98 detidos, 13 crianças resgatadas, dois agentes do FBI assassinados: o que se sabe sobre operação para desmantelar rede internacional de pedofilia - TVI

98 detidos, 13 crianças resgatadas, dois agentes do FBI assassinados: o que se sabe sobre operação para desmantelar rede internacional de pedofilia

  • CNN
  • Kathleen Magramo
  • 8 ago 2023, 22:23
FBI

"Nenhuma agência ou país pode combater estas ameaças sozinho"

Dezenas de pessoas detidas por alegado abuso sexual de crianças após o assassínio de dois agentes do FBI

por Kathleen Magramo, CNN

Um total de 98 pessoas foram presas por abuso sexual de menores e 13 crianças foram resgatadas, informaram as autoridades americanas e australianas esta terça-feira, mais de dois anos após a morte de dois agentes do FBI que investigavam uma alegada rede internacional de pedofilia.

Numa conferência de imprensa, o Federal Bureau of Investigation (FBI) e a Polícia Federal Australiana (AFP) afirmaram que a operação conjunta levou a 79 detenções, 65 acusações e 43 condenações nos Estados Unidos, enquanto 19 homens foram detidos na Austrália.

Dois agentes do FBI que investigavam a alegada rede foram mortos a tiro em 2021 quando executavam um mandado de busca para um programador informático suspeito de possuir material pedófilo, informou anteriormente a CNN.

A suposta rede de abuso infantil era uma "rede ponto a ponto" com "alguns infratores cometendo crimes por mais de 10 anos", disse a comandante da Polícia Federal australiana Helen Schneider.

"Algumas das crianças eram conhecidas dos homens que foram detidos", acrescentou Schneider, mas recusou-se a fazer mais comentários.

Investigação australiana

A investigação da polícia australiana começou em 2022, quando o FBI transmitiu detalhes de membros australianos de uma rede peer-to-peer que supostamente compartilhava material de abuso infantil na dark web.

"Esta operação foi altamente complexa", disse esta terça-feira a adida jurídica do FBI em Camberra, Nitiana Mann, aos jornalistas. "A complexidade e o anonimato destas plataformas significam que nenhuma agência ou país pode combater estas ameaças sozinho."

A maioria dos alegados criminosos australianos tinha empregos que exigiam competências informáticas avançadas, informou a polícia num comunicado.

Os membros da rede utilizavam alegadamente "software para partilhar anonimamente ficheiros, conversar em fóruns de mensagens e aceder a sítios web dentro da rede", utilizando encriptação e "outros métodos para evitar a deteção pelas autoridades policiais", acrescenta o comunicado.

O comandante Schneider da AFP disse que os alegados criminosos operavam uma "rede sofisticada".

"Ver, distribuir e produzir material pedopornográfico é um crime horrível e o esforço que esta rede fez para evitar ser detetada é uma indicação de quão perigosos eles eram", disse ela.

"Quanto mais tempo pessoas como estas evitam ser detetadas, mais tempo o ciclo de abuso continua."

Não são de excluir outras detenções, acrescentou.

Mais de 200 pistas internacionais foram enviadas para países parceiros e mais de 300 investigações foram abertas como resultado da operação conjunta, disse Mann.

Tiroteio fatal

Os agentes especiais do FBI Daniel Alfin e Laura Schwartzenberger morreram num tiroteio num complexo de apartamentos em Sunrise, Florida, enquanto executavam um mandado de busca federal a 2 de fevereiro de 2021.

Três outros agentes ficaram feridos e o suspeito do tiroteio morreu no local.

Na altura, o agente especial do FBI em Miami, George Piro, considerou o tiroteio e a perda de Alfin e Schwartzenberger "um dia muito negro para o FBI".

Os agentes eram conhecidos pelos seus esforços exemplares no terreno, combatendo o abuso de crianças com o seu trabalho de investigação e educando os estudantes para os perigos dos crimes sexuais.

As suas mortes marcaram a primeira vez, desde novembro de 2008, que um agente do FBI foi baleado mortalmente no cumprimento do seu dever.

Continue a ler esta notícia