À atenção de todos: há uma variante da covid em ascensão - TVI

À atenção de todos: há uma variante da covid em ascensão

  • CNN
  • Brenda Goodman
  • 9 ago, 18:19
Covid-19 (Associated Press)

Organização Mundial da Saúde acrescentou-a à lista de variantes sob monitorização. Está em ascensão nos EUA mas também em países europeus, no Japão e na China. E o calor não ajuda

Variante EG.5 está a aumentar à medida que crescem os casos de covid-19 e as hospitalizações

por Brenda Goodman, CNN

Há uma variante do coronavírus a liderar a tabela de classificação nos Estados Unidos: EG.5.

A nível dos EUA, o EG.5 está a causar cerca de 17% dos novos casos de covid-19 no país, em comparação com 16% para a segunda linhagem mais comum, XBB.1.16, de acordo com as últimas estimativas dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA.

O EG pode parecer uma nova variante do vírus mas não é; trata-se de um derivado da estirpe recombinante XBB da família Omicron. E representa mais um ajuste incremental ao vírus e não um grande salto evolutivo como a estirpe Omicron original.

Em comparação com o seu progenitor XBB.1.9.2, tem uma mutação extra no seu pico, na posição 465. Esta mutação já tinha aparecido noutras variantes do coronavírus. Os cientistas não sabem exatamente que novos truques permite ao vírus fazer, mas os caçadores de variantes estão atentos porque muitos dos novos descendentes do XBB adoptaram-ma

A mutação 465 está presente em cerca de 35% das sequências de coronavírus registadas em todo o mundo, incluindo outra que está a aumentar a prevalência no Nordeste, FL.1.5.1, o que sugere que está a transmitir algum tipo de vantagem evolutiva em relação às versões anteriores.

A EG.5 também tem agora a sua própria ramificação, a EG.5.1, que acrescenta uma segunda mutação ao pico. Esta também está a espalhar-se rapidamente.

David Ho tem estado a testar estas variantes no seu laboratório na Universidade de Columbia, nos EUA, para ver até que ponto se tornaram resistentes aos anticorpos que temos para as defender.

"Ambas são apenas ligeiramente mais resistentes aos anticorpos neutralizantes no soro de pessoas infetadas e vacinadas", afirma Ho, professor de microbiologia e imunologia, num e-mail enviado à CNN.

Clinicamente, David Ho diz que estas variantes não parecem estar a causar sintomas diferentes ou mais graves do que os vírus que vieram antes deles.

"Basicamente, tem um pouco mais de escape imunológico em comparação com os que foram precedentes nesta série XBB", diz Eric Topol, cardiologista do Instituto de Pesquisa Translacional Scripps. "Tem uma vantagem e é por isso que está a ganhar terreno em todo o mundo."

Além dos EUA, o EG.5 está a crescer rapidamente na Irlanda, em França, no Reino Unido, no Japão e na China. A Organização Mundial da Saúde acrescentou-a recentemente à sua lista de variantes sob monitorização.

A variante tornou-se a mais prevalente nos Estados Unidos numa altura em que os casos, as visitas às urgências e as hospitalizações estão a aumentar, embora nada sugira que esta estirpe específica seja a responsável por esses aumentos.

Em vez disso, os epidemiologistas pensam que o comportamento humano é o motor deste aumento. Apontam para fatores como o calor recorde que leva mais pessoas a entrar em casa para usar o ar condicionado, o que ajuda o vírus a propagar-se. As viagens de verão fazem com que as pessoas saiam dos seus círculos sociais normais, o que transporta o vírus para novas vítimas. A escola também está a regressar em muitas partes do país e, como os pais sabem, os trabalhos de casa não são a única coisa que as crianças trazem das salas de aula.

Ainda assim, há razões para ter esperança de que esta vaga de casos não seja assim tão má, diz Anne Hahn, associada de pós-doutoramento no Departamento de Epidemiologia de Doenças Microbianas da Escola de Saúde Pública de Yale.

"Estamos a partir de uma base de referência muito baixa em combinação com uma elevada imunidade da população, o que seria contra um grande aumento em breve. No entanto, ainda não se sabe o que estas novas variantes vão fazer durante o inverno", afirma.

Os níveis de vírus detectados nas águas residuais em agosto são mais ou menos os mesmos que em março, segundo dados da Biobot Analytics.

"Espero que haja infeções generalizadas e que essas infeções generalizadas sejam geralmente ligeiras", diz Dan Barouch, imunologista e virologista da Universidade de Harvard, em Boston.

"As pessoas que correm um risco elevado de contrair doenças graves têm, obviamente, de continuar a tomar precauções."

Topol diz que o reforço atualizado da covid-19, que vai ser direcionado contra a variante XBB, deve ser muito próximo das variantes que circulam atualmente, incluindo a EG.5, e espera que transmita uma forte proteção - se as agências reguladoras conseguirem levá-la às pessoas a tempo.

Os fabricantes de vacinas afirmaram que esperam ter as vacinas atualizadas prontas dentro de algumas semanas, mas a diretora dos CDC, Mandy Cohen, previu que a vacina atualizada estará disponível em outubro, uma vez que tem de ser aprovada pela Food and Drug Administration dos EUA e recomendada pelos CDC.

Isso vai ser um mês mais tarde do que os reforços que estavam disponíveis no outono passado.

"Porque é que isto está a demorar tanto tempo?", questiona Topol. "A ideia do ARNm é que se pode mudar rapidamente e, no espaço de alguns meses, o medicamento estará pronto."

Topol afirma que a vacina é particularmente importante para os idosos e para os que têm sistemas imunitários enfraquecidos porque já não têm anticorpos monoclonais eficazes para ajudar se um caso de covid-19 se tornar grave.

Não é claro porque é que o processo parece estar a ser mais lento do que no ano passado. A FDA não respondeu imediatamente a uma pergunta sobre o calendário de análise das vacinas do outono.

Topol diz que os EUA não se podem dar ao luxo de atrasar o lançamento da vacina contra a covid-19. A seguir ao EG.5, há uma série de variantes com ajustes que lhes permitem ligar-se mais firmemente às células, diz ele, tornando-as ainda mais infecciosas.

O comissário está preocupado com o facto de estas poderem ter um potencial mais consequente.

"A vacina deveria ser lançada agora porque as coisas estão a acumular-se", diz . "Precisamos dela agora."

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE