Opinião: A felicidade é uma armadilha. Eis o que deve procurar em vez disso - TVI

Opinião: A felicidade é uma armadilha. Eis o que deve procurar em vez disso

  • CNN
  • Monica C. Parker
  • 14 mai 2023, 11:00
Felicidade alegria praias por do sol mar Getty Images

A felicidade tem sido vista como o objetivo final e a recompensa justa de uma vida de esforço louvável. Estamos obcecados.

Nota do editor: Monica C. Parker é especialista em futuro do trabalho e é fundadora da consultora global de análise e mudança humana Hatch Analytics. Foi cantora de ópera, designer de exposições em museus e investigadora de homicídios, defendendo reclusos no corredor da morte. É autora do livro "The Power of Wonder: The Extraordinary Emotion That Will Change the Way You Live, Learn, and Lead" [à letra, “O Poder do Maravilhamento: A Extraordinária Emoção Que Vai Mudar a Forma Como Vive, Aprende e Lidera”] . As opiniões expressas neste artigo são da sua inteira responsabilidade.

As manchetes dos jornais falam da guerra na Ucrânia, da crise do custo de vida, da catástrofe climática e de mais um tiroteio em massa [nos EUA]. Parece um pouco absurdo encorajar as pessoas a serem felizes. E, no entanto, vivemos num mundo obcecado com a felicidade.

Nota do editor: Monica C. Parker é especialista em futuro do trabalho e é fundadora da consultora global de análise e mudança humana Hatch Analytics. Foi cantora de ópera, designer de exposições em museus e investigadora de homicídios, defendendo reclusos no corredor da morte. É autora do livro "The Power of Wonder: The Extraordinary Emotion That Will Change the Way You Live, Learn, and Lead" [à letra, “O Poder do Maravilhamento: A Extraordinária Emoção Que Vai Mudar a Forma Como Vive, Aprende e Lidera”] . As opiniões expressas neste artigo são da sua inteira responsabilidade.

Entre diretores gerais de felicidade, o Índice Happy Planet, a Felicidade Nacional Bruta e o World Happiness Report (a Finlândia voltou a ter a melhor pontuação este ano), parece que a felicidade tem boas relações públicas. E não esqueçamos que os profissionais de marketing de Madison Avenue - marcas e todos os que estão associados à venda dessas marcas - também querem estar envolvidos com a felicidade. Ao longo da história moderna, e com pouca contestação, a felicidade tem sido vista como o objetivo final e a recompensa justa de uma vida de esforço louvável.

Antes dos antigos filósofos gregos, a felicidade, tal como a maioria das coisas na vida, era vista como um benefício concedido pelos deuses. (A palavra inglesa “happiness” vem da raiz islandesa happ ou “sorte”, pelo que, pelo menos etimologicamente, a sorte parece ter sempre desempenhado algum papel na nossa felicidade). Foi o grande iconoclasta Sócrates que se tornou o primeiro a sugerir que a felicidade era uma busca cognitiva e de criação de sentido, algo que estava sob o controlo de uma pessoa, em vez de ser simplesmente uma dádiva concedida pelos deuses. E, agora, o movimento do pensamento positivo, a teoria da abundância e qualquer outro número de géneros de autoajuda veem alguma forma de felicidade como o objetivo principal e algo que podemos alcançar se nos esforçarmos o suficiente.

É uma ironia infeliz que, num mundo fixado na felicidade, as pessoas sejam tão cronicamente infelizes. Há 280 milhões de pessoas com depressão em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde, e, só nos Estados Unidos, 40 milhões de pessoas sofrem de ansiedade, segundo a Anxiety & Depression Association of America. É uma ironia ainda mais trágica o facto de sermos tão maus a saber o que nos fará felizes. Este fenómeno de julgar mal o que nos fará felizes chama-se previsão afetiva e, como seres humanos, “desejamos mal” muitas coisas que fomos condicionados a acreditar que nos farão mais felizes do que na realidade fazem. Quantas vezes já sentimos um certo tipo de desânimo depois de uma grande compra ou de uma saída à noite muito esperada e que não correspondeu às nossas expectativas?

Entre gurus da autoajuda, filósofos e profissionais de marketing que nos dizem como ser felizes, é fácil ficarmos confusos. Como é que alcançamos a felicidade? Por muito cativante que seja, essa pergunta não é a correta. Esta é: e se estivermos tão fixados na felicidade que não nos questionamos se é a felicidade que devemos procurar? E se, após dois milénios de debate sobre os benefícios relativos dos vários tipos de felicidade, nos pudéssemos concentrar num outro estado emocional mais duradouro e com mais impacto que nos trouxesse felicidade e benefícios mais significativos? Em termos simples, parece que estamos numa pista de corrida, a perseguir o coelho errado.

Porque não perseguir o maravilhamento? Cada um de nós já experimentou o espanto. É uma emoção tão universal como a felicidade e o medo. Toda a gente conhece a sensação de arrepio que sentimos ao ver uma grande paisagem ou ao ver as crianças darem os primeiros passos. É uma experiência que nos faz sentir como uma pequena parte de um sistema maior e que, por sua vez, faz com que os nossos problemas também pareçam mais pequenos. Ainda assim, é muito frequente procurarmos o conforto das emoções positivas simples, como a felicidade, em vez de nos sentarmos no desconforto das emoções negativas ou mistas, apesar de estas contribuírem para um bem-estar mais profundo.

