ESPIARAM A MINHA CAMPANHA!!! (Trump, o caos porvir) - TVI

ESPIARAM A MINHA CAMPANHA!!! (Trump, o caos porvir)

  • CNN
  • Stephen Collinson
  • 12 abr, 19:00
Donald Trump campanha Ohio (Jeff Dean/AP)

ANÁLISE || É impressionante a transformação do Partido Republicano por Trump: um partido que costumava louvar a vitória do Presidente Ronald Reagan sobre o Kremlin na Guerra Fria passou para um partido que muitas vezes parece estar a cumprir os objetivos da política externa do Presidente russo Vladimir Putin

Trump está a recriar a sua teia de caos no país e no estrangeiro, numa antevisão do que poderá ser um segundo mandato

análise de Stephen Collinson, CNN
 

Alguns democratas preocupam-se com o facto de os americanos terem esquecido o caos que se instalou todos os dias em que Donald Trump foi presidente e que o facto de os eleitores não se lembrarem do tumulto acabe por lhe dar um segundo mandato.

O presumível nomeado do Partido Republicano está, no entanto, a fazer um bom trabalho para avivar a memória, à medida que abre um rasto de perturbação no Congresso, na política de imigração e de segurança nacional, nos cuidados de saúde reprodutiva e nos principais tribunais do país.

Depois de ter conquistado a nomeação republicana, Trump é novamente o epicentro da controvérsia. A sua personalidade volátil, os testes de lealdade, as falsidades desenfreadas, a sede de servir os seus próprios interesses políticos e as sequelas do seu primeiro mandato estão a comprometer as tentativas de governar o país. E ainda faltam sete meses para as eleições.

Muitos dos conflitos mais intratáveis da atualidade na política dos EUA podem ser atribuídos a Trump e à agitação que é um ingrediente essencial do seu apelo político aos eleitores de base que querem que Washington e as suas regras sejam derrubadas - independentemente das consequências.

Os acontecimentos da semana que começou a 8 de abril - e dos primeiros três meses deste ano - ilustram o quanto Trump moldou o tumulto político:

. Na quarta-feira 10 de abril, o presidente da Câmara dos Representantes, Mike Johnson, sofreu outra derrota surpreendente, enfraquecendo ainda mais sua autoridade, depois de membros de extrema-direita do Partido Republicano ter bloqueado um projeto de lei para reautorizar um programa crítico de espionagem de vigilância a pedido de Trump;

. Outra medida crítica para a capacidade dos Estados Unidos de exercer o seu poder global e a sua reputação internacional - um pacote de armas de 60 mil milhões de dólares para a Ucrânia - continua a não ir a lado nenhum. A deputada Marjorie Taylor Greene, aliada de Trump, está a ameaçar derrubar Johnson se ele se atrever a aprová-la;

. Entretanto, o caos nacional está a alastrar-se na sequência da maioria conservadora do Supremo Tribunal, criada por Trump, que anulará o caso Roe v. Wade em 2022. Na última reviravolta surpreendente, o Arizona está prestes a voltar a uma proibição quase total do aborto que vem da era da Guerra Civil;

. Os esforços bipartidários para resolver uma crise na fronteira estão em frangalhos depois de os seguidores de Trump na Câmara dos Representantes, em fevereiro, terem matado o projeto de lei mais abrangente e conservador em anos. O ex-presidente parecia querer privar o Presidente Joe Biden de uma vitória eleitoral e continuar a afirmar que a América está a ser invadida por imigrantes sem documentos - aos quais chama "animais";

. Alguns dos principais tribunais do país estão a ser enredados pelos incessantes, e muitas vezes frívolos, recursos de Trump, que tenta desesperadamente adiar a vergonha de se tornar o primeiro ex-Presidente a ser julgado criminalmente. As suas publicações nas redes sociais podem estar a aproximar-se perigosamente da violação de uma ordem de mordaça, antes do início do seu julgamento por suborno, na segunda-feira 15 de abril;

. No final deste mês, o Supremo Tribunal vai debater-se com as alegações de Trump sobre o poder presidencial quase incontrolado - um enigma constitucional que nenhum outro presidente em dois séculos e meio de história americana alguma vez levantou. O processo é, em grande parte, um estratagema para atrasar o seu julgamento federal por interferência eleitoral - e está a resultar.

O envolvimento de Trump em algumas das mais intensas tempestades políticas que abalam Washington, e que se repercutem mesmo além das costas dos EUA, oferece novas provas do seu poder - manifestado através da sua capacidade de fazer com que elementos-chave do Partido Republicano se dobrem à sua vontade. Destaca a sua personalidade mercurial e um estilo político que se baseia mais no instinto do que na estratégia a longo prazo. E não deixa dúvidas de que o caos que irrompeu da Sala Oval durante a sua administração regressará a um nível ainda mais intenso se ele lá voltar em 2025.

Trump dá um golpe em Johnson - depois convida-o para Mar-a-Lago

Trump deu ordens aos seus acólitos na Câmara com as palavras "Kill FISA" na sua rede social Truth.

O antigo presidente referia-se à Lei de Vigilância de Informações Estrangeiras, que os responsáveis pela segurança nacional dizem ser fundamental para permitir que as agências de espionagem escutem as comunicações de suspeitos de terrorismo e de adversários dos EUA. Alguns desses poderes fundamentais precisam de ser reautorizados pelo Congresso até meados do mês.

Os críticos da lei, incluindo alguns grupos de defesa das liberdades civis e alguns conservadores, argumentam que a secção 702 da lei, que permite a vigilância de estrangeiros fora dos EUA, é inconstitucional porque por vezes os americanos em contacto com esses alvos são apanhados na rede. Mas Trump está empenhado em vingar-se do FBI por causa da investigação sobre os contactos entre a sua campanha de 2016 e a Rússia. Numa publicação nas redes sociais, afirmou que a FISA foi "USADA ILEGALMENTE CONTRA MIM E MUITOS OUTROS. ESPIARAM A MINHA CAMPANHA!!!".

Na quarta-feira 10 de abril, 19 republicanos - incluindo alguns dos mais fortes apoiantes de Trump na Câmara - contrariaram Johnson e votaram com os democratas para bloquear a consideração do projeto de lei, desferindo mais um golpe na autoridade de aprovação rápida do orador e provocando uma potencial crise de segurança nacional.

Bill Barr, ex-procurador-geral de Trump, disse a Annie Grayer, da CNN, na quarta-feira 10 de abril, que as ações do seu ex-chefe e aliados foram "uma farsa e imprudentes". Barr argumentou que o ex-Presidente estava a ser conduzido por "pique pessoal em vez de racionalidade e política sólida". Bill Barr afirmou que as queixas de Trump sobre a investigação da sua campanha de 2016 não tinham nada que ver com a secção da FISA que precisa de ser reautorizada. E num aviso arrepiante, Barr acusou o ex-presidente de colocar em risco a segurança nacional dos EUA. "Estamos a enfrentar, provavelmente, a maior ameaça à pátria devido a ataques terroristas e o nosso meio de defesa contra isso é a FISA. E retirar essa ferramenta, penso eu, vai resultar em ataques terroristas bem-sucedidos e na perda de vidas", afirmou. Na quinta-feira, o diretor do FBI, Christopher Wray - também nomeado por Trump - deverá dizer ao Congresso que a FISA é uma "ferramenta absolutamente indispensável".

A mais recente humilhação de Johnson ocorreu numa altura em que está a lutar pelo seu emprego noutra frente. Na quarta-feira, manteve conversações tensas sobre a crise com Greene, que está a ameaçar convocar uma votação para o destituir. O presidente da Câmara pode ser a pessoa mais conservadora que alguma vez ocupou o cargo, mas o legislador da Geórgia está a acusá-lo de se ter tornado um democrata em tudo menos no nome. O crime de Johnson foi manter o governo aberto através da aprovação de leis orçamentais e da sua consideração do financiamento adiado da Ucrânia, que também tem a oposição do antigo Presidente.

"Se ele financiar o estado profundo e a espionagem sem mandado dos americanos, ele está a dizer aos eleitores republicanos em todo o país que este comportamento acontecerá mais, espiando o presidente Trump e espiando centenas de milhares de americanos ", disse Greene à CNN. E acrescentou: "O financiamento da Ucrânia deve acabar. Não somos responsáveis por uma guerra na Ucrânia. Somos responsáveis pela guerra na nossa fronteira e eu deixei isso claro para o presidente Johnson".

O papel de Trump nestas duas questões que ameaçam derrubar Johnson torna ainda mais curioso o facto de o presidente da Câmara planear deslocar-se a Mar-a-Lago esta sexta-feira para realizar uma conferência de imprensa conjunta com o presumível candidato republicano.

Johnson precisa urgentemente que Trump exerça a sua influência junto da maioria republicana, se quiser sobreviver. E a sua peregrinação à estância balnear da Florida é uma forte declaração sobre quem realmente dirige a maioria da Câmara. Há uma pista para um potencial quid pro quo no tópico anunciado da sua conferência de imprensa - "integridade eleitoral". Esse é o código no mundo de Trump para falsas alegações de que a eleição de 2020 lhe foi roubada.

Johnson foi um proeminente fornecedor de falsidades sobre uma eleição roubada e a sua contínua vontade de acreditar nelas pode ser o preço para garantir o apoio de Trump agora.

O futuro da Ucrânia depende disto

É impressionante a transformação do Partido Republicano por Trump: um partido que costumava louvar a vitória do Presidente Ronald Reagan sobre o Kremlin na Guerra Fria passou para um partido que muitas vezes parece estar a cumprir os objetivos da política externa do Presidente russo Vladimir Putin.

O bloqueio do Partido Republicano a mais fundos para a Ucrânia ameaça a autoridade global e a reputação dos Estados Unidos como uma nação que apoia as democracias e se opõe a tiranos como um líder russo acusado de crimes de guerra. O Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky avisou que a guerra estará perdida se as armas americanas não chegarem. "O que temos atualmente não é suficiente", afirmou ao jornalista Frederik Pleitgen, da CNN, na quarta-feira 10 de abril.

Algumas horas mais tarde, o general Christopher Cavoli, comandante do Comando Europeu dos EUA, reforçou os avisos de Zelensky. "Se um lado pode disparar e o outro não pode ripostar, o lado que não pode ripostar perde. Portanto, os riscos são muito elevados", disse Cavoli ao Comité dos Serviços Armados da Câmara dos Representantes.

No entanto, Trump prometeu acabar com a guerra em 24 horas se ganhar um segundo mandato. Isso só pode acontecer de uma maneira - Zelensky tem de fazer concessões territoriais a Putin, que lançou uma invasão ilegal e a quem o ex-Presidente dos EUA muitas vezes fez genuflexão.

A notícia de que Johnson está a caminho de Mar-a-Lago é mais uma razão para os apoiantes americanos da Ucrânia se preocuparem.

O caos do aborto

Um dos objectivos de Biden é tentar lembrar aos eleitores suburbanos, moderados e independentes que podem ser alienados pelo caos constante de Trump - tal como a vida pode ser desorientadora se Trump for Presidente.

Essa é uma das razões pelas quais a campanha de Biden aproveitou as consequências da anulação do caso Roe v. Wade pelo Supremo Tribunal para realçar o pandemónio que pode resultar da liderança de Trump.

A anulação do direito constitucional ao aborto a nível nacional baseou-se no raciocínio de que as legislaturas estaduais, que estão mais próximas do povo que do poder judicial, são o local apropriado para uma questão moral tão polémica. Num mundo ideal ou num vazio político, talvez fosse esse o caso. Mas a decisão teve pouco em conta a polarização corrosiva da política americana e o resultado tem sido uma manta de retalhos confusa de leis estatais e decisões judiciais. Muitos pacientes estão a ser privados de serviços de saúde vitais - por exemplo, após abortos espontâneos. Alguns tratamentos de fertilidade por fertilização in vitro foram interrompidos no Alabama, por exemplo, e o Supremo Tribunal foi forçado a considerar uma tentativa de impedir o acesso a nível nacional a uma pílula abortiva muito utilizada.

Os defensores da luta contra o aborto estão, entretanto, a insistir na proibição total do procedimento a nível estatal e nacional, enquanto os defensores do direito ao aborto procuram injetar a questão nas principais corridas eleitorais - com um sucesso recente significativo, mesmo em alguns estados vermelhos.

Esta semana, Trump tentou neutralizar a ameaça crescente que a sua campanha representa para ele e para a maioria conservadora do Supremo Tribunal, insistindo que deixaria a questão para os estados. O seu esforço de controlo de danos não durou sequer 24 horas. A decisão do Supremo Tribunal do Arizona de reintroduzir uma proibição com 160 anos espoletou uma reação que atingiu diretamente o antigo Presidente.

Trump tentou novamente na quarta-feira, prometendo que não assinaria uma proibição federal do aborto como Presidente - como muitos conservadores o estão a pressionar a fazer. Mas tendo em conta a quantidade de vezes que mudou a sua posição sobre o assunto, é difícil saber o que pensa realmente.

Por uma vez, Trump pode acabar por ser a principal vítima do caos que está a provocar.

Continue a ler esta notícia