Desemprego está a crescer e há dois setores que estão a preocupar mais - TVI

Desemprego está a crescer e há dois setores que estão a preocupar mais

  • ECO - Parceiro CNN Portugal
  • Mariana Espírito Santo
  • 2 mar 2023, 11:24
Baixa de Lisboa, turismo, pessoas. Foto: Jorge Mantilla/NurPhoto via Getty Images

O desemprego tem vindo a subir nos últimos meses, tendo atingido uma taxa de 7,1%. Os setores da construção e imobiliário destacam-se, enquanto as ofertas na Administração Pública sobem

Relacionados

Depois de mostrar resiliência na recuperação da pandemia e com a chegada da guerra na Ucrânia, o mercado de trabalho começa a dar sinais de abrandamento. O desemprego em Portugal aumentou três meses consecutivos, com destaque para os setores da construção e imobiliário. Por outro lado, ainda há alguma oferta de emprego na Administração Pública e alojamento e restauração.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumentou 4,9% em janeiro em relação ao mês anterior. Foi o sexto mês consecutivo de crescimento no desemprego registado em Portugal em cadeia (desde julho de 2022) e um aumento absoluto de 15.081 desempregados, para um total de 322.086. Em termos homólogos, porém, regista-se uma queda de 9,5%.

Quanto à atividade económica que os novos desempregados exploravam, dos 277.825 que, no final de janeiro de 2023, estavam inscritos como candidatos a novo emprego apenas em Portugal Continental, 73,1% trabalhavam no setor dos “serviços” (destacando-se as “atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio”). Seguiam-se trabalhadores do setor “secundário” (19,3%), onde se destaca a “construção” e, por último, e o setor “agrícola” (ao qual pertenciam 5% dos novos desempregados).

O número de desempregados vindos do setor imobiliário aumentou em 4.579 em janeiro, face ao mês anterior, enquanto na construção se registaram mais 742 desempregados nos centros do IEFP.

Segundo dados do INE de dezembro, os custos da mão-de-obra aumentou 6,1% face a dezembro de 2022. Mesmo com o desemprego registado nesta área, são de salientar as queixas de falta de mão-de-obra por parte dos setores da construção, que estão a ser colmatadas com recurso à tecnologia.

Em declarações ao ECO, o líder da AICCOPN admite que a falta de mão-de-obra tem sido “um dos principais constrangimentos” à atividade, mas contrapõe que está “em curso uma verdadeira revolução digital e tecnológica”. Tal surge na forma de um “investimento considerável em inovação”, através de novos processos construtivos, utilização de novos materiais e construção off-site e modular.

Entretanto, esta quarta-feira saíram também dados do INE que indicam que a taxa de desemprego subiu para 7,1% em janeiro, atingindo um máximo de mais de dois anos. Foi o terceiro mês consecutivo de subida da taxa, sendo que o valor de janeiro de 2023 foi o mais elevado desde novembro de 2020 (onde se registou 7,3%).

População desempregada e taxa de desemprego

Estas estimativas não contemplam ainda a distribuição por setores de atividade, mas ajudam já a perceber que o mercado laboral está a acusar sinais de pressão, como assumiu o Presidente da República. A subida é “um sinal de alerta”, admitiu esta quarta-feira, nomeadamente numa altura em que a economia internacional ainda está a ter uma recuperação “lenta”.

Já os dados trimestrais do INE referentes ao final do ano passado mostram que o número de profissionais nos serviços recuou de 3,56 milhões no terceiro trimestre para 3,54 milhões no quarto.

O Millennium BCP notou também, numa nota de conjuntura de fevereiro, que a desaceleração do emprego no final do ano passado “foi especialmente notória no setor dos serviços, em particular no comércio a retalho”. “No atual quadro de elevada incerteza quanto ao andamento da procura global e de agravamento dos custos de financiamento das empresas, é expectável que estes sinais de deterioração do mercado de trabalho se intensifiquem em 2023”, alertavam.

Turismo e Administração Pública estão a criar emprego

Já entre os setores que estão a oferecer emprego encontra-se o alojamento e restauração e a Administração Pública. Este último setor, que engloba também a educação e atividades de saúde, regista o maior aumento no número de ofertas face a janeiro do ano passado. A dominar as ofertas está o setor imobiliário, mas é numa dimensão muito inferior ao mesmo período do ano passado.

“As atividades económicas com maior expressão nas ofertas de emprego recebidas ao longo deste mês (dados do continente), por ordem decrescente, foram as seguintes: as “atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio” (24,4%), o “alojamento, restauração e similares” (12,3%) e a “Administração Pública, educação, atividades de saúde e apoio social (9,8%)”, informa o IEFP. Recorde-se que o Estado tem vindo a lançar vários concursos de recrutamento não só na saúde, mas também em áreas mais técnicas como a informática para, por exemplo, ajudar a implementar o Plano de Recuperação e Resiliências. Aliás, a necessidade de acelerar a execução dos fundos europeus tem levado ao reforço de vários organismos do Estado, como anunciou a ministra Mariana Vieira da Silva.

As atividades ligadas ao turismo estão assim a registar várias ofertas, sendo um setor que tem também avançado com várias queixas da falta de mão-de-obra e que tem pressionado para se acelerar a entrada de imigrantes que possam ajudar a suprir as falhas. Num comentário aos números do desemprego desta quarta-feira, o Presidente da República salientou também que o turismo já estava a recuperar, mas que se vai ainda verificar um aumento do nível de atividade.

O IEFP indica ainda que “as colocações realizadas durante o mês de janeiro de 2023 totalizaram 7.525 em todo o país“, número “inferior ao verificado em igual período de 2022 (-996; -11,7%) e superior ao mês anterior (+2.019; +36,7%)”.

Olhando para os dados do INE, o setor que registou um maior aumento homólogo da população empregada no último trimestre do ano passado foi indústria, construção, energia e água. Por outro lado, na agricultura verificou-se uma queda ligeira e nos serviços um recuo mais pronunciado. O INE nota que para a variação homóloga da população empregada contribuíram os acréscimos “nos empregados no setor da indústria, construção, energia e água (54,7 mil; 4,7%), nomeadamente nas atividades das indústrias transformadoras (43,7 mil; 5,5%), cujo aumento representou 79,9% da variação do setor”.

Apesar de aqui a construção contribuir para o emprego, a categorização do INE inclui também a indústria, que acaba por dificultar a análise. Quando olhamos para os dados desagregados e mais recentes do IEFP, verifica-se que se registaram vários novos desempregados neste setor.

Continue a ler esta notícia

Relacionados