Mais de 750 armas apreendidas e 80 detidos em operação de três anos contra tráfico na Europa - TVI

Mais de 750 armas apreendidas e 80 detidos em operação de três anos contra tráfico na Europa

  • Agência Lusa
  • AM
  • 9 jul 2023, 12:11
Armas

Armas foram obtidas por pessoas de diversos países da União Europeia, na maioria britânicos, utilizando identidades falsas, endereços fictícios ou meios de pagamento virtuais clonados

Um total de 760 armas foram apreendidas e 80 pessoas detidas, nos últimos três anos, numa operação internacional que envolveu a Europol e forças policiais de 10 países, incluindo Portugal, foi hoje anunciado.

A Guarda Civil espanhola, citada pela agência EFE, anunciou que se trata de uma investigação conjunta lançada há três anos, denominada Diana-Vizardlike, na qual foram detidas pessoas ligadas a grupos extremistas, organizações criminosas ou gangues juvenis com numerosos antecedentes policiais.

A operação enquadra-se na luta contra as redes de tráfico de armas que alimentam organizações criminosas ou terroristas e teve início quando agentes do Serviço de Informação da Guarda Civil espanhola e da Agência Nacional Contra o Crime britânica (NCA, na sigla inglesa) detetaram numerosos criminosos que faziam ‘stock’ de armas ilegais no mercado europeu.

Os detidos adquiriam armas de alarme ou sinalização na internet, em estabelecimentos certificados, e depois transformavam-nas em armas letais capazes de disparar munições reais.

As armas foram obtidas por pessoas de diversos países da União Europeia, na maioria britânicos, utilizando identidades falsas, endereços fictícios ou meios de pagamento virtuais clonados.

Segundo a Guarda Civil espanhola, este tipo de armamento é especialmente preocupante em países como o Reino Unido, onde as armas modificadas foram usadas em atos violentos, como os 445 tiroteios com 23 mortes registadas naquele país no ano passado.

Após detetar esta prática, o Serviço de Informações da Guarda Civil acompanhou e analisou quase 2.000 vendas de armas a estrangeiros ao longo dos anos.

Os resultados foram comunicados à Agência Europeia para a Cooperação Policial (Europol) e às polícias dos países onde residiam os compradores ilegais.

As informações obtidas durante os três anos de investigação deram origem a mais de 20 ordens europeias de investigação e cartas rogatórias internacionais com 540 trocas internacionais de informações.

Durante este período, foram realizadas 150 buscas no Reino Unido, Holanda, Portugal, Suécia, Itália, Suíça, Grécia, Bélgica e Roménia, o que permitiu apreender mais de 760 armas de fogo e deter 80 pessoas.

Além de armas, as buscas também resultaram na apreensão de munições, precursores químicos que podem ser usados como explosivos, detonadores, silenciadores ou máquinas para manipular e transformar armas.

Segundo a Guarda Civil, muitas das armas estavam na posse de criminosos perigosos já com extensos antecedentes criminais ligados ao crime organizado, tráfico de drogas, roubos violentos, gangues de jovens, grupos de extrema-direita ou criminosos sexuais.

Das 760 armas apreendidas, 703 correspondem ao trabalho coordenado da Guarda Civil com a NCA britânica, que resultou em 74 detidos no Reino Unido.

Continue a ler esta notícia