Espanha mantém isenção de IVA em alimentos até junho de 2024 - TVI

Espanha mantém isenção de IVA em alimentos até junho de 2024

  • Agência Lusa
  • 15 nov 2023, 14:56
Fruta (GettyImages)

Ao longo de 2022, Espanha aprovou vários pacotes de medidas para responder à inflação superior a 3% do Produto Interno Bruto (PIB), no valor de cerca de 45.000 milhões de euros, entre ajudas diretas a consumidores e empresas e benefícios fiscais, como a redução do IVA da eletricidade e do gás ou um desconto na compra de combustíveis.

Espanha vai prolongar até junho de 2024 a eliminação e redução do IVA em produtos alimentares considerado básicos, anunciou esta quarta-feira o primeiro-ministro, Pedro Sánchez.

O anúncio foi feito no parlamento espanhol, no arranque do debate de dois dias para a reeleição de Sánchez como primeiro-ministro, na sequência das eleições de 23 de julho.

A suspensão do IVA (imposto sobre o consumo) de produtos como o pão, as frutas ou as hortaliças, e a redução para 5% no caso de azeites e massas alimentares entrou em vigor em Espanha a 1 de janeiro por um período de seis meses e foi em junho passado prolongada por mais meio ano, até 31 de dezembro de 2023.

A medida teve como objetivo combater a inflação.

Ao longo de 2022, Espanha aprovou vários pacotes de medidas para responder à inflação superior a 3% do Produto Interno Bruto (PIB), no valor de cerca de 45.000 milhões de euros, entre ajudas diretas a consumidores e empresas e benefícios fiscais, como a redução do IVA da eletricidade e do gás ou um desconto na compra de combustíveis.

Para tentar responder à escalada dos preços dos alimentos, entrou em vigor em janeiro um novo conjunto de medidas que incluíram a suspensão do IVA de alguns alimentos.

Espanha fechou o ano passado com a taxa de inflação mais baixa da União Europeia (5,7%), depois de no primeiro semestre de 2022 ter tido dos valores mais elevados e de em julho ter registado a inflação mais alta no país desde 1984 (10,77%).

Em agosto, segundo os dados europeus mais recentes, Espanha continuava a ter das menores taxas de inflação da União Europeia (2,4%).

Além das reduções do IVA em alimentos, Sánchez anunciou ainda transportes públicos gratuitos para menores, jovens e desempregados a partir de 1 de janeiro, alargamentos das ajudas a pessoas com hipotecas, uma lei para estabelecer que o salário mínimo tem de ser 60% do salário médio no país ou o aumento dos pensões de acordo com a inflação.

Sánchez reiterou ainda a intenção de reduzir a jornada laboral para 37,5 horas semanais e de aumentar as licenças de parentalidade para as 20 semanas.

Continue a ler esta notícia