A destruição de riqueza por Elon Musk tornou-se histórica.

O CEO da Tesla, SpaceX e Twitter vale 137 mil milhões de dólares (cerca de 129 mil milhões de euros], de acordo com o Índice de Bilionários da Bloomberg, o que é lhe basta para ocupar o segundo lugar na lista dos mais ricos do mundo, atrás do presidente da LVMH, Bernard Arnault. Mas no seu auge, em novembro de 2021, o valor líquido de Musk era de 340 mil milhões de dólares (321 mil milhões de euros).

Isto faz de Musk a primeira pessoa a perder 200 mil milhões de dólares em riqueza, como noticiou a Bloomberg na semana passada.

A maior parte da riqueza de Musk está ligada à Tesla, fabricante de veículos elétricos cujas ações desvalorizaram 65% em 2022. A procura por produtos Tesla enfraqueceu, à medida que fabricantes de automóveis já estabelecidos aumentaram a concorrência de veículos elétricos no ano passado. A empresa falhou os seus objetivos de crescimento e reduziu a produção na China. As suas entregas no quarto trimestre, que foram anunciadas segunda-feira, ficaram abaixo das estimativas de Wall Street.

A diminuição do interesse dos compradores de automóveis em Teslas ficou demonstrada no mês passado, depois de a empresa ter anunciado uma venda rara numa licitação para limpar os stocks: a Tesla ofereceu dois descontos para compradores que aceitassem a entrega de um veículo antes do final do ano, inicialmente um desconto de 3.750 dólares (3560 euros), que depois duplicou para 7.500 dólares (7.120 euros) com mais duas semanas de 2022.

Os investidores ficaram alarmados com os descontos, atirando as ações para uma queda de 37% em dezembro.

Há muito que os críticos questionam se a Tesla alguma vez valeu o bilião de dólares que alcançou em Bolsa no início de 2022. No seu auge, a companhia valia mais do que o conjunto dos 12 maiores fabricantes automóveis do planeta, apesar de ter uma fração das suas vendas. A Tesla terminou o ano a valer 386 mil milhões de dólares (266 mil milhões de euros) - ainda muito maior do que os seus rivais fabricantes de automóveis, mas muito menos do que os titãs tecnológicos Apple, Microsoft, Google e Amazon - com os quais estava a ser comparada há um ano.

A compra por 44 mil milhões de dólares (42 mil milhões de euros ao câmbio atual) do Twitter por Musk também não ajudou a Tesla - nem a riqueza pessoal de Musk. Elon Musk, o maior acionista da Tesla, vendeu 23 mil milhões de dólares em acções da Tesla desde que o seu interesse no Twitter se tornou público, em abril.

Os seus constantes tweets e o seu comportamento cada vez mais errático, particularmente depois de ter assumido o cargo de CEO do Twitter, irritou os investidores da Tesla, que querem que Musk preste mais atenção à sua empresa significativamente maior e mais valiosa. Musk tem-se defendido contra os críticos dizendo não ter faltado a uma só grande reunião de Tesla desde que assumiu a responsabilidade pelo Twitter.

As ações de Tesla podem recuperar, e Musk pode voltar a ser a pessoa mais rica do mundo. Mas a reputação de Elon Musk como um génio sofreu sérios danos em 2022 - quase tantos danos quanto a sua riqueza pessoal.

 

CNN / David Goldman