Catargate: Eva Kaili vai sair da prisão com pulseira eletrónica, diz Ministério Público belga - TVI

Catargate: Eva Kaili vai sair da prisão com pulseira eletrónica, diz Ministério Público belga

  • Agência Lusa
  • MBM
  • 12 abr 2023, 16:01
Eva Kaili vai sair da prisão com pulseira eletrónica.  (Menelaos Myrillas/ Getty Images)

A ex-vicente presidente do Parlamento Europeu ficará em prisão domiciliária e sob vigilância eletrónica

Relacionados

A justiça belga decidiu esta quarta-feira colocar em regime de prisão domiciliária com pulseira eletrónica a ex-vice-presidente do Parlamento Europeu (PE), Eva Kaili, figura chave na investigação do caso de corrupção conhecido por ‘Qatargate’.

"Eva Kaili será libertada da prisão. Ficará em prisão domiciliária na Bélgica e sob vigilância eletrónica. O juiz de instrução acaba de tomar a decisão", disse à AFP Antoon Schotsaert, magistrado do Ministério Público Federal belga.

Do escândalo de corrupção 'Qatargate', que envolve vários eurodeputados e o recebimento de recompensas por posições favoráveis a países como o Qatar e Marrocos, a ex-presidente do PE era a única que permanecia detida.

Terça-feira, o Tribunal de Bruxelas decidiu também que o eurodeputado belga Marc Tarabella, envolvido no escândalo de corrupção Qatargate, ficará em regime de liberdade vigiada com pulseira eletrónica, disse o porta-voz do Ministério Público Federal.

Tarabella permanecerá à disposição dos investigadores e do juiz de instrução caso precisem de mais informação, adiantou o gabinete do eurodeputado, que relembrou que o acusado sempre defendeu a sua inocência.

Tarabella foi detido no dia 10 de fevereiro, depois de lhe ter sido retirada a imunidade parlamentar.

Em relação ao mesmo esquema foram detidos os eurodeputados Francesco Georgi e Pier Antonio Panzeri, suposto líder do esquema, e Andrea Cozzolino.

Georgi conseguiu a liberdade condicional com pulseira eletrónica a 23 de fevereiro, enquanto Panzeri adquiriu o mesmo regime a 6 deste mês.

Panzeri, ex-eurodeputado italiano, aceitou colaborar com a investigação policial em troca de benefícios relacionados com a pena.

Andrea Cozzolino encontra-se em prisão domiciliária em Nápoles enquanto aguarda pela decisão judicial sobre a sua entrega às autoridades belgas.

Continue a ler esta notícia

Relacionados