Detetor de metais encontra tesouro com 2.000 anos - TVI

Detetor de metais encontra tesouro com 2.000 anos

  • CNN
  • Amarachi Orie
  • 19 ago 2023, 09:00
Moedas de ouro da Idade do Ferro. Cortesia Amgueddfa Cymru/Museum Wales

O desenho elaborado das moedas de ouro deriva das moedas de Filipe II da Macedónia, que governou o antigo reino da Macedónia de 359 a.C. a 336 a.C

Relacionados

Moedas de ouro com mais de 2.000 anos foram encontradas por detetores de metais no País de Gales, o que faz delas o primeiro tesouro de moedas de ouro da Idade do Ferro descoberto no país.

As 15 moedas foram encontradas na ilha galesa de Anglesey, ao largo da costa noroeste do continente galês.

Cunhadas entre 60 a.C. e 20 a.C., as moedas pertenciam à tribo Corieltavi, que na altura habitava a área geográfica que é atualmente a East Midlands de Inglaterra, de acordo com um comunicado de imprensa do Museum Wales, Museu Nacional do País de Gales.

O tesouro foi descoberto por três detetores de metais num campo entre julho de 2021 e março de 2022.

Lloyd Roberts, que tem um detetor de metais há mais de 14 anos, encontrou a primeira moeda.

"Encontrar uma moeda de ouro sempre foi o desejo número um na minha lista. Só essa moeda já teria feito o meu ano, mas acabei por encontrar outra no sinal seguinte", contou.

As moedas de ouro pertenciam à tribo Corieltavi, que habitou a área geográfica que é atualmente a East Midlands de Inglaterra durante o final da Idade do Ferro. Cortesia Amgueddfa Cymru/Museum Wales

Roberts disse que o seu amigo, Peter Cockton, encontrou as três seguintes. Contactaram então o Portable Antiquities Scheme, uma organização que regista estes achados históricos e arqueológicos.

Tim Watson, que só começou a detetar metais depois de ter sido encorajado pelo pai durante o confinamento, encontrou a sexta.

"Corri para casa para mostrar à minha mulher e ficámos ambos maravilhados com esta moeda, que não se assemelhava a nada que eu tivesse encontrado, imaculadamente preservada com imagens estilizadas tão invulgares", descreveu Watson.

O entusiasmo levou Watson a melhorar o seu detetor de metais, tendo encontrado as restantes nove moedas nas semanas seguintes.

"Rica paisagem arqueológica"

O desenho elaborado das moedas de ouro deriva das moedas de Filipe II da Macedónia, que governou o antigo reino da Macedónia de 359 a.C. a 336 a.C. O lado da cara mostra a divindade mitológica Apolo, enquanto o lado da coroa mostra um cavalo com cabeça triangular rodeado de símbolos.

De acordo com um comunicado divulgado, as moedas não seriam utilizadas para transações quotidianas, exceto, potencialmente, para algumas compras de elevado valor. Em vez disso, pensa-se que as moedas eram usadas como presentes entre as elites para garantir alianças ou mostrar lealdade.

O desenho elaborado das moedas de ouro deriva das moedas de Filipe II da Macedónia. Cortesia Amgueddfa Cymru/Museum Wales

Uma outra hipótese é que a tribo Corieltavi as tenha utilizado como parte de uma troca por cobre, que existia em várias partes da ilha.

Segundo o Museu Nacional do País de Gales, podem também ter sido utilizadas como "oferendas aos deuses" para cumprir um voto. Outros achados arqueológicos de Anglesey, bem como fontes romanas que se referem à ilha e que apresentam sacerdotes pagãos, sugerem que a área era um importante centro religioso na altura.

O Gwynedd Archaeological Trust visitou o local em setembro de 2021 para ver se havia alguma pista sobre o motivo pelo qual as moedas estavam enterradas ali.

"Este tesouro é um exemplo fantástico da rica paisagem arqueológica que existe no noroeste do País de Gales", disse Sean Derby, arqueólogo do Gwynedd Archaeological Trust. "Embora a vizinhança imediata do achado não tenha fornecido quaisquer pistas quanto à sua origem, o local do achado situa-se numa área de atividade pré-histórica e romana precoce conhecida e ajuda a aumentar a nossa compreensão desta região."

O museu galês Oriel Môn está a tentar adquirir as moedas e colocá-las em exposição pública.

Continue a ler esta notícia

Relacionados