Pelo menos dez pessoas morreram e duas continuam desaparecidas após fortes chuvas e inundações terem atingido o leste e sul das Filipinas desde segunda-feira, informou esta quinta-feira o centro de prevenção de desastres naturais do país.

Na mais recente atualização, o centro indicou ainda que mais de oito mil pessoas tiveram de abandonar as suas casas para se abrigarem em diferentes centros de abrigo.

As fortes chuvas e inundações afetaram mais de 430.000 habitantes em várias partes das Filipinas, referiu o centro.

As zonas mais afetadas são a ilha de Samar, onde morreram duas pessoas, e a ilha de Mindanao, no leste e sul do arquipélago, onde as chuvas provocaram inundações e deslizamentos de terras.

A agência meteorológica das Filipinas disse hoje que as chuvas deverão continuar até o fim de semana em Mindanao e em grande parte da região central de Visayas, pelo que é pouco provável que se transforme numa tempestade tropical.

Atingidas por entre 15 e 20 tufões e ciclones tropicais a cada ano, as Filipinas estão entre as nações mais vulneráveis aos impactos das alterações climáticas.

Especialistas de agências internacionais apontaram que o mau estado das infraestruturas e as habitações precárias como um dos principais fatores para um elevado número de mortes nas catástrofes naturais registadas no país.

Durante as férias de Natal, as inundações e deslizamentos de terras nas Filipinas provocaram 49 mortos, obrigaram 51.400 pessoas a abandonar as suas casas e afetaram no total cerca de 500 mil filipinos.

Os estragos causados à agricultura e às infraestruturas foram estimados em cerca de 25 milhões de dólares (23,3 milhões de euros), de acordo com o centro de prevenção de desastres naturais das Filipinas.

/ AM