Juros dos depósitos a prazo caem pela primeira vez em cadeia em 16 meses - TVI

Juros dos depósitos a prazo caem pela primeira vez em cadeia em 16 meses

  • Agência Lusa
  • AM
  • 4 mar, 11:50
Governador do Banco de Portugal, Mário Centeno

No primeiro mês deste ano, o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 9.588 milhões de euros

Relacionados

A remuneração dos novos depósitos a prazo dos particulares foi em janeiro de 2,9%, menos 0,18 pontos percentuais que em dezembro de 2023, sendo a primeira redução em cadeia desde setembro de 2022.

Segundo dados do Banco de Portugal (BdP), a taxa de juro média dos novos depósitos a prazo de particulares subiu de 0,56% em janeiro de 2023, para 2,9% em janeiro de 2024, um salto de 2,34 pontos percentuais (p.p.).

Este recuo em cadeia volta a afastar a remuneração pelos bancos portugueses da média dos países do Euro, que em janeiro foi de 3,20%.

O bloco de países também registou uma redução em cadeia, ainda que menor, passando de 3,29% em dezembro, para 3,20% em janeiro.

No primeiro mês deste ano, o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 9.588 milhões de euros, mais 34 euros face a dezembro e mais 3.861 milhões de euros em termos homólogos.

Por prazos, a taxa de juro média dos novos depósitos com prazo até um ano baixou 0,18 p.p. em janeiro face a dezembro, para 2,92%. Apesar da redução, “esta foi a classe de prazo que apresentou a remuneração média mais elevada e representou 97% dos novos depósitos em janeiro de 2024”, aponta o BdP.

Já a remuneração média dos novos depósitos com prazo acordado a mais de dois anos baixou em cadeia para 2,12% (contra 2,17%), ao passo que entre um e dois anos houve um aumento de 0,01 p.p., para 2,65%.

Junto das empresas, a remuneração média para depósitos a prazo passou de 3,46% em dezembro, para 3,42% em janeiro, tendo os novos depósitos somado 7.558 milhões de euros (mais 22 milhões, em cadeia).

Em 2023, os lucros agregados dos quatro maiores bancos privados a operar em Portugal cresceram 81,9% face a 2022, para 3.153 milhões de euros. A margem financeira, que diz respeito à diferença entre juros pagos nos depósitos e os juros cobrados nos créditos, destes bancos atingiu os 6.408 milhões de euros, subindo 55,6% face ao ano anterior.

Continue a ler esta notícia

Relacionados