Estudantes contra a crise climática em protesto de norte a sul - TVI

Estudantes contra a crise climática em protesto de norte a sul

  • Agência Lusa
  • MBM
  • 26 abr 2023, 14:11
Estudantes contra a crise climática montam tendas na Faculdade de Psicologia. (Rodrigo Antunes/ Lusa)

Por todo o país jovens do movimento "Fim ao Fóssil: Ocupa!" protestam nos estabelecimentos de ensino, exigindo o fim ao combustível fóssil até 2030 e a eletricidade 100% renovável até 2025

Relacionados

Estudantes voltam a partir de quarta-feira a ocupar escolas e universidades para demonstrar que "a crise climática não é aceitável para o futuro de qualquer pessoa na sociedade", numa iniciativa do movimento "Fim ao Fóssil: Ocupa!".

Sete estudantes montaram esta quarta-feira tendas dentro da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa (FPUL), exigindo o fim ao combustível fóssil até 2030 e a eletricidade 100% renovável até 2025, numa ação simbólica contra a crise climática.

De acordo com a porta-voz do núcleo da Faculdade de Psicologia e do Instituto de Educação (FPIE), do movimento “Fim ao Fóssil Ocupa!”, Teresa Cintra, estas ocupações pretendem dar visibilidade à crise climática e angariar 1.500 pessoas para bloquear o terminal de gás natural liquefeito (GNL) do Porto de Sines em 13 de maio.

“[O nosso] objetivo é conseguir angariar 1.500 pessoas que se comprometeram a vir connosco na maior ação de desobediência civil que Portugal já viu que é parar o porto de gás em Sines”, adiantou à Lusa Teresa Cintra.

Para a ativista climática, “a ação que decorre na FPUL é de disrupção” com apresentação de palestras em sala de aula.

“Os primeiros dias vão ser mais de palestras, vamos dar uma palestra numa aula, vamos apresentar as ocupas (…), falar sobre a crise climática, ter palestras sobre capitalismo versus crise climática, uma série de temas… e contamos ter outros projetos”, indicou.

Teresa Cintra explicou que os ativistas climáticos contam continuar o protesto até o Governo aceder às suas reivindicações ou até conseguirem as 1.500 pessoas para participarem na ação da campanha Parar o Gás em Sines – que se podem inscrever na plataforma ‘online’ Parar o Porto de Gás .

“Isso vai acontecer, isso tem de acontecer. Nós estamos a visibilizar um conflito. As pessoas vão perceber que este é um problema que vai afetar toda a gente de forma inimaginável e que todas as pessoas vão perceber que se têm de juntar a nós, que quiserem garantir um futuro de qualidade”, acrescentou.

Protestos em Faro

A luta pelo fim dos combustíveis fósseis reuniu esta quarta-feira um pequeno grupo de estudantes frente a uma escola secundária, em Faro, que vão promover durante duas semanas ações para mobilizar a comunidade, disse à Lusa uma das responsáveis.

O grupo esteve durante a manhã de quarta-feira junto à entrada da Escola Secundária Tomás Cabreira numa ação de sensibilização com os estudantes, em que distribuíram panfletos e expuseram numa mesa cartazes onde se podia ler “Ocupar até mudar”, “Fim ao fóssil” ou “Futuro verde.

Segundo Mourana Monteiro, ativista do movimento “Fim ao Fóssil: Ocupa!”, as ações previstas, entre debates, palestras e rodas abertas, em que qualquer pessoa pode participar, culminam, a 8 de maio, com a ocupação da Escola Tomás Cabreira e da Universidade do Algarve (UALg).

“Hoje é o evento de lançamento, em que queremos dizer às pessoas, às comunidades, que não podemos continuar na normalidade e que é preciso uma disrupção para acabar com a destruição [do planeta]", disse à Lusa a aluna de mestrado em Neurociências Cognitivas e Neuropsicologia.

A ativista contou que o grupo foi impedido de afixar cartazes e promover ações dentro dos estabelecimentos, pelo que decidiram apelar à mobilização de estudantes fora da escola, disponibilizando um código QR com um formulário para quem se quiser inscrever para participar numa reunião preparatória.

As ocupações iniciam-se em Lisboa (Instituto Superior Técnico, faculdades de Letras e Psicologia da Universidade de Lisboa e Escola Secundária Dona Luísa de Gusmão) e Faro (Universidade de Faro e Escola Secundária Tomás Cabreira).

A iniciativa é esta quarta-feira acompanhada por manifestações no Liceu Camões, em Lisboa, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, cujos estudantes prometem ocupar os estabelecimentos a partir de 2 de maio, a que se juntam os alunos das escolas Rainha Dona Leonor e António Arroio, ambas em Lisboa.

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE