O ministro dos Negócios Estrangeiros disse esta segunda-feira que já fez um rápido “exercício mental” olhando para as 36 perguntas do novo questionário do Governo a candidatos a governantes e que não tem “dúvida nenhuma” de que responderia “sem problemas”.

“Eu já fiz muito rapidamente o exercício mental olhando para as perguntas. Não tenho dúvida nenhuma de que posso responder a esse questionário sem problemas”, declarou quando questionado em Bruxelas sobre se estaria disponível a responder ao questionário recentemente criado pelo Governo, embora este se destine apenas a futuros secretários de Estado e ministros e não a governantes já em funções (apesar de Marcelo ter dito que os atuais governantes também deveriam responder).

Em declarações à imprensa à margem de uma reunião de chefes de diplomacia da União Europeia, João Gomes Cravinho também comentou a notícia da véspera da CNN Portugal de que é sócio de uma sociedade imobiliária cujo fundador, António da Silva Barão, esteve envolvido num negócio imobiliário que lesou o fundo de resolução do Novo Banco (NB) em 260 milhões de euros, considerando que associação feita é “inteiramente difamatória”.

“Queria desde já dizer que é inteiramente difamatória a associação a uma pessoa que era um antigo proprietário da empresa que foi adquirida. É uma pessoa que eu não conheço, com quem nunca tive nenhum contacto e nenhum dos sócios o conhece nem teve qualquer contacto com ele”, começou por explicar. Refira-se que a TVI / CNN Portugal nunca disseram que o fundador da empresa era sócio do ministro.

João Gomes Cravinho admitiu, por outro lado, que conhece “há muitos e muitos anos” outro sócio da empresa de gestão imobiliária Eurolocarno, Marcos Lagoa, que, segundo a CNN Portugal, já foi condenado por fraude fiscal, mas garantiu que “desconhecia qualquer problema judicial ou fiscal que pudesse ter” e sublinhou que não tem nada que ver com esses problemas.

“A partir de 2015 efetivamente tornei-me sócio desta empresa, nunca tive nenhuma responsabilidade de gestão, e venho a saber ontem [domingo] que aparentemente um dos sócios teve problemas de natureza fiscal. Desconhecia por inteiro, mas quero sublinhar que esses problemas nada têm a ver com a empresa e muito menos comigo”.

“Não há qualquer tipo de ligação entre mim e eventuais problemas de natureza judicial que possam existir. A própria empresa nunca teve qualquer tipo de problema legal, tem os impostos em dia, não tem dividas à segurança social. E, desde o momento de entrada no Governo, nas sucessivas declarações ao Tribunal Constitucional, declarei ter uma participação de 20%, e não maioritária, como inicialmente se disse”, completou João Gomes Cravinho.

/ HCL