Órgão eleitoral do Equador aprova substituição de candidato presidencial assassinado - TVI

Órgão eleitoral do Equador aprova substituição de candidato presidencial assassinado

  • Agência Lusa
  • AM
  • 17 ago 2023, 07:33
Candidato a Presidente do Equador Fernando Villavicencio (Associated Press)

Queixa alegava que Zurita era filiado num outro partido político, uma inscrição que a CNE declarou inválida ao verificar que tinha sido feita com uma assinatura diferente da do jornalista

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador aprovou na quarta-feira a candidatura do jornalista Christian Zurita às eleições presidenciais de domingo, em substituição do ex-deputado Fernando Villavicencio, assassinado na semana passada.

O plenário da CNE aceitou a candidatura em nome do Movimento Construye, após verificar que Zurita cumpria todos os requisitos e após rejeitar uma impugnação apresentada pelo partido Revolução Cidadã, ligado ao ex-presidente Rafael Correa (2007-2017).

A queixa alegava que Zurita era filiado num outro partido político, o Renovación Total (Reto), de centro-direita, uma inscrição que a CNE declarou inválida ao verificar que tinha sido feita com uma assinatura diferente da do jornalista.

A candidatura de Zurita foi aprovada pouco mais de um dia do fim da campanha e poucas horas depois do início da votação para as eleições presidenciais e legislativas extraordinárias, especificamente para as pessoas detidas nas prisões do Equador.

Mesmo que os votos sejam atribuídos a Zurita, de 53 anos, a foto do jornalista e ex-deputado Fernando Villavicencio continuará a aparecer nos boletins, já que todos foram impressas antes do assassínio.

O atentado contra Villavicencio ocorreu num comício realizado a 09 de agosto numa zona central e movimentada de Quito, onde um atirador desconhecido disparou contra o candidato presidencial do Equador.

Pelo menos nove pessoas ficaram feridas no atentado, no qual morreu também o suspeito do ataque após um tiroteio com os seguranças, segundo as autoridades equatorianas que deram também conta da detenção de seis pessoas.

O Presidente do Equador, Guillermo Lasso, decretou o estado de emergência.

Inicialmente, o Movimento Construye lançou como candidata Andrea González – que era a vice-Presidente de Villavicencio nestas eleições -, mas o receio de uma possível rejeição por parte do CNE levou o partido a escolher Zurita.

O Movimento Construye e o próprio Zurita acusaram o organismo eleitoral de morosidade, sublinhando que o partido acabou por não poder participar num debate televisivo realizado no domingo à noite.

"A CNE impediu a participação no debate presidencial e, agora, proíbe a promoção da nossa publicidade em qualquer meio de comunicação", além de não ter "oferecido apoio e nem tratado o assunto com a excecionalidade necessária", lamentou Zurita na rede social X (antigo Twitter).

O Equador vive a maior crise de insegurança da história do país, que as autoridades atribuem ao tráfico de droga.

Na segunda-feira, Pedro Briones, membro do Revolución Ciudadana e um dos líderes do partido na província de Esmeraldas, foi assassinado no noroeste do Equador.

De acordo com a imprensa do Equador, citando uma fonte da polícia local, Briones foi morto a tiro em casa, na cidade de San Mateo, por dois homens que chegaram numa motorizada e conseguiram fugir após os disparos.

Continue a ler esta notícia