“Maioria significativa” dos obrigacionistas aceita condições da Efacec - TVI

“Maioria significativa” dos obrigacionistas aceita condições da Efacec

  • ECO - Parceiro CNN Portugal
  • Mónica Silvares
  • 11 set 2023, 13:13
Efacec

Foi alcançado um acordo com uma "maioria significativa" dos obrigacionistas quanto a uma revisão da proposta de alteração dos termos e condições das obrigações.

Amenos de 24 horas da assembleia-geral de obrigacionistas, que estava convocada para esta terça-feira, a Efacec anunciou o cancelamento deste encontro por ter sido “alcançado um acordo com uma maioria significativa dos obrigacionistas” sobre a proposta revista que iria ser analisada nesta reunião. Em cima da mesa estava um corte de 50% da dívida detida pelos obrigacionistas, mas não foram avançados os detalhes do acordo.

“O pedido de cancelamento realizado pela Efacec resulta do facto de ter sido alcançado um acordo com uma maioria significativa dos obrigacionistas quanto a uma revisão da proposta de alteração dos termos e condições das obrigações, que deveria ser votada na Assembleia, em termos mais favoráveis para os obrigacionistas, o que torna a ordem de trabalhos da Assembleia desatualizada”, lê-se num comunicado publicado no site da empresa.

Na semana passada, questionado no Porto sobre o dossiê da reprivatização da Efacec, o ministro da Economia, António Costa Silva, antecipou que as negociações iriam “chegar a bom porto”. “Acho que há uma compreensão generalizada de todos os intervenientes do processo de que todos temos de fazer a nossa parte. Temos conversado com todos os atores e o que posso assegurar é que muito provavelmente poderemos ter um desfecho positivo. Espero sinceramente que isso aconteça, em benefício da economia nacional”, resumiu.

Como o ECO noticiou, a proposta do fundo alemão Mutares pressupõe uma perda para o Estado de, pelo menos, 112,8 milhões de euros que injetou na empresa, com a Parpública a aceitar a perda total deste montante e os bancos 80% da dívida. Já aos obrigacionistas era pedido um corte de 50% e é nas suas mãos que reside o futuro deste negócio. No total, a proposta da Mutares tem subjacente um perdão de dívida de quase 182 milhões de euros.

(Notícia em atualização)

Continue a ler esta notícia