Supremo reduz pena a ama de Aveiro que abanou bebé causando-lhe lesões - TVI

Supremo reduz pena a ama de Aveiro que abanou bebé causando-lhe lesões

  • Agência Lusa
  • DF
  • 3 mar 2023, 15:55
Mulher e bebé

Arguida foi também condenada ao pagamento de uma indemnização de 21.175 euros aos pais da vítima

Relacionados

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) reduziu em meio ano de prisão a pena aplicada a uma ama residente em Aveiro por abanar um bebé de oito meses, que estava entregue à sua guarda, causando-lhe lesões intracranianas.

O acórdão, datado de 12 de janeiro e consultado hoje pela Lusa, concedeu provimento parcial ao recurso interposto pela arguida.

A mulher foi absolvida no Tribunal de Aveiro por um crime de ofensa à integridade física qualificada, tendo sido condenada pelo Tribunal da Relação, em abril de 2022, na pena de dois anos e meio de prisão suspensa pelo mesmo crime.

Além da pena de prisão, a arguida foi condenada ao pagamento de uma indemnização de 21.175 euros aos pais do bebé.

Inconformada com a decisão, a arguida recorreu para o STJ, que considerou “adequado, justo e proporcional” reduzir a pena aplicada à arguida para dois anos de prisão suspensa, mantendo o decidido no acórdão recorrido quanto ao pedido de indemnização civil.

Os factos ocorreram em 02 de julho de 2020, na residência da arguida, que exercia a atividade remunerada de ama, tendo na altura ao seu cuidado cinco crianças, com idades entre os 5 e os 10 anos, e um bebé, de oito meses.

O acórdão refere que a arguida agarrou no corpo do bebé, que se encontrava a chorar e aparentava estar com dificuldades em respirar, e “abanou-o, com força e de forma repetida, em movimentos direcionados para a frente e para trás, deixando-o inanimado e sem qualquer reação”.

A arguida contactou depois a mãe do menor, dizendo-lhe que ele “estava muito mal” e, quando esta chegou à sua residência, poucos minutos depois, viu o filho “deitado no chão, sobre uma almofada, na posição de decúbito lateral direito, com um desvio no olhar”.

A criança foi transportada para o Centro Hospitalar do Baixo Vouga, tendo sido depois transferida para a unidade de Cuidados Intensivos do Hospital Pediátrico de Coimbra, onde foi sujeita a exames, tendo-lhe sido detetadas “lesões hemorrágicas múltiplas e em vários estádios”.

A mulher foi detida pela Polícia Judiciária (PJ) a 20 de julho de 2020. Na ocasião, a PJ referiu que os exames clínicos realizados durante o tempo em que o bebé esteve internado permitiram verificar "a existência de lesões em diversas fases de evolução", que terão sido infligidos pelos mau-tratos da mulher.

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE