Marta Temido diz que oposição não precisa de ajuda para ser detonada - TVI

Marta Temido diz que oposição não precisa de ajuda para ser detonada

  • Agência Lusa
  • PP
  • 30 mai, 14:05

Ao quarto dia de campanha, a antiga ministra da saúde visitou o Parque Mineiro de Aljustrel e, a cerca de 30 metros de profundidade, simulou uma detonação. Também se juntou a um grupo de mulheres para cantar

A cabeça de lista do PS às eleições europeias, Marta Temido, considerou esta quinta-feira que a oposição não precisa de ajuda para ser detonada e escusou-se a responder aos seus opositores “porque o foco é a Europa”.

Ao quarto dia de campanha, a antiga ministra da saúde visitou o Parque Mineiro de Aljustrel e, a cerca de 30 metros de profundidade, simulou uma detonação.

“Detonar a oposição? Eu quase diria que não precisa de ajuda, isso parece-me bastante evidente. Relativamente a abrir caminho, é preciso abrir caminho para Bruxelas, mas com sentido: o sentido de afirmar Portugal, de fazer um caminho difícil que tem de ser feito e que ninguém vai fazer por nós”, afirmou.

Depois de questionada por jornalistas, garantiu não simbolizar uma resposta aos ataques da oposição.

“Não respondo, por duas razões: primeiro porque o que nos interessa é falar da Europa e dos nossos projetos políticos. Tenho a certeza que o candidato desse partido da oposição, da AD, mas também os outros candidatos concordam comigo, e é disso que vamos falar”, justificou.

No seu entender, é aos eleitores que deve responder, deixando a garantia de que não contarão consigo para “continuar nessa linha”.

“Não me interessa discutir candidatos, nem me interessa discutir outra coisa que não seja a Europa, que não sejam as nossas diferentes perspetivas sobre a Europa. Podemos falar de direitos fundamentais, que é um tema de clara divisão, ninguém ignora isso, mas há outros temas igualmente importantes”, sustentou.

Entre eles destacou os temas sociais, trabalho, ambiente, indústria e desenvolvimento.

As Minas de Aljustrel, também conhecidas como Complexo Mineiro de Aljustrel, consistem num conjunto de explorações mineiras, que contam com mais de 1.200 postos de trabalho diretos.

A parte que Marta Temida visitou durante a manhã encontra-se desativada e preparada para ser visitada, recriando o fundo de mina.

Continue a ler esta notícia