"Interferência eleitoral. Nunca se render!" Trump volta ao X para publicar fotografia tirada na prisão - TVI

"Interferência eleitoral. Nunca se render!" Trump volta ao X para publicar fotografia tirada na prisão

  • Agência Lusa
  • AM
  • 25 ago 2023, 07:05
Mugshot de Donald Trump (CNN)

Conta do ex-chefe de Estado foi restabelecida em novembro, logo depois de Elon Musk ter assumido o controlo da empresa

Relacionados

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump usou a rede social X (antigo Twitter) na quinta-feira, a primeira vez desde 2021, para publicar a histórica fotografia tirada poucas horas antes numa prisão de Atlanta.

O ex-chefe de Estado não publicava uma mensagem naquela que era a sua rede social de eleição, desde janeiro de 2021, quando o Twitter suspendeu a conta do político indefinidamente, alguns dias depois do ataque ao Congresso norte-americano, cometido por apoiantes.

Trump publicou a fotografia e escreveu: "Interferência eleitoral. Nunca se render!", juntamente com uma ligação para a sua página na internet.

A conta do ex-chefe de Estado foi restabelecida em novembro, logo depois de Elon Musk ter assumido o controlo da empresa.

A mensagem representa o regresso de Trump àquela que foi durante muito tempo a plataforma de comunicação mais importante, usada para dominar os rivais nas primárias de 2016 e comandar o ciclo de notícias durante anos.

Trump, que pretende recandidatar-se à Casa Branca em 2024, tem 86,5 milhões de seguidores, superando os rivais à nomeação nas primárias republicanas.

Na quinta-feira, o ex-presidente entregou-se às autoridades do estado da Geórgia, onde é acusado de tentar falsificar os resultados eleitorais de 2020, na quarta acusação criminal que enfrenta.

Trump dirigiu-se à prisão de Fulton, na cidade norte-americana de Atlanta, para tirar as impressões digitais e a referida fotografia, que vai constar no processo judicial.

Esta foi a primeira vez que um ex-presidente norte-americano tirou uma fotografia em contexto policial, as chamadas 'mug shot'.

O magnata Republicano foi libertado 20 minutos depois, sob pagamento de uma fiança de 200 mil dólares (185 mil euros).

As condições da fiança proíbem-no de intimidar corréus, testemunhas ou vítimas do caso, inclusive nas redes sociais. O Republicano tem um histórico de atacar os procuradores que lideram os casos contra si, incluindo a procuradora distrital responsável por este caso, Fani Willis.

Esta acusação é o quarto processo criminal contra Trump desde março, quando se tornou o primeiro ex-Presidente na história dos Estados Unidos a ser acusado.

Continue a ler esta notícia

Relacionados