Supremo Tribunal vai avaliar imunidade de Trump. Decisão atrasa ainda mais o julgamento federal - TVI

Supremo Tribunal vai avaliar imunidade de Trump. Decisão atrasa ainda mais o julgamento federal

  • CNN
  • John Fritze
  • 28 fev, 22:25
Donald Trump num comício na Carolina do Sul (EPA/RANDALL HILL)

O Supremo Tribunal  dos Estados Unidos concordou, esta quarta-feira, em decidir se Donald Trump pode reclamar imunidade no caso de subversão eleitoral movido pelo advogado especial Jack Smith, acrescentando mais um recurso do antigo presidente à sua agenda e atrasando ainda mais o julgamento federal.

O tribunal concordou em acelerar o processo e ouvir os argumentos na semana de 22 de abril, sendo que uma outra decisão de um tribunal inferior contra Trump deve permanecer em suspenso até decidir a questão.

Esta medida coloca o favorito à nomeação presidencial republicana numa nova rota de colisão com o Supremo Tribunal, que no início deste mês ouviu argumentos num processo separado que questiona se Trump tem condições para concorrer a um segundo mandato ao abrigo da "proibição de insurreição" da 14ª Emenda, depois do que aconteceu no Capitólio em janeiro de 2021.

A decisão é uma vitória significativa para Trump, pelo menos por duas razões: o ex-presidente poderá agora argumentar a favor de uma imunidade presidencial abrangente que, se concedida, poderia minar o conjunto de casos judiciais que enfrenta e também poderá adiar um julgamento, provavelmente por várias semanas, pelo menos.

Se os juízes tivessem rejeitado o pedido de emergência de Trump para suspender o processo, Smith teria podido avançar mais rapidamente - praticamente garantindo um julgamento antes das eleições de novembro.

O tribunal esperou quase duas semanas para se pronunciar sobre a forma como iria proceder, o que sugere que houve manobras de bastidores, explica Steve Vladeck, analista da CNN e professor na Faculdade de Direito da Universidade do Texas.

"A surpresa é que o tribunal levou quase duas semanas para chegar a este resultado, do qual nenhum juiz discordou publicamente", diz Vladeck. "Os juízes não conseguiram chegar a um consenso sobre uma forma de resolver a questão sem lhe darem instruções e argumentos completos."

"É difícil saber se isso torna mais provável que o tribunal fique do lado do ex-presidente Trump quando finalmente foir decidido o recurso de imunidade, mas certamente significa que, mesmo no pior cenário para Trump, a acusação de 6 de janeiro será adiada por pelo menos mais três, cinco meses. É uma grande vitória para Trump, mesmo que acabe por perder este caso", acrescenta Vladeck.

Trump apresentou um pedido de emergência ao Supremo Tribunal a 12 de fevereiro, solicitando aos juízes que bloqueassem uma decisão de um tribunal de primeira instância segundo a qual não estava imune às acusações de subversão eleitoral feitas por Smith. O antigo presidente argumentou que a imunidade era necessária para garantir que os futuros presidentes não fossem sujeitos a acusações criminais. Sem essa garantia, disse, "a presidência tal como a conhecemos deixará de existir".

Mas esse argumento não foi aceitenos tribunais inferiores. Um parecer unânime de 57 páginas do Circuito de Washington D. C. no início deste mês rejeitou os pedidos de imunidade. Trump e Smith apresentaram um dossier no Supremo Tribunal sobre se a decisão deveria ser suspensa.

O advogado contra-argumentou no seu próprio processo, a 14 de fevereiro, que Trump não estava perto de cumprir os requisitos necessários para suspender o processo.

A juíza distrital dos EUA, Tanya Chutkan, adiou a data do primeiro julgamento, originalmente marcado para 4 de março, enquanto os tribunais de recurso se debatiam com as alegações de Trump. No entanto, tendo em conta os atrasos já registados, é provável que o julgamento não comece antes de maio, na melhor das hipóteses.

Continue a ler esta notícia