Maioria dos jovens continua a estudar depois do secundário, mas não do profissional - TVI

Maioria dos jovens continua a estudar depois do secundário, mas não do profissional

  • Agência Lusa
  • DCT
  • 12 set 2023, 10:17
Escola

De acordo com o relatório da OCDE, “8,1% dos jovens adultos que frequentaram o ensino secundário profissional estão desempregados, comprando com 8,4% daqueles com ensino secundário regular”.

A maioria dos jovens portugueses continua a estudar após concluir o ensino secundário, mas não se tiverem frequentado o ensino profissional, preferindo nesse caso seguir diretamente para o mercado de trabalho.

As conclusões constam do relatório 'Education at a Glance 2023', publicado esta terça-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que traça o retrato do ensino, do pré-escolar ao superior, em 48 países.

Olhando para a situação dos jovens após concluírem o ensino secundário, o relatório revela que 80% dos graduados no ensino regular continua a estudar, uma opção que é seguida por apenas 18% dos alunos que frequentaram o ensino profissional.

A maioria dos estudantes do ensino profissional optam por seguir diretamente para o mercado de trabalho e, de acordo com as conclusões do relatório, que este ano destaca o ensino e formação vocacionais, uma “educação profissional de elevada qualidade pode facilitar a transição da escola para o trabalho”.

Em linha com a tendência geral, também em Portugal os jovens que frequentaram o ensino profissional parecem ter mais facilidade em arranjar emprego quando chegam ao mercado de trabalho, comparando com os colegas que concluíram o secundário no chamado ensino regular ou que são detentores de cursos de nível pós-secundário não superior, como os cursos de especialização tecnológica.

De acordo com o relatório, “8,1% dos jovens adultos que frequentaram o ensino secundário profissional estão desempregados, comprando com 8,4% daqueles com ensino secundário regular”.

Na comparação entre as duas vias de ensino, o relatório refere ainda que enquanto 86% dos alunos do ensino regular conseguem concluir o curso até dois anos após a duração prevista, ou seja, em cinco anos, só 69% é que cumprem o mesmo feito no ensino profissional, sendo que muitos, ao final de cinco anos, acabam por desistir.

Ainda assim, e apesar de cada vez mais alunos escolherem esta via de ensino, Portugal continua a ter poucos jovens a frequentar programas vocacionais (cerca de 39% em 2021), cinco pontos percentuais abaixo da média da OCDE, sendo que a esmagadora maioria está no ensino profissional.

Comparando com a média, Portugal posiciona-se ainda mais abaixo no que respeita à percentagem de jovens, entre os 25 e 34 anos, cujo nível de qualificações mais elevado está relacionado com a formação ou ensino vocacionais.

Enquanto o nível de ensino mais elevado de cerca de 30% dos jovens da OCDE tem orientação profissional, em Portugal essa percentagem é de apenas 21%, estando entre as mais baixas, à frente apenas de outros 10 países.

É na Áustria que a formação e educação vocacionais parecem ser mais valorizadas, uma vez que as qualificações de pouco mais de metade dos jovens têm orientação profissional.

Continue a ler esta notícia