Resistimos às emoções negativas, como a tristeza ou o medo, por nossa conta e risco. O psicólogo e filósofo Kirk Schneider refere-se à felicidade como “o ouro do potencial tolo”, acreditando que a “compulsão de pensar positivamente” (ou seja, a positividade tóxica) é tão má quanto a “compulsão de pensar negativamente” e pode realmente impedir-nos de experimentar o “maravilhamento-espanto de viver”. Abraçar as emoções negativas não só contribui para a riqueza da nossa experiência humana, como é também uma forma de alargar o nosso vocabulário emocional, o que nos ajuda a utilizar uma maior variedade de competências para lidar com situações. Na verdade, a investigação mostra que as pessoas com maior granularidade emocional, ou emodiversidade, utilizam mais mecanismos positivos para lidar com o stress e recuperam mais rapidamente do mesmo.

Ainda melhor do que abraçar as emoções negativas é abraçar as emoções positivas e negativas ao mesmo tempo. Manter em simultâneo na mente duas forças emocionais aparentemente opostas, o que também é designado por coactivação, é um poderoso mecanismo de sobrevivência que aumenta o nosso sentido de significado e gratidão face à adversidade. Enquanto emoções como a felicidade são conhecidas como “de valência positiva” e emoções como a tristeza são “de valência negativa”, algumas emoções como o “agridoce”, a simpatia, a nostalgia e o espanto são emoções mistas ou “de valência dupla”.

Paradoxalmente, esta tendência para sentir apenas emoções puramente positivas ou negativas é ainda mais exacerbada quando estamos stressados, precisamente quando mais poderíamos beneficiar dos efeitos benéficos da mistura de emoções. A ideia é que as nossas emoções se situam num contínuo que vai do simples ao complexo. Sob stress, recorremos aos nossos atalhos mentais, recorrendo a emoções simples como “feliz” ou “triste”, em vez de abraçarmos a multidimensionalidade de uma emoção complexa como o maravilhamento. Este tipo de emoções complexas torna-nos mais resistentes. Essencialmente, ao mantermos simultaneamente pensamentos positivos e negativos na nossa mente, podemos metabolizar melhor as experiências traumáticas e dar-lhes sentido.

Num estudo realizado com cônjuges enlutados, as viúvas e viúvos que recordaram elementos positivos e negativos dos seus cônjuges falecidos conseguiram gerir melhor o seu luto. A escritora Susan Cain, que escreveu um best-seller sobre a emoção “agridoce”, descreveu as emoções mistas como compreendendo “alguns dos aspetos mais sublimes do ser humano e que, por acaso, estão ligados à nossa apreciação de como a vida pode ser frágil e da impermanência da vida”.

Eu própria experimentei esta dinâmica. Recordo-me perfeitamente de quando era estudante em Miami e me amontoei com colegas de quarto debaixo de um colchão durante o que foi, na altura, o pior furacão da história. O rescaldo do furacão Andrew foi um caos total - sinais de trânsito dobrados em ângulos retos, árvores com raízes arrancadas do chão, elevando-se a andares de altura. Eu tinha certeza de que era o pior que eu poderia testemunhar. Isso, claro, até ao furacão Katrina, quando a minha família teve de ser evacuada Nova Orleães.

Que sensação incomparável de impotência, ao ver a lenta descida da nossa bela cidade até um um deserto aquático, tudo no horário nobre da televisão. Em ambos os casos, era impossível ser feliz, dada a destruição, a perda. Mas parte integrante da minha dor era o meu sentido de maravilhamento. Curiosa sobre a forma como iríamos reconstruir, pasmada com a impassibilidade brutal da tempestade, mas também admirada com o sacrifício dos socorristas. E esse sentimento de maravilhamento deu-me a capacidade de curar e de ter esperança.

Felizmente, não precisamos de passar por uma catástrofe natural para ver o benefício do maravilhamento sobre a felicidade. Pense na celebração de um aniversário marcante. É natural sentirmo-nos felizes ao refletirmos sobre as nossas realizações de vida, satisfeitos por estarmos vivos. Mas se virmos essa experiência através de uma lente de maravilhamento - refletindo de uma forma abertamente curiosa sobre os desafios que tivemos, os erros que cometemos, os nossos arrependimentos, e pasmados com a impermanência da vida - essa experiência torna-se não só mais rica, mas também uma oportunidade para um maior crescimento pessoal.

A admiração não se limita a conferir resiliência. Na verdade, em comparações lado a lado efetuadas por investigadores, os benefícios quânticos do maravilhamento são superiores aos da felicidade. O espanto torna-nos mais criativos e mais desejosos de estudar o mundo que nos rodeia. Torna-nos humildes, menos materialistas, mais generosos e melhores membros da comunidade. As pessoas propensas ao maravilhoso têm mais probabilidades de ter um melhor desempenho na escola e no trabalho e de construir relações mais saudáveis. O maravilhoso torna-nos menos stressados e faz-nos sentir que temos mais tempo. Sendo uma experiência emocional muito pró-social, o maravilhamento faz-nos simplesmente querer ser pessoas melhores e mais tolerantes.

Se estas razões não forem suficientes para nos motivar a sermos mais maravilhados, os benefícios fisiológicos são particularmente convincentes. Os investigadores descobriram uma ligação entre as pessoas que experimentam a admiração e a redução da pressão arterial, das hormonas do stress e das citocinas pró-inflamatórias, sendo estas últimas os marcadores associados a uma série de doenças, incluindo o cancro e as doenças cardiovasculares. Estas ligações sugerem uma “via biológica” direta entre o maravilhamento e a melhoria da saúde.

O mundo, as pessoas que o habitam e as nossas experiências não são binárias nem facilmente definidas. Duas coisas podem coexistir em oposição uma à outra, e ambas podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. O maravilhamento abraça a complexidade bela e confusa da vida de uma forma que a felicidade não abraça. Permite nuances e profundidade. Permite a realidade de uma existência simultaneamente má e sublime. Essa coexistência desconfortável e equilibrada parece-me mais verdadeira do que uma persuasão fabricada em direção à felicidade.

Continue a ler esta notícia