Ela inscreveu-se para viver num navio de cruzeiro durante três anos. Eis porquê - TVI

Ela inscreveu-se para viver num navio de cruzeiro durante três anos. Eis porquê

  • CNN
  • Francesca Street
  • 30 abr 2023, 12:00
Sharon Lane inscreveu-se para viver durante três anos a bordo de um cruzeiro. Foto: Cortesia de Sharon E. Lane

Quando Sharon Lane ouviu falar de uma companhia de cruzeiros que apresentou uma viagem de três anos à volta do mundo, começou imediatamente a fantasiar com a vida a bordo

A Life at Sea Cruises está a vender lugares a bordo do MV Gemini, que parte de Istambul a 1 de Novembro numa viagem global épica que irá percorrer a maioria dos principais destinos de cruzeiros do planeta. 

Sharon Lane, de 75 anos, professora reformada do ensino secundário, da Califórnia, é uma entusiasta de viagens. Antigamente, ensinava línguas estrangeiras e adorava levar os seus alunos em viagens à Europa. Nos anos 90, mudou-se para a Cidade do Cabo, na África do Sul, para viver dois anos de aventuras. 

Mais recentemente, Lane converteu-se aos cruzeiros – não só pelas oportunidades que lhe proporcionam para ver o mundo, mas porque a sensação de estar à deriva no mar é uma das suas sensações favoritas. 

"Na verdade, prefiro os dias no oceano, quando estamos apenas a navegar ou a atravessar os oceanos, isso emociona-me", diz Lane à CNN Travel. 

Embora o sonho de Lane seja viver a tempo inteiro num navio de cruzeiro, o custo elevado foi sempre um obstáculo. Mas, quando Lane ouviu falar da viagem de três anos através de um amigo, numa chamada de sexta-feira à noite pelo Zoom, desligou e passou o resto da noite a pesquisar e a fazer contas. 

Os quartos mais baratos do MV Gemini custam cerca de 28 mil euros por ano, incluindo um desconto para quem viaja sozinho. Lane calculou que esse custo era viável e decidiu mergulhar de cabeça. 

"À meia-noite daquela noite, já tinha pesquisado o suficiente para reservar um quarto", diz ela. 

Agora, Lane está ocupada a preparar a partida do MV Gemini em Novembro. Está a vender a maior parte dos seus bens, a denunciar o seu contrato de arrendamento e a preparar-se para um longo período no mar. 

"A logística é uma loucura", diz Lane. "É um salto de fé, mas sei que haverá um lugar aqui quando eu voltar. Ou talvez acabe por viver noutro país. Não sei, o céu é o limite." 

Preparar-se para uma nova vida

Sharon Lane vai viver durante três anos a bordo do MV Gemini, na imagem. Foto: Life at Sea Cruises

Lane optou por um dos camarotes mais baratos a bordo – aquilo a que a Life at Sea Cruises chama um quarto "Virtual Inside". A cabine de 12 metros quadrados não tem janela, mas foi prometido aos hóspedes um ecrã que transmitirá imagens em direto do exterior do navio. 

"Mostra literalmente o que veria do lado de fora da sua janela se tivesse uma", diz Lane. "E isso é suficiente para mim, é mesmo." 

Lane insiste que a perspetiva de viver três anos num quarto sem luz natural não é assustadora. Planeia tratar a cabine como um quarto – vai dormir lá, mas não vai lá passar muito tempo. Durante o dia, relaxará noutro local do navio, passeando e apreciando as vistas do oceano, ou estará ocupada com excursões emocionantes. 

Embora planeie vender "95% dos seus bens" antes de zarpar, Lane diz que vai levar consigo algumas fotografias de família para personalizar a cabine. Tem uma fotografia favorita dos seus netos, agora adultos, quando eram crianças e ela os levou numa viagem de observação de baleias. 

"Mando plastificar e levo ímanes e coloco na minha porta por duas razões", diz Lane. "Uma delas é que posso ver as caras deles sempre que entro, o que é sempre divertido, e a outra razão é que é muito fácil saber qual é a sua porta, porque tem os seus netos a sorrir." 

Lane ainda não disse à filha ou aos netos que vai embarcar no cruzeiro. "Não quero que eles tentem dissuadir-me", diz ela. Pensa que eles apoiarão a sua decisão, mas três anos é muito tempo, e é provável que não veja muitos dos seus entes queridos em terra enquanto estiver a circum-navegar o mundo. 

