Coreano de 82 anos tem ataque cardíaco depois de se engasgar com um “polvo vivo” - TVI

Coreano de 82 anos tem ataque cardíaco depois de se engasgar com um “polvo vivo”

  • CNN
  • Jessie Yeung e Gawon Bae
  • 25 out 2023, 14:08
San-nakji, um prato tradicional coreano de polvo cru. AStudio/iStockphoto/Getty Images

Um homem de 82 anos teve, na Coreia do Sul, um ataque cardíaco depois de se ter engasgado com um pedaço de "polvo vivo", ou san-nakji, uma iguaria local composta por tentáculos acabados de cortar - e ainda a contorcer-se.

Os bombeiros de Gwangju, uma cidade perto do extremo sul do país, receberam na segunda-feira de manhã uma queixa de que um pedaço de san-nakji tinha ficado preso na garganta de um homem, segundo um funcionário do corpo de bombeiros.

Quando os primeiros socorristas chegaram ao local, o homem teve uma paragem cardíaca e fizeram uma reanimação cardiorrespiratória, disse o funcionário.

O funcionário não disse se o homem sobreviveu.

San-nakji refere-se a um pequeno polvo que é cortado e servido cru, frequentemente consumido nas zonas costeiras da Coreia do Sul ou nos mercados de marisco.

Embora o nome do prato se traduza por "polvo vivo", é um pouco enganador - o polvo é morto antes de ser servido, sendo os seus tentáculos cortados em pedaços.

No entanto, ele é servido imediatamente após o corte, e está tão fresco que os nervos dos tentáculos ainda estão ativos - fazendo com que o polvo pareça "vivo", uma vez que continua a mover-se no prato.

O San-nakji é muitas vezes servido com óleo de sésamo, sementes de sésamo e, por vezes, gengibre, e tem uma textura mastigável.

O prato apareceu num episódio de 2015 da série da CNN "Parts Unknown", de Anthony Bourdain, quando o famoso chefe e apresentador de televisão viajou para a Coreia do Sul para provar tudo, desde soju a frango frito coreano - e san-nakji, com Bourdain a usar os pauzinhos para retirar um tentáculo pegajoso do prato.

O prato também já fez manchetes, com os meios de comunicação locais a relatarem vários casos ao longo dos anos de comensais que morreram depois de se engasgarem ou asfixiarem com "polvo vivo".

No caso talvez mais conhecido, apelidado de "assassinato do polvo", um homem sul-coreano foi condenado a prisão perpétua em 2012 por alegadamente ter morto a namorada e ter afirmado que se tratava de um acidente com o san-nakji - antes de ser absolvido pelo Supremo Tribunal em 2013 por insuficiência de provas.

Continue a ler esta notícia