque nuclear pode ser colocado em qualquer costa e porto ou rebocado por um navio de superfície", avançou a KCNA.

O objetivo do aparelho é "infiltrar-se furtivamente nas águas operacionais e produzir um tsunami radioativo em grande escala (...) para destruir os grupos de ataque naval e os principais portos operacionais do inimigo", acrescentou.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, supervisionou pessoalmente os testes, de acordo com a KCNA. A agência noticiou ainda que, na quarta-feira, Pyongyang disparou mísseis de cruzeiro estratégicos "equipados com uma ogiva de teste que simula uma ogiva nuclear".

No entanto, alguns analistas questionaram as alegações da Coreia do Norte.

A ideia de que Pyongyang tem "uma ogiva submarina com capacidade nuclear deve ser encarada com ceticismo", disse o professor Leif-Eric Easley da Universidade de Ewha, em Seul.

Numa publicação na rede social Twitter, o analista norte-americano Ankit Panda não excluiu que a alegação sobre o teste fosse uma "tentativa de engano/manobra psicológica".

Mesmo assim, a alegação "é chocante", disse Cheong Seong-chang, do Instituto Sejong, à agência de notícias France-Presse.

Se for verdade, é difícil ver como Seul "poderia responder a uma arma nova tão incrível da Coreia do Norte que pode destruir completamente os principais portos operacionais da Coreia do Sul", afirmou.

Seul diz que Coreia do Norte vai pagar pelas "provocações imprudentes"

O presidente sul-coreano garantiu que a Coreia do Norte "vai pagar pelas provocações imprudentes", horas depois de Pyongyang ter anunciado a realização de testes a um novo tipo de aparelho subaquático de ataque nuclear.

Yoon Suk-yeol falava numa cerimónia em memória de 55 marinheiros mortos no mar Amarelo durante a chamada Segunda Batalha de Yeongpyeong em 2002 e na sequência de um torpedo lançado por um submarino norte-coreano contra a corveta Cheonan em 2010.

"A Coreia do Norte está a avançar dia após dia com armas nucleares e a realizar provocações com uma intensidade sem precedentes", disse Yoon, na cerimónia, que decorreu num cemitério em Daejeon, a 139 quilómetros a sul de Seul.

"O nosso Governo e militares vão reforçar dramaticamente o sistema de três eixos da Coreia do Sul face aos avanços e provocações de mísseis do Norte, e reforçar a cooperação em matéria de segurança com os Estados Unidos e o Japão".

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE