Explosão de engenho em cerimónia cristã na Índia faz 1 morto e 36 feridos - TVI

Explosão de engenho em cerimónia cristã na Índia faz 1 morto e 36 feridos

  • Agência Lusa
  • PP
  • 29 out 2023, 17:41
Índia (Lusa/EPA)

Incidente ocorreu no Centro Internacional de Convenções Zamra, em Kalamassery, perto da cidade portuária de Kochi, onde se realizava uma reunião de três dias das Testemunhas de Jeová

Uma mulher morreu e 36 pessoas ficaram feridas hoje, no sul da Índia, quando um engenho explosivo improvisado detonou durante uma cerimónia de oração cristã em que participavam mais de 2.000 pessoas.

A explosão ocorreu hoje de manhã no Centro Internacional de Convenções Zamra, em Kalamassery, perto da cidade portuária de Kochi, onde se realizava uma reunião de três dias das Testemunhas de Jeová.

"A investigação preliminar revela que se tratou de uma explosão de um engenho explosivo improvisado", declarou à imprensa Darvesh Saheb, diretor-geral da polícia local.

"Vamos descobrir quem está por detrás disto e tomar medidas rigorosas", prometeu.

Mais tarde, um homem entregou-se à polícia depois de ter publicado um vídeo nas redes sociais e nos canais de televisão em que afirmava ser um antigo membro da igreja com a qual dizia agora não concordar.

A polícia disse que iria "analisar as suas alegações e as razões apresentadas para cometer este ato", noticiou o Times of India.

Segundo o chefe da polícia, cinco dos 36 feridos sofreram queimaduras graves.

Por seu lado, a agência noticiosa Press Trust of India (PTI) referiu três "explosões" durante as orações de domingo de manhã no grande centro de conferências de Kalamassery.

A Índia tem uma população de 1,4 mil milhões de habitantes, dos quais mais de 2% são cristãos, segundo o último recenseamento.

Conhecidas sobretudo pela pregação de porta em porta e regularmente acusadas de serem uma seita, as Testemunhas de Jeová fazem parte do movimento cristão evangélico, originário dos Estados Unidos, e pregam a não-violência e a neutralidade política.

A explosão ocorre num contexto de tensão neste próspero Estado do sul do país, que conta com uma população de mais de 31 milhões de habitantes, 26% dos quais são muçulmanos, segundo o último recenseamento de 2011.

Após a explosão, o diretor-geral da polícia de Kerala apelou a "todos para manterem a calma".

Saheb apelou também a que "não sejam publicadas mensagens provocatórias nas redes sociais", para garantir a manutenção da "paz" no Estado.

A explosão ocorreu um dia depois de o antigo líder do Hamas, Khaled Mashal, ter discursado por vídeo numa manifestação pró-palestiniana em Malappuram, no mesmo estado de Kerala, cerca de 115 quilómetros a norte de Kalamassery.

Não foi estabelecida qualquer ligação oficial entre os dois acontecimentos.

Continue a ler esta notícia