José Mota: «Sporting acabou o jogo em desespero, a mandar a bola para a quinta» - TVI

José Mota: «Sporting acabou o jogo em desespero, a mandar a bola para a quinta»

Sporting-Farense, 3-2 (reportagem)

Relacionados

José Mota, treinador do Farense, em conferência de imprensa, no Estádio de Alvalade, depois da derrota diante do Sporting (2-3), em jogo da 24.ª jornada da Liga:

O Farense chega ao empata no início da segunda parte, mas o Sporting marca logo a seguir. Foi um momento determinante no jogo?

- Não penso que tenha sido esse o momento do jogo. Não entramos bem no jogo, demos muita liberdade ao Sporting para jogar, para rodar a bola. Sabíamos os movimentos deles nos corredores, são muito fortes, é realmente uma excelente equipa que está num bom momento. Queríamos anular essas iniciativas, mas não conseguimos. Os primeiros minutos da primeira parte foram muito difíceis para nós. Muitos cantos, muitas bolas paradas, muito por mérito do adversário, mas também por falta de coragem nossa.

- Viemos a Alvalade com algumas restrições, diante de uma equipa muito forte, mas temos de saber sair, temos de saber ter bola. Nesse período não conseguimos jogar, mérito do Sporting. Aconteceu o 1-0, o 2-0 e o Sporting teve mais algumas oportunidades. A justiça do resultado não está em causa, o Sporting teve muitas oportunidades. Agora a meio da primeira parte conseguimos ter mais oportunidades. Tivemos uma pelo Falcão, aconteceu aquele golo do Belloumi e começámos a pensar que podíamos ter mais hipóteses. Foi isso que falámos ao intervalo, tínhamos de ter mais coragem.

- Tenho uma equipa de campeões e sei o que posso pedir-lhes. Na segunda parte conseguimos fazer o 2-2 e foi pena não termos tido mais tempo porque logo a seguir sofremos o 3-2. Conseguimos pressionar o Sporting que acabou o jogo a defender com tudo, muitas vezes em desespero e com bola para a quinta como se costuma dizer. Isso foi mérito do Farense que obrigou o Sporting a recuar as suas linhas e a defender com unhas-e-dentes. Não sei se o Sporting esta época, a vencer por 2-0, já tinha deixado escapar uma vantagem assim e ficar a tremer até ao final.

A que se deveu a melhoria do Farense na segunda parte?

- Primeiro foi o golo de Belloumi que dá outra confiança. Terminámos a primeira parte com mais posse de bola e mais organizados em termos ofensivos. A segunda parte começou coma bola na trave do Zé Luís. Percebemos que não tínhamos nada a perder, tínhamos de jogar aquilo que sabemos, O nosso meio-campo começou a dominar muitas vezes o meio-campo do Sporting, o que não é fácil. Fomos uma equipa que lutou até final e manteve o resultado incerto até ao final e isso é mérito do Farense.

É a segunda vez que o Farense faz tremer o Sporting. É um aspeto positivo neste ciclo menos positivo do Farense?

- Respondo a essa questão sempre da mesma a maneira. Já jogamos com todos os que estão no cimo da tabela, mas em relação à primeira volta, estamos a dever apenas um ponto. Todas as equipas passam por estes ciclos menos positivos. Esta equipa sempre deu boa resposta, não tenho os melhores jogadores do mundo, nem do campeonato, mas em termos de rigor e disciplina, se calhar estamos no topo. Faltam-nos outros argumentos, mas estamos a fazer rum campeonato com qualidade, estamos a dar uma boa imagem. Não fora só dois jogos com o Sporting, para a Taça da Liga também marcamos aqui dois golos [2-4]. Marcámos seis golos ao Sporting e os três resultados estiveram sempre em dúvida. Também empatámos com o Benfica, ganhámos ao Braga e perdemos com Porto quase a terminar.

Continue a ler esta notícia

Relacionados