Força Aérea Portuguesa precisa de mais 1.400 militares - TVI

Força Aérea Portuguesa precisa de mais 1.400 militares

  • Agência Lusa
  • HCL
  • 1 jul 2023, 16:48
Militares da primeira força nacional destacada para a Roménia. Foto: José Sena Goulão/Lusa

Segundo o chefe do Estado-Maior, a falta “traduz-se numa sobrecarga das restantes pessoas"

 A Força Aérea Portuguesa precisa de mais 1.400 militares e de oferecer condições mais atrativas para conseguir recrutar e reter quadros, disse hoje o chefe do Estado-Maior deste ramo das Forças Armadas, João Cartaxo Alves.

O problema não reside em recrutar, já que este ramo se tem revelado atrativo para os jovens, mas “o que se passa é uma questão de competitividade com o mercado”, segundo explicou, à margem da cerimónia militar dos 71 anos da Força Aérea, em Bragança.

“Tem a ver com fatores que temos que trabalhar na questão de retenção, abrir mais vagas para o quadro permanente e tornar estes quadros atrativos”, concretizou.

Uma das medidas em curso é um programa em que a Força Aérea está a trabalhar há dois anos e que visa “a melhoria de todas as instalações que podem ser disponibilizadas para os militares, não só para os seus locais de trabalho, mas também para alojamento”.

“Porque será um fator de grande motivação para os militares e para as suas famílias”, considerou.

Segundo o chefe do Estado-Maior, a falta de 1.400 militares no efetivo “traduz-se numa sobrecarga das restantes pessoas", já que a maioria dos serviços tem de ser desdobrada, o que "implica menos descanso, maior rotatividade”, e tem também implicações na missões que têm de ser cumpridas.

O quadro de praças que vai ser aprovado pelo Governo “pode ser uma das soluções” para “colmatar algumas destas deficiências em termos de retenção de pessoal”, no entender de João Cartaxo Alves.

A Força Aérea deposita também expectativas nas novas leis de Programação Militar e de Infraestruturas Militares, que estão para aprovação na Assembleia da República e que preveem investimentos de cinco mil milhões de euros até 2034.

A ministra da Defesa, Helena Carreiras, participou, em Bragança, na cerimónia militar comemorativa do aniversário da Força Aérea e indicou que é intenção do Governo que cinco por cento do valor do investimento seja alcançado com a alienação de património.

A governante explicou que se trata de uma “tentativa de fazer dois em um”, ou seja “reforçar e modernizar as Forças Armadas e simultaneamente rentabilizar património” que não está afeto a fins operacionais para a modernização dos próprios equipamentos e para o investimento nas suas infraestruturas.

A ministra explicou que “há uma diversidade de modelos de rentabilização que vão desde a venda às cedências com diferentes prazos”.

Segundo disse, esta medida insere-se “num quadro mais amplo de valorização do património do Estado” e é, por isso, que carecem da aprovação do primeiro-ministro” “para dar coerência a este objetivo de usar recursos que não estão a ser utilizados para valorizar os seus meios”.

“O que está previsto na lei é que relativamente à listagem de imóveis a incluir na lei de infraestruturas militares haja também uma palavra do senhor primeiro-ministro, mas naturalmente quem fará esse inventário, desde logo são as Forças Armadas e a Defesa, de forma articulada, avaliando aquilo que são as suas necessidades e as suas disponibilidades”, afirmou.

A votação final global da nova Lei de Programação Militar estava prevista para sexta-feira, na Assembleia da República, mas foi adiada.

A ministra da Defesa espera que na próxima semana este processo esteja concluído.

Continue a ler esta notícia