O fundador da Evergrande, Xu Jiayin, voltou esta quarta-feira a prometer que a construtora chinesa vai pagar as suas dívidas, segundo a imprensa local, depois de ter falhado o prazo para apresentar um plano de reestruturação.

“O ano de 2023 é crucial para que a Evergrande cumpra com as suas obrigações como empresa (...). Creio que podemos cumprir com a nossa missão de entregar [imóveis], pagar dívidas, eliminar os riscos e iniciar um novo capítulo”, indicou Xu, numa carta enviada aos funcionários da empresa e que foi citada pelo jornal de Hong Kong South China Morning Post.

O executivo indicou que, em 2022, o grupo completou 732 projetos e entregou 301.000 imóveis, cumprindo os seus objetivos para o ano.

Entre janeiro e novembro, as vendas da Evergrande ascenderam a 29.120 milhões de yuans (3.996 milhões de euros), muito aquém dos 735.000 milhões de yuans (100.870 milhões de euros) que alcançou em 2020.

A Evergrande, que em 2021 somava um passivo de 300.000 milhões de dólares (283 mil milhões de euros) e entrou em incumprimento no pagamento de títulos de dívida, garantiu, em dezembro passado, que as "diferenças" com as partes implicadas na elaboração do seu plano de reestruturação “estavam a reduzir-se”.

A empresa está imersa numa campanha para se desfazer de ativos, visando arrecadar dinheiro, enquanto as suas ações, negociadas na Bolsa de Valores de Hong Kong, continuam congeladas desde março do ano passado, tendo perdido quase 90% do valor desde o início de 2021.

Um dos credores, que tem pendente o pagamento de 110 milhões de dólares, apresentou, em junho de 2022, um pedido de liquidação contra a Evergrande na Justiça de Hong Kong.

A posição financeira de muitas imobiliárias chinesas deteriorou-se depois de, em agosto de 2020, Pequim ter imposto restrições no acesso ao crédito bancário às construtoras do país que, como a Evergrande, acumularam altos níveis de dívida, após vários anos de políticas agressivas de alavancagem.

Nas últimas semanas, o Governo chinês anunciou diversas medidas de apoio, com os bancos estatais a criarem linhas de crédito de milhares de milhões de dólares para várias construtoras.

/ AM