"Há zonas onde as populações estão mais expostas a situações, enfim, que lhes dão um sentimento de insegurança": Montenegro quer "mais regulação" da imigração - TVI

"Há zonas onde as populações estão mais expostas a situações, enfim, que lhes dão um sentimento de insegurança": Montenegro quer "mais regulação" da imigração

  • Agência Lusa
  • DCT
  • 27 fev, 13:36
Luís Montenegro em Lamego (Lusa)

Luís Montenegro pede ainda uma "integração mais efetiva"

O presidente do PSD, Luís Montenegro, disse esta terça-feira que situações a que chama imigração "não integrada", em condições "pouco dignas", criam um sentimento de insegurança que deve ser combatido. Nesse sentido, diz, defendem mais regulação e integração.

"É preciso regulação e é preciso que isso depois se expresse numa política de integração mais efetiva, para nomeadamente não criar zonas de insegurança, zonas onde as populações estão mais expostas a situações, enfim, que lhes dão um sentimento de insegurança que nós devemos obviar", defendeu o presidente do PSD, em declarações aos jornalistas em Elvas, no distrito de Portalegre.

Luís Montenegro, que falava durante uma visita à Cersul – Agrupamento de Produtores de Cereais do Sul inserida na campanha da Aliança Democrática (AD), foi questionado se concorda com o ex-primeiro-ministro e antigo presidente do PSD Pedro Passos Coelho, que na segunda-feira associou a imigração à insegurança.

"Eu admito que há algumas realidades que não são benéficas, porque não tratam da dignidade das pessoas, se nós tivermos as pessoas acomodadas e exploradas como acontece em algumas zonas", respondeu.

Luís Montenegro deu como exemplo "um episódio fatal em que duas pessoas morreram em Lisboa" e se constatou que "mais ou menos vinte pessoas" viviam "num espaço exíguo".

"Esse tipo de situação acaba por traduzir-se numa instabilidade tal dessas pessoas que, aos olhos de todos, nós tememos pela nossa segurança. É normal que isso aconteça", considerou.

"Eu não estou a dizer que as pessoas vêm do estrangeiro para Portugal têm essa tendência para criar problemas, mas criam um sentimento, quando não são bem integradas, e esse sentimento tem de ser combatido, como é evidente", acrescentou.

Continue a ler esta notícia