Mas Lane está ansiosa por fazer videochamadas com a família e amigos a partir de locais distantes – e está entusiasmada por estabelecer novas ligações a bordo. Ela ouviu dizer que haverá muitos viajantes solitários na viagem e acha que eles estarão ansiosos por socializar. De facto, a companhia de cruzeiros já estabeleceu contacto entre muitos dos hóspedes através de uma aplicação, diz Lane, e "já é divertido". 

"Já nos conhecemos uns aos outros – já nos voluntariámos para nos ajudarmos nas coisas e darmos ideias uns aos outros, respondermos a perguntas e fazermos planos. Já está a ser divertido". 

Lane é uma feliz solteira há muito tempo e rejeita a ideia de que possa encontrar um romance a bordo. 

"Isso não vai acontecer. Está completamente fora da minha cabeça. Não tenho qualquer interesse. Quero fazer amigos", diz. 

Além disso, quando estava a tomar a decisão de reservar o cruzeiro de três anos, deu por si a agradecer ainda mais a sua independência – falou com pessoas que disseram que queriam inscrever-se, mas que o seu parceiro ou cônjuge não estava interessado, por isso não iria acontecer. 

"Eu não tenho isso", diz. "Posso ficar em casa se quiser. Posso ir a qualquer lado se quiser. A única coisa que me impede de fazer coisas é a saúde. Desde que controle isso, estou bem." 

Lane sofre de um problema de saúde nos pulmões que, segundo ela, a torna mais suscetível aos efeitos da covid-19 e de outros vírus respiratórios. Raramente sai de casa, quanto mais de férias, desde que a pandemia se instalou. 

Mas em vez de ficar apreensiva com o embarque num cruzeiro, Lane sugere que estará mais confortável a bordo do que em terra – ela está confiante nas medidas de covid do cruzeiro e nas instalações médicas disponíveis a bordo, e também planeia tomar as suas próprias precauções. 

"Quando estiver no navio, quando estiver em qualquer sítio onde haja outras pessoas, usarei uma máscara N95, uma máscara cirúrgica e óculos de proteção", diz. 

Lane não vai desembarcar do navio em certos destinos, como a Antártida, onde o ar frio pode afetar os seus pulmões. Mas está muito entusiasmada com grande parte do itinerário do navio, incluindo paragens na Escócia e na Irlanda, locais de onde acredita que os seus antepassados são originários, mas que nunca visitou. 

Vida a bordo

Ilustração de uma das piscinas a bordo do MV Gemini. Sharon Lane diz que vai passar o dia todo fora do quarto. Imagem: Life at Sea Cruises

No total, o MV Gemini fará escala em 375 portos ao longo da sua viagem de três anos, dos quais 208 incluem dormidas. O navio fará paragens em todo o lado, da Índia à China, das Maldivas à Austrália, com algumas escalas de várias noites. 

Lane está entusiasmada por ver o globo e contente por os viajantes terem tempo para absorver cada destino, mas acha que vai passar mais tempo a bordo do navio do que muitos dos seus companheiros de viagem. 

"A mim, o que me atrai é o oceano", diz. "O próprio navio no oceano, isso é o que interessa." 

Lane planeia escrever no seu blogue a sua experiência – "o meu objetivo é escrever algo todos os dias", diz. Ela espera que o blogue, que escreve sob um pseudónimo, lhe permita saborear a viagem e partilhar as suas aventuras com os seus entes queridos e com estranhos. 

Lane espera que as suas expedições possam inspirar outras pessoas a correrem riscos e a saírem da sua zona de conforto. Ela ainda lamenta os anos que passou na meia-idade, adiando as viagens. 

"Acho que estava sempre à espera da altura perfeita para ir, quando tudo estivesse bem na vida, quando o dinheiro fosse certo, quando os compromissos estivessem resolvidos, quando outras pessoas quisessem ir", diz ela. 

"Não fique em casa", encoraja. "A casa pode ser onde está o coração, a casa pode ser onde se pendura o chapéu – pendure o chapéu e depois entre no barco, no avião, no carro, vá a algum lado." 

Continue a ler esta notícia